Poluição plástica tornou-se generalizada em solos agrícolas, segundo estudo da FAO

 

plásticos na agricultura
© FAO/Cristina Aldehuela

Poluição plástica tornou-se generalizada em solos agrícolas, segundo estudo da FAO

Embora a maioria das pesquisas científicas sobre poluição por plásticos tenha sido direcionada a ecossistemas aquáticos, especialistas da FAO dizem que os solos agrícolas recebem quantidades muito maiores de microplásticos

Enquanto o lixo plástico que joga lixo nas praias e oceanos chama a atenção, a (FAO) Assessment of agricultural plastics and their sustainability: a call for action : um apelo à ação sugere que a terra que usamos para cultivar nossos alimentos está contaminada com quantidades ainda maiores de poluentes plásticos.

“ Os solos são um dos principais receptores de plásticos agrícolas e são conhecidos por conterem maiores quantidades de microplásticos do que os oceanos”, disse a diretora-geral adjunta da FAO, Maria Helena Semedo, no prefácio do relatório.

Números surpreendentes

De acordo com dados coletados por especialistas da FAO, as cadeias de valor agrícola usam a cada ano 12,5 milhões de toneladas de produtos plásticos, enquanto outros 37,3 milhões são usados ​​em embalagens de alimentos.

A produção agrícola e a pecuária representaram 10,2 milhões de toneladas por ano coletivamente, seguidas pela pesca e aquicultura com 2,1 milhões e silvicultura com 0,2 milhão de toneladas.

Estima-se que a Ásia seja o maior usuário de plásticos na produção agrícola , respondendo por quase metade do uso global. Além disso, sem alternativas viáveis, a demanda por plástico na agricultura só deve aumentar.

À medida que a demanda por plástico agrícola continua aumentando, Semedo ressaltou a necessidade de monitorar melhor as quantidades que “vazam para o meio ambiente da agricultura”.

Pesando os riscos

Desde a sua introdução generalizada na década de 1950, os plásticos tornaram-se onipresentes .

Na agricultura, os produtos plásticos ajudam muito a produtividade, como na cobertura do solo para reduzir as ervas daninhas; redes para proteger e estimular o crescimento das plantas, prolongar as épocas de cultivo e aumentar os rendimentos; e guardas de árvores, que protegem as mudas e mudas dos animais e ajudam a proporcionar um microclima favorável ao crescimento.

No entanto, dos estimados 6,3 bilhões de toneladas de plásticos produzidos antes de 2015, quase 80% nunca foram descartados adequadamente.

Embora os efeitos de grandes itens de plástico na fauna marinha tenham sido bem documentados, os impactos desencadeados durante sua desintegração afetam potencialmente ecossistemas inteiros.

Nenhum lugar seguro contra microplásticos

E microplásticos – com menos de 5 mm de tamanho – foram encontrados em fezes e placentas humanas, além de serem transmitidos aos fetos por meio de suas mães grávidas.

Embora a maioria das pesquisas científicas sobre poluição por plásticos tenha sido direcionada a ecossistemas aquáticos, especialistas da FAO dizem que os solos agrícolas recebem quantidades muito maiores de microplásticos.

Uma vez que 93 por cento das atividades agrícolas globais ocorrem em terra, é necessária mais investigação nesta área, de acordo com a agência da ONU.

“Este relatório serve como um forte apelo a uma ação coordenada e decisiva para facilitar as boas práticas de gestão e coibir o uso desastroso de plásticos nos setores agrícolas”, disse o vice-chefe da FAO.

Principais recomendações

Na falta de alternativas viáveis, é impossível banir os plásticos – e não há ‘balas de prata’ para eliminar os danos que eles causam.

O relatório, no entanto, identifica várias soluções baseadas no modelo “ Recusar, Redesenhar, Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Recuperar ”.

O relatório também recomenda o desenvolvimento de um código de conduta voluntário abrangente para todos os aspectos dos plásticos em todas as cadeias agroalimentares e pede mais pesquisas, especialmente sobre o impacto na saúde dos micro e nanoplásticos.

“A FAO continuará a desempenhar um papel importante ao lidar com a questão dos plásticos agrícolas de forma holística no contexto da segurança alimentar, nutrição, segurança alimentar, biodiversidade e agricultura sustentável”, disse a Sra. Semedo.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/08/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top