Quatro mil crianças são retiradas do trabalho ilegal no Brasil em 2009

Trabalho Infantil
Trabalho Infantil. Foto UOL

Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego e instituições parceiras combatem a prática em todo o país. Reintegração social é o caminho para uma vida nova a crianças e adolescentes em risco

Este ano 4 mil crianças e adolescentes em todo o país foram afastadas de situações de trabalho ilegal pelos Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego. Nas ações, lideradas pela Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), leva-se em conta o Artigo 7º Constituição Federal: “o trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de 18 e de qualquer trabalho a menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14 anos”.

Para fortalecer este trabalho, o MTE iniciou parcerias com órgãos que atuam nesta causa, entre eles Ministério Público do Trabalho, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Ministério da Educação, Secretaria Especial de Direitos Humanos, Fórum Nacional e Fóruns Estaduais para Erradicação do Trabalho Infantil, Secretarias Estaduais e Municipais de Assistência Social.

Durante uma ação fiscal, ao detectar a presença de crianças e adolescentes em idade inferior à permitida para o trabalho, o fiscal do trabalho notifica o empregador a afastar de imediato as crianças e adolescentes e encaminha um termo de pedido de providências ao Conselho Tutelar, à Secretaria de Assistência Social, ao Ministério Público Estadual e ao Ministério Público do Trabalho. Cópias dos autos de infração lavrados e dos termos emitidos são enviados aos conselhos de Direito da Criança e do Adolescente.

O MTE trabalha pelo afastamento das crianças e adolescentes de situação de trabalho irregular; pelo acionamento da rede de proteção à criança e ao adolescente; e pela inclusão dos jovens em programas de transferência de renda ou em programas sociais, atendidas as necessidades em casa caso.

Segundo a chefe da Divisão de Fiscalização do Trabalho Infantil do MTE, Maira Rezende de Campos Souza, o governo federal vem fortalecendo o combate ao trabalho infantil.

“O governo brasileiro investe maciçamente em esforços no combate ao trabalho infantil por meio de políticas sociais baseadas em ações integradas, que garantem à criança e ao adolescente o direito à vida e ao desenvolvimento total. Há ações específicas de naturezas distintas nas áreas de políticas sociais básicas, serviços de prevenção, assistência supletiva, proteção jurídico-social e defesa de direitos voltados à infância e juventude”, lista Maira.

Conaeti – A Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil (Conaeti), coordenada pelo MTE, com participação de entidades representativas dos segmentos do governo, dos trabalhadores, dos empregadores e da sociedade civil, trabalha pela aplicação das disposições das Convenções nºs 138 e 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), das quais o Brasil é signatário. Entre as suas principais atribuições estão a revisão e o acompanhamento da execução do Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil, por ela elaborado em 2003

* Informe do MTE, publicado pelo EcoDebate, 10/10/2009

Nota do EcoDebate: como informação adicional sugerimos que acessem “Especial: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2008“, “Pnad 2008: Trabalho infantil diminui, mas ainda é realidade para 993 mil crianças de 5 a 13 anos” e “Trabalho Infantil: Em 2008, 7,3 mil crianças foram resgatadas de frentes de trabalho pelo MTE

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top