Estudo conclui que calor extremo é o novo ‘normal’ para o oceano

 

Fração da superfície oceânica que sofre anualmente calor extremo
Fração da superfície oceânica que sofre anualmente calor extremo, agrupada por a – hemisfério norte e b – hemisfério sul e bacias do oceano Índico. O Point of No Return (PoNR) ocorre quando cada série ultrapassa e permanece acima de 50% (linha cinza tracejada), ou quando a linha de base histórica de calor extremo se torna ‘normal’. Isso ocorre pela primeira vez em 1998 na bacia do Atlântico Sul e para o oceano global ocorre em 2014

Estudo conclui que calor extremo é o ‘novo normal’ para o oceano

Nova pesquisa liderada pelo Aquário da Baía de Monterey revela que temperaturas oceânicas excessivamente quentes, impulsionadas pelas mudanças climáticas, são o novo normal.

Monterey Bay Aquarium*

O estudo, publicado pela PLOS Climate, estabelece que mais da metade da superfície do oceano ultrapassou regularmente um limite histórico de calor extremo desde 2014.

E são esses extremos de calor, dizem os pesquisadores, que aumentam o risco de colapso de ecossistemas marinhos cruciais, incluindo recifes de corais , prados de ervas marinhas e florestas de algas – alterando sua estrutura e função e ameaçando sua capacidade de continuar a fornecer serviços de manutenção da vida às comunidades humanas.

Os pesquisadores conduziram o estudo mapeando 150 anos de temperaturas da superfície do mar para determinar uma referência histórica fixa para extremos de calor marinho. Os cientistas então analisaram com que frequência e quanto do oceano ultrapassava esse ponto. O primeiro ano em que mais da metade do oceano experimentou extremos de calor foi 2014. A tendência continuou nos anos seguintes, atingindo 57% do oceano em 2019, o último ano medido no estudo. Usando essa referência, apenas 2% da superfície do oceano estava experimentando temperaturas extremamente quentes no final do século XIX.

“A mudança climática não é um evento futuro”, disse o Dr. Kyle Van Houtan, que liderou a equipe de pesquisa durante seu mandato como cientista-chefe do aquário. “A realidade é que está nos afetando há algum tempo. Nossa pesquisa mostra que nos últimos sete anos mais da metade do oceano experimentou calor extremo .”

“Essas mudanças dramáticas que registramos no oceano são mais uma evidência que deve ser um alerta para agir sobre as mudanças climáticas”, acrescentou.

O estudo cresceu a partir de pesquisas separadas sobre a história das mudanças nas florestas de algas em toda a Califórnia. Van Houtan e sua equipe descobriram que os extremos de calor da superfície do mar, que são os principais estressores para as algas do dossel, precisavam ser quantificados e mapeados ao longo da costa da Califórnia ao longo do século passado. Os pesquisadores então decidiram expandir a investigação além da Califórnia para entender melhor a frequência e a localização de longo prazo do calor marinho extremo na superfície global do oceano.

Usando registros históricos, os cientistas de aquários determinaram primeiro as temperaturas médias da superfície do oceano durante o período de 1870 a 1919. Em seguida, eles identificaram o aquecimento oceânico mais dramático que ocorreu durante esse período – os dois por cento superiores dos aumentos de temperatura – e definiram isso como ” calor extremo.” A equipe então mapeou os extremos ao longo do tempo, examinando se eles ocorrem regularmente ou estão se tornando mais frequentes.

“Hoje, a maior parte da superfície do oceano aqueceu a temperaturas que apenas um século atrás ocorreram como eventos de aquecimento extremo raros, uma vez em 50 anos”, disse Van Houtan.

Os pesquisadores dizem que o novo normal de calor extremo na maior parte da superfície do oceano é mais uma evidência da necessidade urgente de reduzir drasticamente as emissões da queima de combustíveis fósseis, que são o motor da mudança climática .

“Quando os ecossistemas marinhos perto dos trópicos experimentam temperaturas intoleravelmente altas, organismos importantes como corais, prados de ervas marinhas ou florestas de algas podem entrar em colapso”, disse Van Houtan. “Alterar a estrutura e a função do ecossistema ameaça sua capacidade de fornecer serviços de manutenção da vida às comunidades humanas, como apoiar pescarias saudáveis e sustentáveis, proteger regiões costeiras baixas de eventos climáticos extremos e servir como sumidouro de carbono para armazenar o excesso de carbono colocado no atmosfera das emissões de gases de efeito estufa geradas pelo homem.”

Referência:

Tanaka KR, Van Houtan KS (2022) The recent normalization of historical marine heat extremes. PLOS Clim 1(2): e0000007. https://doi.org/10.1371/journal.pclm.0000007

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top