Aquecimento global diminui a resiliência florestal

 

Aquecimento global diminui a resiliência florestal

A maioria das florestas ao redor do mundo está se tornando menos resiliente às mudanças ambientais devido ao aquecimento global

Uma pequena equipe de pesquisadores com membros de instituições na Itália, França e Estados Unidos descobriu que a maioria das florestas ao redor do mundo está se tornando menos resiliente às mudanças ambientais devido ao aquecimento global. Em seu artigo publicado na revista Nature* , o grupo descreve seu estudo de imagens de satélite de partes florestais do planeta ao longo do tempo.

À medida que o planeta aquece devido à incapacidade da humanidade de conter as emissões de gases de efeito estufa, cientistas de todo o mundo continuam estudando possíveis impactos. Nos últimos anos, uma série de estudos mostrou que o corte de árvores em florestas tropicais e outras florestas para dar lugar às plantações é prejudicial ao clima – as florestas produzem oxigênio e absorvem dióxido de carbono do ar e sequestrá-lo.

Menos trabalho foi realizado para aprender mais sobre o impacto do aquecimento global nas florestas, embora tenha sido observado que o aumento das temperaturas e a redução da umidade podem dificultar a sobrevivência de algumas florestas. Nesse novo esforço, os pesquisadores se perguntaram se essas mudanças também poderiam tornar as florestas menos resilientes, degradando sua capacidade de resistir a desafios temporários, como enchentes, pragas, secas ou poluição. Para descobrir, eles recorreram a anos de imagens de satélite.

Para saber mais sobre a resiliência das florestas do mundo, os pesquisadores usaram um algoritmo de aprendizado para filtrar grandes quantidades de dados de satélite mostrando regiões de cobertura vegetal do planeta ao longo dos anos de 2000 a 2020. Em seu esforço, eles definiram resiliência como a capacidade de uma floresta para se recuperar após um evento perturbador. Quando esses esforços falham, eles observam, a vegetação muda de floresta para outra coisa, como savana.

Eles descobriram que mais da metade de todas as florestas do mundo hoje mostram sinais de diminuição da resiliência. Eles também descobriram que o aquecimento global parece estar melhorando a resiliência em algumas árvores, como as das florestas boreais nas latitudes do norte.

Os pesquisadores descobriram que os maiores fatores na redução da resiliência nas florestas foram o aumento do calor médio e a diminuição da água disponível.

Variações temporais da resiliência florestal e seus principais impulsionadores
Variações temporais da resiliência florestal e seus principais impulsionadores
Mapa espacial da tendência temporal do TAC ( d TAC). Valores d TAC positivos (por exemplo, florestas tropicais) sugerem uma redução nas taxas de recuperação e, portanto, um declínio na resiliência, e vice-versa para valores d TAC negativos (por exemplo, florestas boreais). Os valores são calculados em uma janela móvel de 1° × 1° para fins visuais. b , d TAC como em um compartimento em função da temperatura climatológica e precipitação. Os pontos pretos indicam bins com valores médios estatisticamente diferentes de zero ( teste t de Student bilateral ; valor P = 0,05). c, Distribuição de frequência das diferenças no TAC calculadas para duas janelas temporais independentes (2011–2020 menos 2000–2010) e mostradas separadamente para diferentes regiões climáticas. Os números referem-se ao percentual de observações menor e maior que zero; os asteriscos indicam distribuições com médias estatisticamente diferentes de zero ( teste t de Student bilateral ; valor P = 0,05). A linha vertical fina em cada gráfico mostra a média de distribuição. d , A fração de cobertura correspondente a cada região climática e código de cores relatado em c e mostrado sobre o gradiente latitudinal. e , A média zonal da tendência no TAC ( d TAC) conforme determinado pelos três drivers (X ) com resolução latitudinal de 5° e o correspondente intervalo de confiança de 95% mostrado como uma linha colorida e uma faixa sombreada, respectivamente. As cores refletem as três categorias de drivers diferentes: densidade florestal, clima de fundo e variabilidade climática.

Referência:

Forzieri, G., Dakos, V., McDowell, N.G. et al. Emerging signals of declining forest resilience under climate change. Nature (2022). https://doi.org/10.1038/s41586-022-04959-9

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top