Tensão no oeste do Pará: MPF pede proteção urgente para testemunha ameaçada

 

Homem que denunciou extração ilegal de madeira já sofreu atentado

O Ministério Público Federal enviou ofício à Secretaria de Segurança Pública do Pará pedindo proteção urgente para mais uma testemunha ameaçada no caso dos madeireiros que invadem, através do Projeto de Assentamento Areia – em Itaituba – a Floresta Nacional de Trairão e o Parque Nacional do Jamanxim, em Trairão e a Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, em Altamira, no Pará. O nome da testemunha está sendo mantido em sigilo por motivos de segurança.

A testemunha sofreu um atentado a bala no local onde mora, no assentamento, no início de dezembro. Outra testemunha do mesmo caso, João Chupel Primo, foi assassinado em outubro na localidade de Miritituba, em Itaituba. Ele foi morto depois de denunciar a extração ilegal de madeira, que tem como porta de entrada o PA Areia, em Itaituba, mas vem colocando em risco a vegetação e os moradores até a Resex Riozinho do Anfrísio, em Altamira. Na Resex, os madeireiros já ameaçaram o líder comunitário Raimundo Belmiro.

O pedido do MPF ao secretário Luiz Fernandes é que designe proteção policial urgente para os ameaçados nesse caso, já que o risco de novas tentativas de assassinato é iminente. Na semana passada, depois do atentado à testemunha, a Polícia Civil prendeu Vilson Gonçalves, vice-prefeito do município de Rurópolis, na Transamazônica, e Carlos Augusto da Silva, ambos acusados pela morte de João Chupel. Mesmo com as prisões, as ameaças às outras testemunhas continuam.

Em resposta a pedidos do MPF e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) houve uma operação de combate à exploração ilegal de madeira na região no fim de novembro. Os resultados ainda não foram convertidos em relatório. O ofício do MPF pedindo proteção policial foi enviado hoje ao secretário de segurança.

Fonte: Ministério Público Federal no Pará

EcoDebate, 20/12/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Tensão no oeste do Pará: MPF pede proteção urgente para testemunha ameaçada

  1. Engraçado, lá no Rio de Janeiro, a cidade maravilhosa, juntaram forças até de exército pra desocuparem morros e favelas, prenderem traficantes e o escambal. E conseguiram, pelo menos é o que diz a mídia. É feio né, uma cidade tão famosa e tão vista pelo mundo inteiro, ter a fama tão ruim e feia das favelas ao redor. Agora, lá no Pará, na terra de ninguém, esquecida pelo resto do Brasil e do mundo, está acontecendo uma guerra! Estão desmantando, matando, o povo tenta e não consegue fazer nada! são ameaçados, são mortos, e nenhuma autoridade faz nada! Lá quem manda são os donos de madereiras, e aí de quem se manifesta, e o povo mesmo de mãos atadas, ainda tenta fazer alguma coisa. Não é possível que não há, entre exército, polícia, entre tantas forças armadas, uma que não dê conta dessa guerra contra a mãe natureza que acontece por lá. Não é possível! Eu não entendo o por que disso ainda acontecer, e não há nenhuma proteção pra essa gente que se manifesta, nenhuma! Eu não entendo, não consigo! Alguém pode me explicar?

Comentários encerrados.

Top