Assentamento Sepé Tiaraju, em Campos Novos, SC, faz opção por produção agroecológica

Produção orgânica no Assentamento Sepé Tiaraju
Produção orgânica no Assentamento Sepé Tiaraju

Desde sua criação pelo Incra/SC em 1999, os agricultores assentados no projeto de assentamento Sepé Tiaraju, em Campos Novos, optaram por trabalhar sua produção de uma forma alternativa à exploração tradicional. Desse modo, o assentamento, que é trabalhado de forma coletiva, está realizando experiências e propostas de agricultura orgânica e também formas não-convencionais de pecuária. Um bom exemplo é o cultivo de hortaliças, totalmente agroecológico e que hoje é comercializado semanalmente em uma feira da cidade.

Para a produção orgânica os assentados mantêm, entre outras coisas, uma produção própria de sementes das hortaliças, garantindo a auto-sustentabilidade da produção, além dos biofertilizantes utilizados nas hortas. “Quando estávamos iniciando as discussões sobre a produção no assentamento, chegamos a conclusão de que não tínhamos condições de sobreviver por meio da lavoura tradicional. Além disso, optamos por um modelo que aboliu o veneno e a depredação do meio ambiente, pensando sempre no bem-estar do ser humano”, ressalta a assentada, Zenilde Bonetti.

Além das hortaliças, a produção de grãos, especialmente feijão e milho é também feita de forma agroecológica. Para tanto é mantido um banco de sementes crioulas, que inclusive são multiplicadas e repassadas para outros agricultores assentados no estado.

Fruticultura e preservação

A fruticultura é outra atividade explorada nesse modelo, sendo que no assentamento foram plantados mais de mil pés de goiaba, pêssego e ameixa.

Outro ponto que demonstra o respeito ao meio ambiente pelos assentados, é que o Sepé mantém todas as Áreas de Preservação Permanente (APP) intocadas e possui a Reserva Legal averbada em cartório. “Com a preservação das matas percebemos o retorno de animais como veados, tatus e lebres que antes praticamente não existiam, especialmente pelo fatos de não ter mais mata nativa e as lavouras com veneno afugentarem os animais”, afirma Zenilde.

Produção de leite

Já na criação de gado leiteiro, os assentados optaram por adotar o método Voisin, que é considerado um modo de criação mais ecológico e com maior retorno financeiro.

A tecnologia consiste em dividir a área de pastoreio em piquetes, possibilitando assim às plantas todas as condições para que possam crescer sem interrupções ou agressões, pois o gado é levado diariamente para áreas diferentes.

No Sepé uma área de pastagem perene de 23 há foi dividido é 103 piquetes, gerando sempre pasto de boa qualidade para o gado. Atualmente os assentados possuem um rebanho de 33 vacas leiteiras o que resulta em uma produção de mais de 300 litros de leite por dia.

* Informações do Incra, publicadas pelo EcoDebate, 10/10/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top