Três anos de Brumadinho: o mar de lamas que soterrou vidas e sonhos

 

Área atingida em Brumadinho

Três anos de Brumadinho: o mar de lamas que soterrou vidas e sonhos, artigo de Helena Taliberti

Não se pode esquecer que vidas foram ceifadas por não terem valor diante da busca incessante por produtividade e lucro. É preciso que a humanidade resgate o sentido da vida em toda sua plenitude. Não temos planeta B.

A notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, MG, veio na forma de notificação pela tela do celular. Enviei mensagem para meus filhos que estavam por lá. O tempo passou, mas filho demora mesmo para responder mensagem de mãe. O silêncio com o entardecer transformou-se em inquietação verdadeira.

Há três anos perdi minha filha Camila, meu filho Luiz e minha nora Fernanda, grávida do meu primeiro neto, Lorenzo, arrastados pelo mar de lama como tudo o mais o foi. Era 25 de janeiro. Estavam em Brumadinho para visitar o Museu de Inhotim, animados por estarem juntos e pela chegada do bebê.

As imagens da televisão mostraram que o rompimento se configurou tragédia logo nos primeiros flashs. As mensagens e ligações de amigos e familiares perguntando por eles me deram a certeza de que não houve resposta para ninguém.

O medo e a angústia de que algo muito grave poderia ter acontecido chegaram como taquicardia ao coração, agora inquieto. Mas esperança de mãe é eterna. Deveriam estar sem sinal e ilhados esperando resgate. Eram espertos o suficiente para se protegerem.

De novo, o silêncio. Noite adentro e sem pregar o olho durante toda a noite procurando informações sobre o que estava acontecendo, veio a certeza de que o melhor seria ir até Brumadinho.

E lá, diante de um cenário apocalíptico, percebi que não havia a menor chance de sobrevivência. Só me restava rezar e esperar.

Faltam palavras para descrever os sentimentos e o significado de tamanha perda. A lama arrastou tudo o que eu tinha. Tudo perdeu o sentido diante do vazio. A saudade sem fim me faz encontrá-los em pensamentos, sonhos, coisas que eles deixaram.

Não é um luto normal. A tragédia só começou no dia 25 de janeiro. Investigações posteriores indicaram que o rompimento era iminente e sabido. Uma tragédia anunciada. A indignação se converteu na mola propulsora da busca por justiça.

Mesmo sabendo que caminhos são tortuosos, eu preciso manter a esperança de que os responsáveis serão punidos exemplarmente para que outros saibam que há consequências sérias para atos inconsequentes. Eu preciso acreditar que a empresa será obrigada a reparar os danos pessoais e ambientais até o último centavo para que o quadro de diretores e os investidores aprendam que dá prejuízo colocar o lucro acima da vida humana. Eu quero chegar à conclusão de que a morte deles não foi em vão para que tragédias como esta não aconteçam de novo. É preciso mudar. Não é possível a sociedade aceitar calada a impunidade.

A criação do Instituto Camila e Luiz Taliberti é fruto da responsabilidade que temos em não ficar calados. Voluntários juntaram-se não somente para continuar a jornada da Camila e do Luiz na defesa do meio ambiente e das pessoas mais vulneráveis, mas também para ser e dar voz a quem precisa falar, para que tragédias como a de Brumadinho não se repitam no Brasil e no mundo. Afinal, os mortos dependem de nós para serem imortais.

Não se pode esquecer que vidas foram ceifadas por não terem valor diante da busca incessante por produtividade e lucro. É preciso que a humanidade resgate o sentido da vida em toda sua plenitude. Não temos planeta B.

“Tentaram nos enterrar, não sabiam que éramos sementes.” Somos sementes, todos nós!

A força e o poder de transformação da semente dão frutos e sombra, protegem nascentes de água e germinam árvores frondosas e perenes, que preservam o meio ambiente. Somos sementes de amor e justiça porque temos força para continuar honrando a memória e o legado que Camila, Luiz, Fernanda e Lorenzo nos deixaram.

Helena Taliberti, presidente do Instituto Camila e Luiz Taliberti

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top