Temperaturas de 40°C no Reino Unido seriam improváveis sem a mudança climática causada pelo homem

Temperaturas de 40°C no Reino Unido seriam improváveis sem a mudança climática causada pelo homem

Enquanto a Europa experimenta ondas de calor com cada vez mais frequência nos últimos anos, o calor observado recentemente no Reino Unido tem sido tão extremo que também é um evento raro no clima de hoje

 

World Weather Attribution*

Na terça-feira, 40,3°C foi atingido em Coningsby, em Lincolnshire, quebrando o recorde anterior de temperatura máxima de 38,7°C estabelecido em 2019. Recordes locais foram quebrados em 46 estações em todo o país. As temperaturas mínimas também foram extremamente altas com 25,8°C sendo registrados provisoriamente em Kenley em Surrey, quebrando o recorde anterior de 1990 em 1,9°C.

A onda de calor foi muito bem prevista, e o Met Office do Reino Unido emitiu avisos de mau tempo bem antes do calor. Um Alerta de Saúde de Calor da Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido Nível 4 foi emitido para segunda e terça-feira. Este nível de alerta é usado quando uma onda de calor é tão severa e/ou prolongada que seus efeitos se estendem para fora do sistema de saúde e assistência social. Nesse nível, a doença pode ocorrer entre os aptos e saudáveis, não apenas em grupos de alto risco.

Cientistas da África do Sul, Alemanha, França, Suíça, Nova Zelândia, Dinamarca, Estados Unidos da América e Reino Unido colaboraram para avaliar até que ponto as mudanças climáticas induzidas pelo homem alteraram a probabilidade e a intensidade da onda de calor.

Usando métodos publicados revisados ​​por pares , analisamos como as mudanças climáticas induzidas pelo homem alteraram a probabilidade e a intensidade dessa onda de calor na região do alerta de alerta vermelho (veja a Figura 1). Para capturar a duração do evento, bem como as temperaturas recordes, analisamos as temperaturas máximas, bem como as médias mais altas de 2 dias observadas.

Temperaturas de 40°C no Reino Unido seriam improváveis sem a mudança climática causada pelo homem
Figura 1: ERA5 perto da temperatura da superfície (T2m) [℃ ] para a) 19 de julho de 2022 mostrando o máximo diário eb) a média de 2 dias nos dias 18 e 19 de julho de 2022. O retângulo representa a região de estudo em 51,25- 54ºN, 3,5W-0,5ºE.

Principais descobertas

  • Estima-se que a onda de calor de 2022 tenha causado pelo menos 13 afogamentos, trouxe condições desafiadoras para o NHS com um aumento nas chamadas de emergência, e os serviços de atendimento que apoiam os idosos e vulneráveis ​​foram colocados sob maior estresse, com um provável aumento no calor relacionado mortes. Os impactos foram distribuídos de forma desigual pela demografia. Mesmo dentro de Londres, há altos níveis de desigualdade nas temperaturas experimentadas, com certos bairros, muitas vezes mais pobres, sem espaço verde, sombra e água que podem ser salva-vidas durante as ondas de calor.
  • Enquanto a Europa experimenta ondas de calor com cada vez mais frequência nos últimos anos, o calor observado recentemente no Reino Unido tem sido tão extremo que também é um evento raro no clima de hoje. Estima-se que as temperaturas observadas médias ao longo de 2 dias tenham um período de retorno de aprox. 100 anos no clima atual. Para as temperaturas máximas de 1 dia sobre a região mostrada na Figura 1, o tempo de retorno é estimado em 1 em 1000 anos no clima atual. Observe que os períodos de retorno das temperaturas variam entre diferentes medidas e locais e, portanto, são altamente incertos.
  • Em três estações individuais, as temperaturas máximas de 1 dia são tão raras quanto 1 em 500 anos em St James Park, em Londres, cerca de 1 em 1.000 anos em Durham e apenas esperadas em média uma vez em 1.500 anos no clima de hoje em Cranwell, Lincolnshire.
  • A probabilidade de observar tal evento em um mundo 1,2°C mais frio é extremamente baixa e estatisticamente impossível em duas das três estações analisadas.
  • A análise observacional mostra que uma onda de calor no Reino Unido, conforme definido acima, seria cerca de 4°C mais fria nos tempos pré-industriais.
  • Para estimar o quanto dessas mudanças observadas é atribuível às mudanças climáticas causadas pelo homem, combinamos modelos climáticos com as observações. É importante destacar que todos os modelos subestimam sistematicamente as tendências observadas. Os resultados combinados são, portanto, quase certamente muito conservadores.
  • Combinando os resultados baseados em análise observacional e de modelo, descobrimos que, para ambas as definições de eventos, as mudanças climáticas causadas pelo homem tornaram o evento pelo menos 10 vezes mais provável. Nos modelos, o mesmo evento seria cerca de 2°C menos quente em um mundo 1,2°C mais frio, o que é uma mudança de intensidade muito menor do que a observada.
  • Essas discrepâncias entre as tendências e variabilidade modeladas e observadas também dificultam a confiança nas projeções das tendências futuras.
  • As ondas de calor durante o auge do verão representam um risco substancial para a saúde humana e são potencialmente letais. Este risco é agravado pelas alterações climáticas, mas também por outros fatores, como o envelhecimento da população, a urbanização, a mudança das estruturas sociais e os níveis de preparação. O impacto total só é conhecido após algumas semanas, quando os números de mortalidade foram analisados. Planos de emergência de calor eficazes, juntamente com previsões meteorológicas precisas, como as emitidas antes desta onda de calor, reduzem os impactos e estão se tornando ainda mais importantes à luz dos riscos crescentes.

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/07/2022





 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top