China e Índia são dois grandes emissores globais de CO2

 

China e Índia são dois grandes emissores globais de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Para reduzir a Pegada Ecológica, os países ricos precisam reduzir o consumo conspícuo e os gastos militares e os países pobres não podem emular o estilo de desenvolvimento do Norte Global

“As autoridades dizem que uma recuperação global da pandemia deve estar
enraizada no crescimento verde. Mas não existe crescimento verde.
O crescimento está apagando o verde da Terra”
George Monbiot (04/10/2021)

O hemisfério Ocidental – fundamentalmente a Europa e os Estados Unidos (EUA) – foi o grande emissor histórico de CO2, em decorrência da queima de combustíveis fósseis. Mas este quadro mudou no século XXI e o hemisfério Oriental – especialmente a China e a Índia – passou a ocupar o posto de maior poluidor do mundo.

O gráfico abaixo mostra que em 1959 os EUA respondiam por 32% das emissões globais, a União Europeia (27 países) respondiam por 21,9%, a China por 8,1% e a Índia por somente 1,1% das emissões globais. Mas em 6 décadas tudo mudou. Em 2019, a China passou a ocupar o primeiro lugar no ranking das emissões fósseis de CO2, com 30,6% das emissões globais.

Em segundo lugar os EUA com 13,5% do total, a União Europeia (27 países) com 7,5% do total e a Índia com 7% das emissões globais. Outra característica que solta aos olhos é que os EUA e a Europa27 apresentam emissões em queda nos anos 2000, enquanto a China e Índia apresentam tendência de alta. O mapa da poluição mudou, com o crescente peso da Ásia, que é o continente mais populoso do mundo.

Emissões fósseis de CO2: EUA, Europa27, China e Índia: 1959-2019
emissões fósseis de co2
Fonte: BP 2020; Global Carbon Project 2021

 

O gráfico abaixo apresenta a soma das emissões da China e da Índia e dos EUA e a Europa27. Em 1959, os EUA e a Europa27 eram responsáveis por mais da metade das emissões globais (53,9%), enquanto os dois países mais populosos do mundo eram responsáveis por somente 9,2% das emissões. Em 2019, o quadro se inverteu e China e Índia passaram a emitir 37,6% do total mundial e a soma de EUA e Europa27 caiu para 21%. No século XXI, os dois grandes países asiáticos apresentam tendência de alta das emissões enquanto os países ocidentais apresentam tendência de redução das emissões.

Emissões fósseis de CO2: China + Índia e EUA + Europa27: 1959-2019
emissões fósseis de co2
Source: BP 2020; Global Carbon Project 2021

 

Evidentemente, as emissões per capita são maiores nos países ocidentais. Porém, o maior volume de população e uma matriz energética mais sustentada no carvão mineral, fazem da China e da Índia os maiores emissores de emissões fósseis de CO2. Os gráficos abaixo mostram que China e Índia são mais dependentes do carvão, enquanto os EUA e a Europa27 mais dependentes do petróleo e gás. As energias renováveis são as que mais crescem atualmente, mas ainda possuem um baixo percentual na geração da energia de cada país ou região.

uso de energia nos principais países emissores de co2

 

Na COP26, em Glasgow, mais de 40 países se comprometeram a eliminar gradualmente o uso do carvão mineral, considerado uma das fontes mais poluentes. A ideia é reduzir as emissões para manter o aquecimento global abaixo de 1,5º C, em relação ao período pré-industrial. Alguns dos principais produtores e exportadores de carvão, como Canadá, Chile, Polônia, Vietnã e Ucrânia, assinaram o compromisso.

Todavia, os 4 maiores usuários de carvão – China, Índia, EUA e Austrália não assinaram o documento. Além disto, a maioria dos países prometem a neutralidade de carbono para 2050, a China promete a neutralidade apenas para 2060 e a Índia para 2070. Portanto, o mundo vai continuar consumindo carvão e demais combustíveis fósseis e vai continuar emitindo CO2, apesar de todo o discurso a favor do controle do aquecimento global. Os países ricos justificam as emissões pois não querem ficar pobres e os países pobres querem emitir para manter o crescimento econômico, acabar com a pobreza e, preferencialmente, ficarem ricos.

Evidentemente, o mundo precisa de maior equidade social, mas também precisa reduzir a capacidade de carga da Terra. Por exemplo, os países da OTAN continuam investindo trilhões de dólares para manter a segurança e a hegemonia Ocidental. Os países orientais também investem somas cada vez mais vultosas para se defenderem e para combater o colonialismo que já provocou grandes danos ao Sul Global.

Assim, os gastos militares continuam alimentando o uso de combustíveis fósseis e elevando as despesas inúteis do ponto de vista social. O correto seria acabar com a corrida armamentista e promover o desarmamento, garantindo a paz e a solidariedade nacional e internacional, junto com a redução da Pegada Ecológica.

O relatório de 2020 do Instituto Internacional para a Investigação da Paz de Estocolmo (SIPRI – Stockholm International Peace Research Institute), publicado em 21/04/2021, mostra que os gastos militares no mundo, no ano passado, chegaram à impressionante cifra de US$ 1.981.000.000.000,00 (um trilhão e novecentos e oitenta e um bilhão de dólares).

Os cinco maiores gastadores em 2020, que juntos responderam por 62% dos gastos militares globais, foram os Estados Unidos, China, Índia, Rússia e Reino Unido. Enquanto isto faltam recursos para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis.

Contudo, como escrevi recentemente: “Se os diversos governos do mundo cortarem pela metade os gastos militares e investirem este dinheiro na descarbonização da economia seria possível evitar um colapso ambiental global. Reduzir os gastos de guerra de US$ 2 trilhões para US$ 1 trilhão e investir estes recursos na mudança da matriz energética poderia contribuir substancialmente para um mundo mais pacífico e com mais sustentabilidade ambiental” (Alves, 27/09/2021).

Para reduzir a Pegada Ecológica, os países ricos precisam reduzir o consumo conspícuo e os gastos militares e os países pobres não podem emular o estilo de desenvolvimento do Norte Global.

Se o mundo continuar emitindo gases de efeito estufa, o efeito será devastador e pode gerar um colapso climático sem precedentes na história humana. Além do decrescimento demoeconômico, a comunidade das nações precisa mudar a matriz energética e substituir o uso do carvão, do petróleo e do gás.

Como disse George Monbiot: “Quase tudo o que está sendo dito por governos poderosos na COP26 é uma distração da tarefa central: manter os combustíveis fósseis no solo”.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. Vamos nos preparar para o fim do mundo (do petróleo), Ecodebate, 27/07/2010
http://www.ecodebate.com.br/2010/07/27/vamos-nos-preparar-para-o-fim-do-mundo-do-petroleo-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Corte das despesas militares e descarbonização da economia, Ecodebate, 27/09/21
https://www.ecodebate.com.br/2021/09/27/corte-das-despesas-militares-e-descarbonizacao-da-economia/

George Monbiot. Groundtruthed, 05/11/2021
https://www.monbiot.com/2021/11/05/groundtruthed/

Global Carbon Budget (04/11): https://www.globalcarbonproject.org/carbonbudget/index.htm

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/11/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “China e Índia são dois grandes emissores globais de CO2

  1. Nem por isso o Ocidente deixa de gastar produtos de lá!!! se fosse um País qualquer, “aqui del rei” Uma Hipocrisia!!!

Comentários encerrados.

Top