Singapura e Taiwan deixam Brasil e Cuba para trás

 

Singapura e Taiwan deixam Brasil e Cuba para trás, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

A dinâmica econômica dos países da América Latina e dos Tigres Asiáticos tem sido marcadamente diferente nas últimas 7 décadas.

Considerando os 4 países do gráfico abaixo, percebe-se que Cuba tinha uma renda per capita (em poder de paridade de compra – ppp), em 1952, de US$ 2,8 mil, superior à renda do Brasil US$ 2,4 mil, de Singapura US$ 2,3 mil e de Taiwan US$ 1,6 mil. Porém esta realidade mudou radicalmente ao longo das décadas seguintes.

Taiwan passou por grande transformação depois da Revolução Comunista na China continental em 1949 e se tornou lar das forças capitalistas que se refugiaram na ilha. Cuba passou por uma revolução socialista em 1959. No mesmo ano, Singapura conseguiu a independência do Império Britânico. O Brasil viveu conjunturas políticas diferenciadas após a Segunda Guerra Mundial, embora tenha se mantido como um país capitalista periférico.

Singapura e Taiwan adotaram um modelo de desenvolvimento baseado na promoção das exportações (Export led growth), enquanto o Brasil adotou o modelo de desenvolvimento baseado na substituição de importações e Cuba adotou um modelo socialista com controle estatal dos meios de produção.

O gráfico abaixo mostra que Singapura já tinha passado o Brasil na década de 1960, o Brasil passou Cuba na década de 1970 e Taiwan passou o Brasil na década de 1980. Em 2018, último dado disponível, Cuba tinha uma renda de US$ 8,3 mil, o Brasil tinha uma renda de US$ 14 mil, Taiwan de US$ 44,7 mil e Singapura de US$ 68,4 mil.

renda per capita singapura taiwan brasil cuba

 

Em termos de distribuição de renda, o Brasil apresenta a maior desigualdade com um índice de Gini de 53,9. Singapura com uma renda per capita muito elevada (maior inclusive do que a renda dos EUA) tem um índice de Gini de 45,9. Taiwan com renda menor do que a de Singapura, mas bastante elevada para a comparação internacional tem a menor desigualdade com índice de Gini de somente 33,6. Para Cuba não há dados comparativos.

Uma característica comum aos 4 países é que todos eles terão decrescimento populacional no século XXI. O gráfico abaixo, da Divisão de População da ONU, mostra que a população e as projeções demográficas até 2100. O Brasil deve chegar ao pico populacional em torno de 230 milhões de habitantes e cair para 180 milhões em 2100. Cuba com 11 milhões de habitantes deve ter a população diminuída para menos de 7 milhões no final do século. Taiwan deve cair de 24 para 16 milhões de habitantes e Singapura não deve passar de 6,5 milhões de habitantes, com uma pequena queda para pouco menos de 6 milhões de habitantes em 2100.

projeções demográficas brasil cuba taiwan singapura

 

Sem dúvida, Taiwan e Singapura eram países mais pobres do que Brasil e Cuba e conseguiram dar a volta por cima, aproveitaram o bônus demográfico e conseguiram reduzir a pobreza e avançar espetacularmente em termos educacionais.

Hoje são países de alta renda, alto Índice de Desenvolvimento Humano e são economias produtivas e competitivas com inserção soberana no processo de globalização. Já o Brasil e Cuba estão envelhecendo antes de enriquecer. Os dois países asiáticos bem sucedidos em termos econômicos e sociais podem servir de exemplo para a reavaliação dos erros da América Latina.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top