Mudança climática aumenta o risco de incêndios florestais catastróficos

 

Mudança climática aumenta o risco de incêndios florestais catastróficos

A mudança climática global já exacerbou o risco de incêndio e provavelmente alimentará ainda mais mudanças, pois a aceleração dos ciclos de feedback cria consequências desastrosas para a biodiversidade e as populações humanas.

No entanto, prever com precisão os riscos e o impacto do mato e dos incêndios florestais globalmente ainda é um trabalho em andamento.

Por Bill Hathaway*, Yale News

Em um novo estudo, uma equipe de cientistas de Yale e colegas da África do Sul, Gabão e Estados Unidos atearam mais de 1.000 incêndios prescritos em savanas gramadas, um ecossistema onde ocorre mais de 80% da atividade mundial de incêndios. Usando os resultados das chamas experimentais, eles testaram um modelo que ajudará os cientistas do clima a prever com mais precisão quando e onde as mudanças na frequência e intensidade esperadas dos incêndios provavelmente ocorrerão e como elas afetarão as mudanças climáticas globais.

Eles relatam os resultados em 20 de junho na revista Proceedings of the National Academy of Science.

“ Áreas como o oeste americano e as savanas africanas podem mudar repentinamente de um estado não inflamável para um onde tudo está queimando, ou vice-versa”, disse a autora sênior Carla Staver, professora associada de ecologia e biologia evolutiva em Yale. “Prever quando esse limite será ultrapassado é crucial para entender o impacto que os incêndios têm agora e terão no futuro.”

A equipe de Yale liderada por Anabelle Cardoso, ex-associada de pós-doutorado no laboratório de Staver e agora na Universidade de Buffalo, incendiou o Parque Nacional Kruger, na África do Sul, e outras savanas na África e nos Estados Unidos. Eles então mediram variáveis como biomassa combustível de gramíneas, níveis de umidade, temperatura do ar e umidade, bem como variáveis sazonais, como chuva.

Suas descobertas, eles relatam, indicam que a propagação do fogo é análoga à transmissão de doenças infecciosas e pode ser modelada da mesma forma que as autoridades de saúde pública prevêem surtos de doenças. Assim como as doenças infecciosas, os incêndios requerem uma fonte de “ignição” (alguém que inicialmente contrai a doença), um mínimo de combustível para queimar (pessoas suficientes na população que são vulneráveis a serem infectadas) e condições ambientais vantajosas para se espalhar rapidamente (uma doença muito contagiosa e uma população suscetível que não está tentando minimizar a transmissão).

“ E como uma pessoa previamente infectada, uma área que queimou ganha ‘imunidade’ a futuros incêndios até que uma quantidade suficiente de combustível volte a crescer”, disse Staver. “As mudanças climáticas afetam essa imunidade porque alguns lugares queimam mais e outros param de queimar. Em ambos os casos, a biodiversidade e a função do ecossistema ficam comprometidas.”

Uma visão de um incêndio de savana de cima

A propagação do fogo, vista de cima, de cima mostra quão completamente uma paisagem queima sob condições favoráveis
A propagação do fogo, vista de cima, de cima mostra quão completamente uma paisagem queima sob condições favoráveis.

 

Os incêndios prosperam quando os níveis de umidade são baixos, as temperaturas são altas e a umidade é moderada a baixa. Todas essas condições podem ser exacerbadas pelas mudanças climáticas, dizem os autores. Quando as condições ambientais atingem um certo limite em termos de combustível disponível e secura, os riscos de incêndios intensos e incêndios perigosos podem aumentar rapidamente.

“ Os limites são como interruptores. Uma vez que é invertido, tudo muda rapidamente. Não é gradual”, disse Cardoso. “O risco de incêndio não vai de ‘baixo’ para ‘perigoso’ em pequenos incrementos. Em vez disso, pode ir de ‘baixo’ para ‘tudo está queimando’ sem nenhum sinal de alerta. ”

Os gerentes de terra com experiência no gerenciamento de incêndios entendem intuitivamente esses limites de incêndio e a rapidez com que as condições de incêndio podem mudar de seguras para perigosas. No entanto, muitos modelos usados por cientistas para prever os efeitos globais atuais e futuros dos incêndios não levam em conta totalmente esses limites e quanto carbono é liberado durante esses eventos de queima, o que pode dificultar a previsão precisa de riscos futuros de incêndio, os autores dizer.

Curiosamente, os impactos das mudanças globais – especialmente a seca – e um aumento no pastoreio do gado reduziram a quantidade de combustível disponível para incêndios em algumas savanas africanas. No entanto, outras áreas do globo, incluindo o oeste americano, correm um risco muito maior de incêndios catastróficos porque os combustíveis estão secando mais.

“ O interruptor pode funcionar em ambas as direções”, disse Staver.

O trabalho do laboratório de Staver com incêndios na savana é capturado neste vídeo produzido pela Faculdade de Artes e Ciências de Yale.

Referência:

Quantifying the environmental limits to fire spread in grassy ecosystems, Proceedings of the National Academy of Sciences (2022). DOI: 10.1073/pnas.2110364119.

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top