Saiba mais sobre a endometriose

 

saúde

Saiba mais sobre a endometriose

Doença que afeta mais de sete milhões de mulheres no Brasil, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a endometriose recentemente teve um aumento de buscas na internet depois que a cantora Anitta compartilhou nas redes sociais que convive há anos com a doença.

Relativamente comum entre mulheres jovens, durante o período fértil, ela é caracterizada pela presença do endométrio (que é a camada que reveste o interior do útero e descama todo mês, virando fluxo menstrual) em órgãos externos ao útero, como trompas, ovários, intestinos e bexiga.

“A dificuldade que existe no diagnóstico é que a endometriose não aparece em exames de rotina e o exame certo para a detecção ainda é pouco acessível e disponível no Brasil e no mundo”, comenta o Dr. Igor Padovesi, Ginecologista especialista em cirurgia para endometriose pela USP e pelo Hospital Sírio-Libanês, médico do Hospital Albert Einstein em São Paulo e Consultor do Blog Minuto Saudável. Ele explica que a partir da suspeita clínica, o médico deve solicitar um exame de imagem específico, que pode ser a ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal ou a ressonância magnética especializada, ambos com protocolo específico para o diagnóstico da endometriose.

Os sinais de alerta que levantam a suspeita da doença são cólicas menstruais intensas, dores pélvicas fora das menstruações, dor profunda nas relações sexuais e em casos mais avançados, dor nas evacuações ou ao urinar, durante o período menstrual.

Problemas de saúde associados à endometriose

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Endometriose, 57% das pacientes têm dores crônicas, 62% sofrem com cólicas intensas e 55% apresentam queixas intestinais cíclicas. “Ouço relatos de mulheres que perdem dias de trabalho ou estudo em virtude de uma dor incapacitante. Muitas delas precisam ir ao pronto-atendimento tomar medicação para conseguir voltar à rotina. Outras, inclusive, não conseguem manter relações sexuais”, afirma o Dr. Igor.

Por outro lado, também existem quadros mais brandos da doença. “Cada mulher é diferente e não é possível generalizar. No entanto, o que chama a atenção é que cerca de 30% das pacientes podem ter dificuldade para engravidar”, aponta o médico.

Tratamentos

O tratamento pode acontecer por medicamento com o uso contraceptivo hormonal, através de pílula ou demais variações para a mulher não menstruar, ou por cirurgia de laparoscopia, feita por cirurgião especializado, para remover os focos da doença.

“No caso da infertilidade, a endometriose pode ser tratada com cirurgia, melhorando as chances de gravidez espontânea ou por fertilização in vitro. É importante destacar que o único tratamento que é capaz de eliminar a doença é a cirurgia. Os contraceptivos controlam os sintomas, possibilitando que muitas mulheres possam conviver com a doença, se os sintomas forem bem controlados”, aponta.

Endometriose e menopausa

Para as mulheres que chegam à menopausa, a endometriose deixa de apresentar sintomas crônicos porque ela é causada pelo estímulo do hormônio estrogênio, produzido durante os ciclos menstruais, que declinam nesse estágio da vida. Entretanto, a reposição hormonal é indicada para praticamente todas as mulheres (exceto as portadoras de algumas condições como, por exemplo, câncer de mama), tanto para alívio dos sintomas incômodos da menopausa como para a prevenção de doenças relacionadas ao envelhecimento. No caso de mulheres com endometriose, a reposição pode voltar a estimular os focos da doença. Nesses casos, é sempre indicada uma avaliação com especialista e o tratamento definitivo com a retirada do útero costuma ser indicado.

Sobre o Minuto Saudável – Presente na internet desde 2017, traz informações claras e confiáveis sobre saúde e bem-estar: doenças, sintomas, tratamentos, medicamentos, alimentação, exercícios e mais, para uma vida mais saudável e equilibrada.

Sobre o Dr. Igor Padovesi – Formado e pós-graduado pela USP, é Ex-Preceptor da disciplina de Ginecologia da USP

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top