Descongelamento do permafrost pode acelerar o aquecimento global

 

Descongelamento do permafrost pode acelerar o aquecimento global

O degelo do permafrost no Ártico pode estar emitindo gases de efeito estufa de estoques de carbono anteriormente não contabilizados, alimentando o aquecimento global.

Esse é o resultado de um estudo conduzido por uma equipe de geólogos liderada pela professora Dra. Janet Rethemeyer do Instituto de Geologia e Mineralogia da Universidade de Colônia, juntamente com colegas da Universidade de Hamburgo e do Centro Helmholtz Potsdam – Centro Alemão de Pesquisas GFZ para Geociências.

University of Cologne*

No Ártico siberiano, a equipe de pesquisa determinou a origem do dióxido de carbono liberado do permafrost que tem milhares de anos. Este esforço de pesquisa faz parte do esforço de pesquisa germano-russo “Kopf-Kohlenstoff im Permafrost”, financiado pelo Ministério Federal Alemão de Educação e Pesquisa (BMBF). A pesquisa foi publicada em Frontiers in Earth Science .

A mudança climática global está causando um aumento acentuado das temperaturas, especialmente no Ártico. Entre outras coisas, temperaturas mais altas estão fazendo com que mais e mais solos de permafrost, congelados há milhares de anos, descongelem. Particularmente afetado é o chamado permafrost ‘yedoma’, que é difundido em áreas que não foram cobertas por mantos de gelo durante a última era glacial. Yedoma contém até 80% de gelo e, portanto, também é chamado de complexo de gelo.

O gelo do solo pode descongelar muito abruptamente, causando o colapso e a erosão do leito rochoso. Esses processos, conhecidos como termocarst, tornam o carbono previamente armazenado no solo congelado acessível a microorganismos, que o decompõem e o liberam como dióxido de carbono e metano. A liberação de gases de efeito estufa amplifica o aquecimento global , que é conhecido como feedback do permafrost-carbono.

Até agora, ainda há muitas incertezas sobre a quantidade de liberação futura de gases de efeito estufa. Entre outras coisas, não está claro o quão bem o carbono antigo que foi congelado no permafrost por milhares de anos pode ser degradado. Para descobrir, a equipe de pesquisa coletou amostras de dióxido de carbono no local de investigação da Sibéria no rio Lena usando equipamentos especialmente projetados em que o dióxido de carbono pode ser armazenado hermeticamente e transportado por longos períodos de tempo. Isso é necessário devido ao longo transporte para a Alemanha. De volta a Colônia, os pesquisadores determinaram a idade do dióxido de carbono usando o método de radiocarbono. Além disso, eles analisaram os isótopos de carbono não radioativos. Ambos os parâmetros foram então usados para calcular quanto carbono velho e jovem, bem como orgânico e inorgânico, foram decompostos no degelo do permafrost.

Uma grande proporção do carbono – até 80 por cento – vem de matéria orgânica antiga que foi congelada nos sedimentos há mais de 30.000 anos. Isso significa que restos de vegetação que morreram há milhares de anos foram muito bem ‘preservados’ no sedimento congelado, tornando-os uma fonte de alimento atraente para microorganismos no degelo do permafrost .

Além disso, a equipe descobriu pela primeira vez que até 18% do dióxido de carbono vem de fontes inorgânicas. “Não esperávamos que essa fonte de carbono anteriormente despercebida fosse responsável por uma proporção tão alta da quantidade total de gases de efeito estufa liberados”, disse o primeiro autor do estudo Jan Melchert, da Universidade de Colônia. Para previsões climáticas mais precisas, seria necessário levar em conta essa fonte. Pesquisas futuras terão que esclarecer de onde exatamente vem o carbono inorgânico no yedoma e por meio de quais processos ele é liberado.

Referência:

Janet Rethemeyer et al, Sources of CO2 Produced in Freshly Thawed Pleistocene-Age Yedoma Permafrost, Frontiers in Earth Science (2022). DOI: https://doi.org/10.3389/feart.2021.737237

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top