Na pandemia de Covid-19, os atendimentos a mulheres vítimas de violência aumentaram 44,9% no estado de São Paulo

    Em relatório divulgado no dia 20, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) informa que o total de socorros prestados passou de 6.775 para 9.817, na comparação entre março de 2019 e março de 2020. A quantidade de feminicídios também subiu no estado, de 13 para 19 casos (46,2%). Policiais militares do Acre também foram acionados mais vezes, pelo mesmo motivo, durante o mês passado, quando a Organização Mundial da Saúde

Os dois lados da Ciência, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Ao mesmo tempo em que algumas pessoas morrem, muitas outras se desesperam com o desemprego e o fechamento de locais de trabalho. O que fazer quando acaba o dinheiro pra comida e não há sequer esperança de emprego? Isolamento social não é cura, é um tempo para equipar o sistema de saúde, mas que ao mesmo tempo desestrutura a sobrevivência das pessoas. A ciência médica recomenda o isolamento, a ciência

Sete em cada 10 vítimas de feminicídio em SP, em 2019, foram mortas em casa

  Feminicídio: Dados de 2019 representam aumento de 40% em relação a 2018 ABr   Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil   Sete em cada 10 vítimas de feminicídio no estado de São Paulo, em 2019, foram mortas dentro de casa. Um total de 125 mortes ocorreram nas residências das vítimas no ano passado, o que representa um aumento de 40% em relação a 2018, quando foram 89 mortes em casa. O levantamento foi revelado pelo Instituto Sou

Fake news, política, religiosidade e desavenças entre parentes, artigo de Gilvander Moreira

Fake news, política, religiosidade e desavenças entre parentes Por Gilvander Moreira1 “Quem é minha mãe e meus irmãos?” (Mc 3,33), perguntou Jesus Cristo em plena missão no meio do povo. Jesus também brigou com parentes? Desde a última campanha eleitoral, temos ouvido falar de briga entre parentes, em grupos de família no WhatsApp, via telefone ou presencialmente. Como resultado destes embates, parentes se afastam, saem dos grupos de WhatsApp, porque

A sociedade pós-pandemia, artigo de Marília Cardoso

    [EcoDebate] Se você é do tipo que está ansioso pelo fim da quarentena para retomar sua vida exatamente do ponto que ela parou, sinto em lhe informar: você está iludido. Mesmo que esse período acabe o mais rápido possível, não haverá volta ao normal. Nada será como antes. Teremos que construir um novo normal, uma nova sociedade. Nesse exato momento, estamos vivendo uma mistura do que não é mais com

Contra a pandemia de fake news, o apoio da sociedade ao bom jornalismo, artigo de Alexsandro Ribeiro

    [EcoDebate] Na era da informação, não existe realidade social que não seja mediada. Ou seja, tudo o que nos chega sobre os acontecimentos de relevância pública passa por algum meio de comunicação. Quer seja institucionalizado, quer seja compartilhado por redes de contato. Além disso, se tem algo que a história contemporânea tem nos revelado, é que a informação é um dos principais bens de um povo em momento de crise.

Violência de gênero: Isolamento social em tempos de pandemia torna a casa ainda mais perigosa para a mulher

  Isolamento social em tempos de pandemia torna a casa ainda mais perigosa para a mulher. Entrevista especial com Jacqueline Pitanguy Socióloga analisa os dados de que a violência doméstica tem aumentado durante uma das principais ações para evitar a propagação da Covid-19: ficar em casa Por João Vitor Santos, IHU Não é de hoje que pesquisadores e estudiosos têm constatado que, quando se fala em violência de gênero, no lar as coisas não são tão

Coronavírus: momento de respeito e solidariedade, artigo de Armando Rovai

    [EcoDebate] Desde que surgiram as primeiras notícias acerca do coronavírus (Covid-19), uma onda de desrespeito e preconceito tem sido divulgada pelas mídias sociais, como as recentes falas proferidas sobre a origem do vírus e sua proposital contaminação. Algumas dessas falas partiram de pessoas que têm a obrigação de se comportar nos estritos termos de um Estado Democrático de Direito, até porque, algumas delas representam a população brasileira no parlamento. De toda

Novo coronavírus e a falácia dos negacionistas: ‘Morreu, mas era idoso e tinha diabetes’

    É como se todas essas pessoas morressem não por causa do novo coronavírus, mas de suas doenças preexistentes, argumento, aliás, que anda na boca de negacionistas, para quem a pandemia não passa de exagero e invencionice da mídia Ruth Helena Bellinghini Revista Questão de Ciência Eu sabia que ia acontecer comigo, que sou idosa (60 anos), diabética e tenho outros probleminhas. Só não sabia quando. Não, não, que eu saiba, não contraí o

Pandemia COVID-19 na Era do Capitaloceno: Racismo ambiental disfarçado de consciência ecológica, artigo de Victor Pinto

[EcoDebate] Estou vendo várias pessoas compartilhando notícias sobre a "recuperação ambiental do planeta" com essa pandemia de Corona vírus e alguns comentários me chamaram atenção e me preocuparam enquanto biólogo e progressista. Então escrevi esse texto baseado nas minhas leituras e espero ajudar na construção de uma reflexão mais adequada dentro do cenário político-econômico-ambiental atual no meio de uma pandemia. Para isso vou trazer à luz alguns conceitos complexos, mas

Covid-19 – O que vai acontecer com a pandemia? artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] A incerteza é uma das maiores angústias, porque a gente não sabe para o que se preparar, ainda mais agora que além dos riscos do vírus existe a insegurança econômica. Mas qual é o cenário possível, afinal, e quais os principais fatores que influenciam nesse futuro? Dos quatro fatores, dois dependem da população (resguardo e higiene) e dois do governo (testagem ampla e atendimento médico). Você já recebeu centenas de

Violência doméstica aumentou em 50% como consequência do isolamento social e da quarentena

  Segundo a neuropsicóloga Roselene Espirito Santo Wagner, os dados apontam para o aumento de casos de Violência Doméstica, neste momento de Isolamento Social. No Rio de Janeiro houve um aumento de 50% de casos de violência doméstica durante o confinamento. Por Fabiano de Abreu Vivemos um momento ímpar na história recente onde nenhum de nós estava preparado para ter de interromper o ritmo normal do nosso cotidiano para combater um inimigo microscópico, o

Novo coronavírus (COVID-19): A experiência de um confinamento compulsório, artigo de Roberto Souza

  [EcoDebate] Estou confinado em um apartamento, na cidade de Valência, no sudeste da Espanha. Daqui do oitavo andar do apartamento, posso ver as ruas e avenidas próximas: vazias! É uma cena que se repete em todo o país desde o último sábado (14). As cidades parecem cidades-fantasmas. Só podem sair de casa a pé, quem se dirige aos mercados e, ainda assim, usando sacolas ou carrinhos, bem como ir às farmácias,

Coronavírus: A hora da Ciência e da Saúde Pública, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Na sexta 13 de março em que foi divulgado o resultado do exame para Coronavírus do Presidente da República, a Pandemia já se tornou o assunto central do país. Antes de ter auxiliares contaminados e precisar fazer o exame, o Presidente falara em “alarmismo” da mídia – mas agora, com pessoas próximas atingidas pelo vírus, a preocupação ganha novo “status”. “Viralizou” um áudio do Dr. Jatene, relatando reunião médica em

Desrespeitar a prescrição de isolamento na pandemia do Coronavírus é crime, artigo de Débora Veneral

  [EcoDebate] Já no começo de fevereiro, entrou em vigor a lei que determina as medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública em razão do Coronavírus (Lei 13.979/20). Diante da pandemia, as principais medidas dizem respeito à contenção da transmissão pelo bem da coletividade, por meio do isolamento e da quarentena. O Ministério da Saúde, a fim de operacionalizar as disposições da lei, trouxe regulamentação específica na Portaria 356,

Violência contra a mulher: Brasil tem leis progressistas, mas ainda enfrenta barreiras culturais

  Dois terços dos países do mundo possuem leis punitivas, segundo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime Por Aline Moura Numa comparação internacional, o Brasil está no hall dos 140 países que possuem leis que punem, de alguma maneira, a violência contra a mulher. Isso representa dois terços das nações. Ainda restam 40 que simplesmente não possuem legislação específica. Levantamento divulgado essa semana pelo Núcleo de Estudos da Violência da USP e

O lugar mais perigoso do mundo para uma mulher: dentro da sua própria casa, artigo de Raquel Kobashi Gallinati

  [EcoDebate] Cada vez mais, as mulheres ocupam lugares de destaque em suas profissões, possuem autonomia financeira, são referências em seu campo de atuação e conquistam seu espaço na sociedade. As vitórias na luta por igualdade, entretanto, escondem uma realidade perturbadora: a cada dois minutos, ocorre um caso de violência doméstica no Brasil. Livres nas ruas, muitas mulheres ainda são prisioneiras de uma rotina de agressões e medo dentro de suas

Portadores do Vírus HIV não são simplesmente ‘despesas’, mas sim cidadãos com direitos, artigo de Alessandra Diehl

  Imagem: Universidade Federal de São João del-Rei   [EcoDebate] Os primeiros casos da AIDS surgiram no Brasil em 1980. Personalidades como Betinho e Cazuza perderam a vida para o HIV e comoveram nossa nação. De lá para cá, felizmente muita coisa mudou no tocante ao tratamento e prevenção dessa infecção. Em 1995, surgiu o “coquetel”, que reunia os primeiros medicamentos para tratar a doença no Brasil. Os remédios, além de aumentar a expectativa

Violência de gênero é obstáculo para garantia de direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e jovens

Segundo Emanuelle Góes, doutora em saúde pública e pós-doutoranda do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde, a violência baseada em gênero ocorre, por exemplo, quando as mulheres não têm direito a decidir sobre a maternidade Por Rachel Quintiliano, UNFPA no Brasil A garantia do exercício dos direitos sexuais e reprodutivos em todo o mundo ainda tem sido um desafio que incide diretamente nos projetos de vida de mulheres, meninas

Botar ou tirar a fantasia? artigo de Montserrat Martins

  [EcoDebate] Carnaval é quando se bota ou é quando se tira a fantasia? Sendo que estamos presos a papéis sociais o ano inteiro, na sociedade, no trabalho e na família, o que é que cada um queria ser, de verdade? O bom do Carnaval é botar a máscara de quem a gente quiser e brincar de ser aquela pessoa, naquela noite. Botar uma fantasia é terapêutico, brincar desestressa, o espírito do

Top