Suspenso enterramento de resíduos vegetais na área da UHE Mauá

Suspensão acata recomendação feita pelo Ministério Público Federal ao IAP em julho deste ano

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) suspendeu, desde o dia 28 de julho, as atividades de enterramento de resíduos vegetais nas áreas de supressão florestal na região do futuro reservatório da UHE Mauá. A suspensão atendeu a recomendação do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) de 21 de julho deste ano.

O IAP também recomendou ao Consórcio Energético Cruzeiro do Sul (CECS), através de relatório de inspeção ambiental (RIA), que promova reunião entre seus técnicos, Copel, IAP e MPF para que seja equacionada a destinação final dos resíduos. Essa recomendação aplica-se a todas as frentes de supressão correspondentes à área de alagamento do reservatório da UHE Mauá.

Veja aqui a íntegra das recomendações expedidas pelo MPF no dia 21 de julho ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), IAP e (CECS).

Entenda o caso – Em março deste ano, o MPF realizou visita às áreas de supressão de vegetação da UHE Mauá, juntamente com representantes da Universidade Estadual de Londrina, Funai e ONG MAE. Na ocasião, constatou-se o enterramento de resíduos vegetais (toras de madeira leve, galhos, folhas e serapilheira) dentro da área do futuro reservatório. O MPF entende que a técnica utilizada na UHE Mauá pode gerar sérias interferências na qualidade da água, como aconteceu na UHE Serra do Falcão, onde foi utilizada esta prática e aconteceu um desastre que ocasionou a morte de 4,7 toneladas de peixes pela drástica diminuição de oxigênio dissolvido, devido à poluição por matéria orgânica. Há grande probabilidade de este desastre ter relação com o enterramento do material orgânico.

Por esta razão, em julho o MPF expediu recomendações ao Ibama, IAP e CECS, para que fosse paralisado imediatamente o enterramento de resíduos vegetais na área do futuro reservatório usina. No caso da opção em manter esta prática, o MPF recomendou que a continuidade dos trabalhos deverá ficar condicionada à apresentação de estudos que garantam a segurança em relação à qualidade da água após o enchimento do reservatório e operação da usina.

Fonte: Procuradoria da República no Paraná

EcoDebate, 17/08/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Suspenso enterramento de resíduos vegetais na área da UHE Mauá

  1. A melhor solução para esse problema é a queima dos resíduos. Lamentavelmente há muitos “especialistas” com opiniões totalmente equivocadas. Enterrar milhares de metros cúbicos de material fragmentado é uma medida cara e sem lógica alguma. Exige maquinário que nem sempre é possível de ser utilizado principalmente quando o terreno é íngreme. Do ponto de vista da qualidade da água o impacto é pequeno e temporário.

Comentários encerrados.

Top