Emma Goldman e a luta pela autodeterminação reprodutiva, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Aquí y ahora declaro la guerra a este sistema y no descansaré hasta que sea liberado el camino para una libre maternidad y una saludable, alegre y feliz niñez”. (Emma Goldman, 1916).     [EcoDebate] Emma Goldman (1869-1940) foi uma das principais figuras da história do anarquismo e do feminismo dos Estados Unidos e do mundo. Ela foi uma das primeiras defensoras da liberdade de expressão, da organização sindical, regulação da fecundidade e

Zika virus e autodeterminação reprodutiva, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O comissário de Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein, conclamou os países que passam pela epidemia do zika vírus a disponibilizem aconselhamento sobre saúde sexual e reprodutiva para mulheres e permitam o direito ao aborto: "As leis e as políticas que restringem acesso a esses serviços devem ser urgentemente revistas em consonância com os direitos humanos, a fim de garantir na prática o direito à saúde para

Direitos sexuais e reprodutivos e a equidade de gênero: a Rio + 20 e a CIPD além de 2014, por Suzana Cavenaghi e José Eustáquio Diniz Alves

    Direitos sexuais e reprodutivos e a equidade de gênero: a Rio + 20 e a CIPD além de 2014 Suzana Cavenaghi1 José Eustáquio Diniz Alves2 [EcoDebate] No dia 10 de dezembro se comemora o aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948. Esta Declaração é um dos principais documentos da história da humanidade e já deu diversos frutos nestes últimos 64 anos, sendo que a concepção do direito sexual e reprodutivo é

Direitos Sexuais e Reprodutivos na América Latina e Caribe, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] Aconteceu nos dias 5 a 7 de maio, na cidade de Guatemala, o V Congreso Latinoamericano y I Congreso Centroamericano de Salud y Derechos Humanos y Derechos Sexuales y Reproductivos, com a presença de cerca de 500 pessoas de 17 países da região. Dentre outros temas, foi discutido como reduzir a mortalidade materna, como evitar a gravidez indesejada, especialmente entre as adolescentes, e como garantir que a maternidade seja

Pesquisa revela que mulheres que abortam são maltratadas no serviço de saúde

Devido ao despreparo de profissionais e à discriminação, mulheres que recorrem ao aborto induzido no país são maltratadas ou atendidas inadequadamente no sistema de saúde. Essa é um das conclusões de uma tese da enfermeira Simone Mendes Carvalho, defendida na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O estudo mostra que há demora no atendimento dessas mulheres e que elas são submetidas a procedimentos sem anestesia. Geralmente são mulheres de baixa renda que abortaram.

Infância violentada. Em hospital, meninas grávidas por estupro correspondem a 43% dos atendimentos

Casos como o da menina pernambucana de 9 anos que se submeteu a um aborto de gêmeos depois de estuprada pelo padrasto são trágica rotina no país. Um dado, recolhido no Hospital estadual Pérola Byington, em São Paulo, referência no tratamento a mulheres vítimas de violência sexual, mostra que 43% dos atendimentos diários se referem a meninas com menos de 12 anos, que engravidaram depois de estupradas. No ano passado,

Câmara pede à Justiça para reconsiderar indiciamento de quase 10 mil mulheres por aborto

O quadro do aborto no Brasil é mais grave do que se imaginava e exige mais do que o simples tratamento jurídico. A constatação é do deputado federal Pompeo de Mattos (PDT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Na última quarta-feira (30), a comissão divulgou nota oficial defendendo a reconsideração do pedido de indiciamento de 9.896 mulheres pela prática de crime de aborto em

Promotor que indiciou mulheres por aborto no MS defende revisão da legislação

O aborto é uma questão social que precisa ser discutida pela sociedade e o Congresso Nacional. Enquanto não houver mudanças na lei, não será possível alterar práticas jurídicas e policiais. A avaliação é do promotor do Ministério Púbico do Estado do Mato Grosso do Sul, Paulo César dos Passos, responsável pelo pedido de investigação de cerca de 10 mil mulheres que teriam praticado aborto em uma clínica em Campo Grande

Levantamento revela perfil das mulheres que praticam aborto no país

A maioria dos abortos no país é feito por mulheres de 20 a 29 anos de idade, que trabalham, têm pelo menos um filho, usam métodos contraceptivos, são da religião católica e mantêm relacionamentos estáveis. Elas têm até oito anos de escolaridade e estão no mercado de trabalho com renda de até três salários mínimos, exercendo funções como as de doméstica, manicure e cabeleireira. Matéria de Adriana Brendler, da Agência

Relatório reafirma necessidade de planejamento familiar e acesso a contraceptivos

Os resultados do relatório Aborto e Saúde Pública, elaborado por pesquisadores de duas universidades brasileiras - de Brasília (UnB) e do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) - confirmam a posição do Ministério da Saúde de que a interrupção induzida da gravidez é um problema de saúde pública. A avaliação é do diretor do Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas do ministério, Adson França. Matéria de Adriana Brendler, da Agência

Embriões estocados ( In vitro ), artigo de Frei Cláudio van Balen

[EcoDebate] Princípio básico: Toda pessoa tem o sagrado direito de beneficiar-se dos eventuais avanços da biologia e da genética. O impacto do progresso genético sobre a existência humana atinge a vida das pessoas e o destino da humanidade. Aqui, não havendo ainda resposta pronta e universal, todos temos de ficar atentos ao que se apresentar benéfico ou nocivo à vida, às pessoas, à convivência, à história. 59

Top