O Ártico mostra como a Terra está aquecendo rápido

 

degelo

O Ártico mostra como a Terra está aquecendo rápido

Enquanto as mudanças climáticas estão surtindo efeito em todos os lugares da Terra, o Círculo Polar Ártico está sentindo esses efeitos acima de tudo, na forma de derretimento glacial, degelo do permafrost e declínio do gelo marinho.

Colorado State University*

Os principais atores da mudança climática incluem as nuvens que cobrem a superfície da Terra e os aerossóis microscópicos transportados pelo ar chamados partículas de nucleação de gelo que semeiam a formação de gelo nessas nuvens. Essa dança de nucleação de gelo, cobertura de nuvens e calor têm papéis importantes no clima. Mas esses importantíssimos aerossóis formadores de gelo, que podem ser poeira mineral, micróbios ou borrifos marinhos, foram pouco estudados no Ártico – onde precisam ser estudados acima de tudo – porque pouco se sabe sobre seus efeitos ali, e não muitos cientistas se aventuram tão ao norte.

Os cientistas da Colorado State University fizeram, no entanto. Em 2019, uma equipe intrépida, incluindo a cientista de pesquisa atmosférica Jessie Creamean embarcou em um navio, navegou para o norte, coletou milhares de amostras de ar, água do mar, gelo marinho, neve e água derretida e trouxe para casa as evidências físicas necessárias para determinar exatamente como a nucleação do gelo e as nuvens se espalham. o Oceano Ártico vai e vem ao longo do tempo.

Creamean e sua equipe foram para o Ártico congelado a bordo de um navio quebra-gelo alemão chamado Polarstern como parte da expedição MOSAiC. O objetivo dos pesquisadores da CSU era relatar observações nunca antes vistas de partículas de nucleação de gelo no Ártico central, longe de locais terrestres que são influenciados por fontes terrestres de aerossóis. MOSAiC foi uma grande expedição internacional que recebeu projetos de pesquisa científica focados no Ártico de todo o mundo.

Em um artigo de acesso aberto publicado na Nature Communications , Creamean e seus colegas relatam suas observações diretas de partículas de nucleação de gelo com resolução de tamanho no Ártico central, abrangendo todo o ciclo de crescimento e declínio do gelo marinho. Seus resultados mostram uma forte sazonalidade dessas partículas, com concentrações mais baixas no inverno e na primavera, e concentrações aumentadas durante o derretimento do verão da biologia local. Ninguém jamais observou diretamente esses ciclos antes nesta região.

“É importante conhecer o fundo natural dessas partículas nucleadoras de gelo antes que possamos realmente avaliar como as mudanças climáticas estão afetando as populações desses aerossóis”, explicou Creamean, uma veterana frequentadora do Oceano Ártico cuja pesquisa a levou várias vezes a os confins mais setentrionais do planeta. A equipe que trabalhou na análise de amostras coletadas durante a expedição MOSAiC e escreveu o artigo incluiu os cientistas atmosféricos da CSU Kevin Barry, Tom Hill e Paul DeMott.

Compreender tais partículas nucleadoras de gelo é fundamental para entender os efeitos das mudanças climáticas no planeta devido aos seus impactos nas nuvens. Adicionar gelo a uma nuvem muda a forma como ela interage com a luz e o calor do sol, e o calor que volta da superfície da Terra. E o gelo é importante para iniciar a precipitação.

“É um processo importante que simplesmente não temos uma boa compreensão, especialmente no Ártico”, disse Creamean. “Os modelos simplesmente não acertam quando se trata de estimar essas partículas de nucleação de gelo ou seus efeitos de nuvens. Então, essa foi uma grande observação – dar uma olhada em onde essas coisas estão se formando e como elas mudam ao longo de um ano.”

Leia o artigo “Annual cycle observations of aerosols capable of ice formation in central Arctic clouds” em https://www.nature.com/articles/s41467-022-31182-x

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top