Respondendo aos negacionistas climáticos com fatos simples

 

Mudanças climáticas

Respondendo aos negacionistas climáticos com fatos simples

Uma sequência de cinco perguntas e respostas que podem ser usadas por cientistas para comunicar alguns conceitos simples de mudança climática a um público mais amplo.

Por D. Sahagian*

Muitos de nossos colegas e cidadãos preocupados perguntaram como responder aos contrários ao clima que afirmam não “acreditar” nas mudanças climáticas ou foram vítimas de desinformação divulgada por aqueles com interesses em combustíveis fósseis e indústrias relacionadas.

Em alguns casos, fatos e lógica simples podem ajudar essas pessoas a entender as realidades do sistema terrestre e como ele está respondendo (e responderá ainda mais) às perturbações antropogênicas, como as emissões de gases de efeito estufa.

No entanto, existem muitos outros para quem essa abordagem se mostra ineficaz. Mantendo uma visão de mundo que pareceria anátema para qualquer cientista, muitos de nossos concidadãos não usam a observação direta, a evidência ou a ciência em geral como base primária para a tomada de decisões. Nenhuma quantidade de educação factual pode alterar essa visão de mundo, e ficou claro que outros meios devem ser encontrados para impedir que esse segmento da população tome decisões de automutilação, sejam elas induzidas por desinformação ou não.

Algumas dessas questões foram articuladas em uma sessão especial na recente reunião da AGU sobre Alfabetização Climática. Em uma apresentação , Naomi Oreskes sugeriu que os centros de tomada de decisão do cérebro humano estão mais intimamente relacionados aos centros emocionais do que ao pensamento e raciocínio racionais, citando o caso do “milagre” do século 19 de Phineas Gage como um raro exemplo da ligação entre emoções e tomada de decisão.

Embora as pessoas normalmente não tenham barras de ferro enfiadas em suas cabeças, isso reforça ainda mais o tema geral que emergiu da sessão da AGU de que um segmento significativo da população responderá melhor a mensagens emocionais do que a informações factuais. Como comunidade científica, estamos muito longe de poder nos comunicar nesse nível, mas parece que um caminho deve ser encontrado.

Enquanto isso, para aqueles que podem responder a uma sequência lógica de raciocínio, as seguintes perguntas devem ser feitas e respondidas em sequência. Espero que isso possa ajudar a comunidade científica a comunicar alguns conceitos simples para um público amplo.

1. O clima está mudando?

Sim. Observações e medições científicas forneceram dados inegáveis que mostram que as temperaturas estão subindo, os padrões de precipitação estão mudando e os sistemas de circulação oceânica e atmosférica estão mudando ao longo dos séculos 20 e 21.

2. As pessoas têm algo a ver com isso?

Sim. As emissões de gases de efeito estufa (principalmente dióxido de carbono da queima de combustível fóssil) precisam aquecer a atmosfera – é o que elas fazem. O consenso dos resultados do modelo mostra que o clima global é suficientemente sensível às emissões antropogênicas históricas de dióxido de carbono para já ter aquecido pela quantidade medida nos últimos 150 anos. Além disso, o dióxido de carbono desencadeia um feedback de vapor de água, amplificando bastante o efeito, pois o ar quente pode conter mais vapor de água do que o ar frio.

3. A mudança climática é ruim?

Sim. Embora esta seja uma questão mais normativa a ser considerada por filósofos e pelo público em geral, e não por cientistas, a história mostrou que qualquer mudança no ambiente de civilizações estáveis é prejudicial para essas civilizações. Alterações nas áreas em que as culturas podem ser cultivadas, mudanças na fenologia (quando as plantas florescem ou florescem, quando as folhas caem, quando os insetos emergem, etc.), mudanças nas trilhas de tempestades e aumento do nível do mar podem ter consequências econômicas, sociais e políticas devastadoras sobre as sociedades modernas.

4. Podemos fazer algo a respeito?

Sim. Como grande parte do aquecimento causado por emissões passadas já ocorreu, a cessação das emissões pode estabilizar o clima no século XXI. Até que sejam sobrecarregados, os sumidouros naturais de carbono no oceano e os ecossistemas terrestres podem continuar a absorver o carbono emitido anteriormente e devolver o clima global ao estado estável em que a civilização evoluiu nos últimos 10.000 anos.

5. Vale a pena fazer alguma coisa?

Sim. As análises econômicas indicam que o custo da adaptação às mudanças climáticas na forma de interrupções agrícolas, danos às cidades e infraestrutura costeiras e impactos de eventos extremos serão muito maiores do que o custo da mitigação pela transição para fontes de energia sustentáveis.

O que aprendemos com o passado é que quase todas as grandes mudanças climáticas na história da Terra foram acompanhadas por mudanças nos gases de efeito estufa, com o aquecimento associado a mais dióxido de carbono e o resfriamento associado a menos. No passado geológico, antes da existência dos humanos, as concentrações de dióxido de carbono atmosféricas e climáticas variavam juntas, com as mudanças de dióxido de carbono nem sempre anteriores às mudanças climáticas. Isso se deveu aos feedbacks descontrolados entre temperatura, dióxido de carbono na atmosfera e no oceano e vapor de água na atmosfera. No entanto, agora que desenvolvemos uma maneira de injetar dióxido de carbono diretamente na atmosfera (queima de combustível fóssil), o dióxido de carbono está precedendo o aquecimento climático, que já está respondendo aos gases de efeito estufa adicionais.

Dork Sahagian, Departamento de Ciências da Terra e Ambientais, Universidade de Lehigh

Referência:

Sahagian, D. (2017), Responding to climate change deniers with simple facts and logic, Eos, 98, https://doi.org/10.1029/2018EO065273

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top