Produção agrícola poderia aumentar com mais polinizadores

 

Produção agrícola poderia aumentar com mais polinizadores

A conservação de matas e campos nativos é a principal tática para aumentar a população de polinizadores, como abelhas, moscas e morcegos, mas estado apresenta alto déficit de áreas que deveriam estar preservadas

Ao mesmo tempo, a presença de vegetação nativa próxima às áreas cultivadas maximiza a polinização e melhora a produtividade e a manutenção da cultura agrícola.

Em artigo publicado na revista Environmental Science & Technology, pesquisadores mapearam, pela primeira vez, a importância dos polinizadores para uma agricultura sustentável nos municípios brasileiros.

O estudo envolveu vinte e um colaboradores do Programa SinBiose/CNPq (Centro de Síntese em Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) e contou com a participação das professoras Isabela Galarda Varassin e Marcia Cristina Mendes Marques, do Departamento de Botânica da UFPR. “Esse mapeamento associou as demandas de restauração, aliando um serviço ecossistêmico, que é a polinização, à conservação e restauração de áreas degradadas”, explica a professora Isabela.

A equipe analisou as principais culturas agrícolas brasileiras, identificando aquelas em que a polinização realizada por animais resulta em aumento da produção e retorno monetário. Outra análise é a da diferença entre a quantidade de vegetação natural existente e as áreas exigidas por lei em cada município, o chamado déficit de vegetação natural.

A partir da correlação entre essas duas métricas, foi possível elaborar um ranking de prioridades para restauração e conservação da vegetação natural, que tenham como foco a importância da polinização para cada localidade.

Veja matéria completa no site da revista Ciência UFPR https://ciencia.ufpr.br/portal/?p=20860

Referência:

Areas Requiring Restoration Efforts are a Complementary Opportunity to Support the Demand for Pollination Services in Brazil
Pedro J. Bergamo, Marina Wolowski, Leandro R. Tambosi, Edenise Garcia, Kayna Agostini, Lucas A. Garibaldi, Tiffany M. Knight, Eimear Nic Lughadha, Paulo E. A. M. Oliveira, Marcia C. M. Marques, Pietro K. Maruyama, Márcia M. Maués, Alberto K. Oppata, André R. Rech, Antônio M. Saraiva, Felipe D. S. Silva, Gizele Sousa, Rodrigo Y. Tsukahara, Isabela G. Varassin, Blandina F. Viana, and Leandro Freitas
Environ. Sci. Technol. 2021, 55, 17, 12043–12053
Publication Date:August 23, 2021
https://doi.org/10.1021/acs.est.1c02546

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top