Mudanças climáticas reduzem o oxigênio nos oceanos

 

Mudança climática reduz o oxigênio nos oceanos

Em 2080, cerca de 70% dos oceanos do mundo podem estar sufocando por falta de oxigênio como resultado das mudanças climáticas, impactando potencialmente os ecossistemas marinhos em todo o mundo, de acordo com um novo estudo.

Os novos modelos descobriram que as profundezas do meio do oceano que sustentam muitas pescarias em todo o mundo já estão perdendo oxigênio a taxas não naturais e passaram de um limite crítico de perda de oxigênio em 2021.

American Geophysical Union*

Os oceanos transportam oxigênio dissolvido como gás e, assim como os animais terrestres, os animais aquáticos precisam desse oxigênio para respirar. Mas à medida que os oceanos se aquecem devido às mudanças climáticas , sua água pode conter menos oxigênio. Os cientistas vêm acompanhando o declínio constante do oxigênio nos oceanos há anos, mas o novo estudo fornece novas e urgentes razões para se preocupar mais cedo ou mais tarde.

O novo estudo é o primeiro a usar modelos climáticos para prever como e quando a desoxigenação, que é a redução do teor de oxigênio dissolvido na água, ocorrerá nos oceanos do mundo fora de sua variabilidade natural.

Ele descobre que a desoxigenação significativa e potencialmente irreversível das profundezas médias do oceano, que sustentam grande parte das espécies pescadas do mundo, começou a ocorrer em 2021, provavelmente afetando a pesca em todo o mundo. Os novos modelos preveem que a desoxigenação deve começar a afetar todas as zonas do oceano até 2080.

Os resultados foram publicados na revista AGU Geophysical Research Letters , que publica relatórios de alto impacto e formato curto com implicações imediatas abrangendo todas as ciências da Terra e do espaço.

As profundidades médias do oceano (de cerca de 200 a 1.000 metros de profundidade), chamadas zonas mesopelágicas, serão as primeiras zonas a perder quantidades significativas de oxigênio devido às mudanças climáticas, segundo o novo estudo. Globalmente, a zona mesopelágica é o lar de muitas das espécies pescadas comercialmente do mundo, tornando a nova descoberta um potencial prenúncio de dificuldades econômicas, escassez de frutos do mar e perturbação ambiental.

O aumento das temperaturas leva a águas mais quentes que podem conter menos oxigênio dissolvido, o que cria menos circulação entre as camadas do oceano. A camada intermediária do oceano é particularmente vulnerável à desoxigenação porque não é enriquecida com oxigênio pela atmosfera e fotossíntese como a camada superior, e a maior decomposição de algas – um processo que consome oxigênio – ocorre nessa camada.

“Esta zona é realmente muito importante para nós porque muitos peixes comerciais vivem nesta zona”, diz Yuntao Zhou, oceanógrafo da Universidade Jiao Tong de Xangai e principal autor do estudo. “A desoxigenação também afeta outros recursos marinhos, mas a pesca talvez esteja mais relacionada à nossa vida diária”.

As novas descobertas são profundamente preocupantes e aumentam a urgência de se envolver significativamente na mitigação das mudanças climáticas, diz Matthew Long, oceanógrafo do NCAR que não esteve envolvido no estudo.

“A humanidade está atualmente mudando o estado metabólico do maior ecossistema do planeta, com consequências realmente desconhecidas para os ecossistemas marinhos ”, disse ele. “Isso pode se manifestar em impactos significativos na capacidade do oceano de sustentar pescarias importantes”.

Avaliando a vulnerabilidade

Os pesquisadores identificaram o início do processo de desoxigenação em três zonas de profundidade oceânica – rasa, média e profunda – modelando quando a perda de oxigênio da água excede as flutuações naturais nos níveis de oxigênio. O estudo previu quando a desoxigenação ocorreria em bacias oceânicas globais usando dados de duas simulações de modelos climáticos: uma representando um cenário de altas emissões e a outra representando um cenário de baixas emissões.

Em ambas as simulações, a zona mesopelágica perdeu oxigênio na taxa mais rápida e na maior área dos oceanos globais, embora o processo comece cerca de 20 anos depois no cenário de baixas emissões. Isso indica que a redução de dióxido de carbono e outras emissões de gases de efeito estufa pode ajudar a retardar a degradação dos ambientes marinhos globais.

Os pesquisadores também descobriram que os oceanos mais próximos dos polos, como o oeste e norte do Pacífico e os oceanos do sul, são particularmente vulneráveis à desoxigenação. Eles ainda não sabem ao certo por que, embora o aquecimento acelerado possa ser o culpado. Áreas nos trópicos conhecidas por terem baixos níveis de oxigênio dissolvido, chamadas zonas mínimas de oxigênio, também parecem estar se espalhando, de acordo com Zhou.

“As zonas mínimas de oxigênio na verdade estão se espalhando em áreas de alta latitude, tanto ao norte quanto ao sul. Isso é algo que precisamos prestar mais atenção”, diz ela. Mesmo se o aquecimento global fosse revertido, permitindo que as concentrações de oxigênio dissolvido aumentassem, “se o oxigênio dissolvido retornaria aos níveis pré-industriais permanece desconhecido”.

Referência:

Gong, H., Li, C., & Zhou, Y. (2021). Emerging global ocean deoxygenation across the 21st century. Geophysical Research Letters, 48, e2021GL095370.
https://doi.org/10.1029/2021GL095370

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top