Mineração e destruição

De pouco em pouco estão encurtando nosso espaço na comunidade. Minha bisavó sempre residiu em Itapicuru, tem 104 anos, e hoje fica triste com o que estão fazendo na nossa serra”, desabafou Claudiana dos Santos Pereira, morada da comunidade de Itapicuru, no município baiano de Jacobina. Sua declaração engrossa a lista de denúncias sobre a exploração mineral no estado da Bahia e teve eco no Encontro de Atingidos e Atingidas pela Mineração, realizado pela CPT BA, nos dias 24 e 25 de fevereiro, em Salvador.

Claudiana falou com detalhes sobre os impactos ao meio ambiente e à saúde das pessoas que vivem nas comunidades de Itapicuru, Canavieira e Jabuticaba, causados pela exploração do ouro comandada hoje pela Yamana Gold, em Jacobina. Segundo ela, as violações de direitos geralmente começam já no processo de implantação das empresas, que para convencer a população fazem promessas de geração de empregos, construção de escolas, quadras poliesportivas, estradas, postos de saúde, enfim dizem que estão levando o progresso para a região. Aliado a isto, a falta de informações por parte das comunidades sobre a exploração mineral.

As conseqüências geradas pela exploração mineral vão desde a contaminação da água e do solo, morte das nascentes, poluição sonora, devastação da mata, até a extinção das comunidades e esfacelamento das relações sociais.

Além de Claudiana, Florisvaldo Cardoso, da comunidade Gameleira, em Caitité – BA também contou sobre os problemas causados pela mineração em sua comunidade. Ele mora a um quilômetro da mina de urânio, em Caitité – BA. “Nossas casas estão cheias de rachaduras. Vivemos toda vida aqui e nunca isso aconteceu. Agora, depois da mina…”, falou Florisvaldo. As detonações na mina causam as rachaduras nas casas. Quando a comunidade questiona às Industrias Nucleares do Brasil – INB, que explora a mina de urânio na região, a resposta é sempre a mesma. “Eles dizem que o problema é a terra fraca e a qualidade dos pedreiros”, revela.

A contaminação da água foi outro ponto apresentado por ele. “A gente não sabe se a água está boa ou não. Chega um órgão e diz que está contaminada. Chega outros mais alto e diz que está boa. Quando a empresa leva água pra gente, carrega no mesmo caminhão que leva a contaminada. Se bota comida boa no cocho pra porco, ela é boa?” pergunta Florisvaldo.

As experiências de resistência e luta contra as empresas de mineração e os impactos da atividade de exploração mineral nos estados de Minas Gerais, Pará e Ceará também integraram o encontro, que foi assessorado pelo membro do Movimento pelas Serras de Águas de Minas, Gustavo Gazzinelli. O ambientalista deu uma visão mais ampla dos problemas da mineração, destacando os vários mitos que envolvem a questão.

Na tarde do primeiro dia, 24, participaram do encontro o Superintendente do Departamento Nacional de Pesquisa Mineral – DNPM, Teobaldo Rodrigues; o diretor do Instituto do Meio Ambiente – IMA, Pedro Ricardo Silva Moreira; o membro da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral, Ernesto Alves. A crença na “casadinha” mineração e progresso norteou a apresentação dos representantes dos órgãos do governo estadual. Ruben Sampaio participou representando o Grupo Ambientalista da Bahia – Gambá e questionou a falta de uma política de exploração mineral no estado da Bahia. O debate com este grupo revelou que ainda é preciso caminhar muito no diálogo com o Estado.

Sexta, 25, último dia do encontro, os trabalhos foram pautados pelo aprofundamento dos instrumentos jurídicos que incidem sobre a mineração. O Ministério Público, através da promotora Luciana Khoury contribui com alguns esclarecimentos sobre as questões legais. A discussão e definição de estratégias das organizações populares para enfrentar os mega projetos de mineração e os impactos causados por eles encerram o encontro.

Claudiana que participou das reflexões e definições do encontro e volta para Jacobina ainda lamentando pelo filho que não pode tomar mais banho nos rios e cachoeiras de sua comunidade, mas com novo folêgo para continuar na luta.

Reportagem da CPT Bahia | Comissão Pastoral da Terra – Regional Bahia, publicada pelo EcoDebate, 03/03/2011


Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top