Sobrepesca prejudica gravemente áreas marinhas protegidas em todo o mundo

 

pesca
Foto: Greenpeace

Sobrepesca prejudica gravemente áreas marinhas protegidas em todo o mundo

Um novo estudo da Universidade de Tel Aviv revela danos ecológicos significativos a muitas áreas marinhas protegidas (AMPs) em todo o mundo.

Os resultados do estudo apontam para um forte “efeito de borda” nas AMPs, ou seja, uma redução acentuada de 60% na população de peixes que vive nas bordas da AMP (até uma distância de 1-1,5 km dentro da AMP) em comparação com as áreas centrais.

Tel Aviv University*

O “efeito de borda” diminui significativamente o tamanho efetivo da AMP e decorre em grande parte das pressões humanas, em primeiro lugar da sobrepesca nas fronteiras da AMP.

O estudo foi conduzido por Sarah Ohayon, estudante de doutorado no laboratório do Prof. Yoni Belmaker, Escola de Zoologia, Faculdade de Ciências da Vida George S. Wise e Museu Steinhardt de História Natural da Universidade de Tel Aviv. O estudo foi publicado recentemente no Nature Ecology & Evolution Journal.

As AMPs foram projetadas para proteger os ecossistemas marinhos e ajudar a conservar e restaurar as populações de peixes e invertebrados marinhos, cujos números estão cada vez mais diminuindo devido à sobrepesca. A eficácia dos AMPs foi comprovada em milhares de estudos realizados em todo o mundo. Ao mesmo tempo, a maioria dos estudos mostra apenas o “dentro” e “fora” das AMPs, e ainda há uma lacuna de conhecimento sobre o que acontece no espaço entre o núcleo das AMPs e as áreas abertas à pesca ao seu redor.

Ohayon explica que, quando uma AMP funciona bem, a expectativa é que a recuperação das populações marinhas nas AMPs resulte em um spillover, processo em que peixes e invertebrados marinhos migram para fora das fronteiras da AMP. Desta forma, a AMP pode contribuir não só para a conservação da natureza marinha, mas também para a renovação das populações de peixes fora da AMP que diminuíram devido à sobrepesca.

Para responder à pergunta qual é o padrão espacial dominante das populações marinhas de dentro de AMPs para áreas abertas para pesca ao seu redor, os pesquisadores realizaram uma meta-análise que incluiu dados espaciais de populações marinhas de dezenas de AMPs localizadas em diferentes partes dos oceanos.

“Quando vi os resultados, compreendi imediatamente que se tratava de um padrão de efeito de borda”, enfatiza Ohayon. “O efeito de borda é um fenômeno bem estudado em áreas protegidas terrestres, mas surpreendentemente ainda não foi estudado empiricamente em AMPs. “Este fenômeno ocorre quando há distúrbios humanos e pressões em torno da AMP, como caça / pesca, poluição sonora ou luminosa que reduzem o tamanho das populações naturais dentro das AMPs próximas às suas fronteiras”.

Os pesquisadores descobriram que 40% das AMPs proibidas ao redor do mundo (áreas onde a atividade de pesca é totalmente proibida) têm menos de 1 km 2 , o que significa que toda a área provavelmente sofrerá um efeito de borda. No total, 64% de todas as AMPs proibidas no mundo são menores que 10 km 2 e podem conter apenas cerca de metade (45-56%) do tamanho esperado da população em sua área em comparação com uma situação sem efeito de borda. Essas descobertas indicam que a eficácia global das AMPs proibidas existentes é muito menor do que se pensava anteriormente.

Deve-se enfatizar que o padrão de efeito de borda não elimina a possibilidade de transbordamento de peixes, e é bastante plausível que os pescadores ainda desfrutem de peixes grandes vindos de dentro das AMPs. Isso é evidenciado pela concentração da atividade pesqueira nas fronteiras das AMPs. Ao mesmo tempo, o efeito de borda deixa claro para nós que as populações marinhas perto da fronteira das MPAs estão diminuindo a um ritmo mais rápido do que a recuperação das populações ao redor da MPA.

Os resultados do estudo também mostram que naquelas AMPs com zonas tampão ao redor, nenhum padrão de efeito de borda foi registrado, mas sim um padrão consistente com transbordamento de peixes fora da AMP. Além disso, um efeito de borda menor foi observado em AMPs bem fiscalizadas do que aquelas onde a pesca ilegal foi relatada. “Estas descobertas são encorajadoras, pois significam que ao colocar zonas tampão, gerir a atividade de pesca em torno das AMPs e melhorar a fiscalização, podemos aumentar a eficácia das AMPs existentes e muito provavelmente também aumentar os benefícios que podem proporcionar através do transbordamento de peixes”, adiciona Ohayon. “Ao planejar novas AMPs, além da implementação de zonas de amortecimento regulamentadas, recomendamos que as AMPs de não-captura destinadas à proteção sejam de pelo menos 10 km 2e o mais redondo possível. Essas medidas irão reduzir o efeito de borda nas AMPs. Os resultados da nossa pesquisa fornecem diretrizes práticas para melhorar o planejamento e a gestão das AMPs, para que possamos fazer um trabalho melhor na proteção dos nossos oceanos. ”

Referência:

Ohayon, S., Granot, I. & Belmaker, J. A meta-analysis reveals edge effects within marine protected areas. Nat Ecol Evol (2021). https://doi.org/10.1038/s41559-021-01502-3

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top