Inseticidas neonicotinóides em qualquer quantidade são prejudiciais para as abelhas

 

Inseticidas neonicotinóides em qualquer quantidade são prejudiciais para as abelhas

Um novo estudo da UC Riverside mostra que inseticidas neonicotinóides feitos para viveiros de plantas comerciais são prejudiciais para uma abelha típica, mesmo quando aplicado bem abaixo da taxa do rótulo.

O estudo já foi publicado na revista Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences .

Abelha cortadeira de alfafa usada para estudar efeitos de inseticidas e práticas de irrigação. (David Rankin / UCR)
Abelha cortadeira de alfafa usada para estudar efeitos de inseticidas e práticas de irrigação. (David Rankin / UCR)

 

 

Por Jules Bernstein*, UC Riverside

Quimicamente semelhantes à nicotina, os neonicotinóides são inseticidas que protegem contra insetos que consomem plantas, como os pulgões, mas prejudicam seriamente os insetos benéficos, como as abelhas. Eles são amplamente usados por produtores comerciais.

Muitas pesquisas têm se concentrado em seu uso em plantações de alimentos como a canola, nas quais são normalmente aplicados em doses baixas. No entanto, este estudo é um dos poucos a examinar a aplicação de neonicotinóides em vasos de plantas ornamentais, que podem representar fontes mais potentes e agudas de exposição à toxina para as abelhas.

“Os neonicotinóides são frequentemente usados em plantações de alimentos como tratamento de sementes”, explicou o entomologista da UCR e principal autor do estudo, Jacob Cecala. “Mas geralmente são aplicados em quantidades maiores em plantas ornamentais por motivos estéticos. Os efeitos são mortais, não importa o quanto as plantas sejam regadas. ”

Cecala disse ter ficado surpreso com o resultado, já que os neonicotinóides são solúveis em água. Indo para o estudo, ele presumiu que mais água diluiria a quantidade de dano que causavam às abelhas. Os pesquisadores também estavam curiosos para saber se o aumento da irrigação poderia beneficiar as abelhas, apesar da exposição ao inseticida, aumentando a quantidade ou a qualidade do néctar oferecido pelas plantas.

Para testar essas suposições, os pesquisadores criaram abelhas em plantas nativas em flores em vasos que receberam muita ou pouca água. As plantas foram selecionadas com base em sua popularidade em viveiros, tolerância à seca para garantir a floração mesmo sem muita água e sua atratividade para as abelhas. Além disso, metade das plantas foi tratada com o inseticida.

Embora o aumento da água diminua a potência do pesticida no néctar das flores, os efeitos negativos nas abelhas ainda foram observados.

“Infelizmente, observamos uma diminuição de 90% na reprodução das abelhas com níveis altos e baixos de irrigação”, disse Cecala.

Este estudo também é um dos poucos a examinar os efeitos dos neonicotinóides via plantas ornamentais em abelhas solitárias, que constituem mais de 90% das espécies de abelhas nativas na América do Norte, e uma porcentagem ainda maior na Califórnia.

As abelhas solitárias não são as abelhas que deixaram a colmeia e agora estão sozinhas. É um tipo de abelha que vive sozinha, não produz mel, não tem rainha nem vive em colmeia. Por não terem uma reserva de mel para proteger, também não são agressivos.

“As abelhas solitárias são mais representativas do ecossistema aqui e são potencialmente mais vulneráveis aos pesticidas”, disse a entomologista e coautora do estudo Erin Rankin.

Se uma abelha operária social – como a abelha melífera – for exposta ao inseticida e morrer, isso não afetará necessariamente a longevidade da colmeia. No entanto, se uma abelha solitária morre, sua linhagem é interrompida.

Nesse estudo, os pesquisadores usaram abelhas cortadeiras de alfafa, que fazem seus ninhos em túneis e colocam os ovos um de cada vez. Eles são muito semelhantes às abelhas nativas solitárias da Califórnia e fazem parte de um gênero que pode ser encontrado em todo o mundo.

A primeira vez que Cecala e Rankin fizeram esse experimento, eles usaram a concentração de inseticida recomendada no rótulo do produto. Todas as abelhas morreram em questão de dias.

Na próxima vez em que realizaram o experimento, usaram um terço da dose recomendada e ainda encontraram efeitos negativos na reprodução, na capacidade das abelhas de se alimentar e no condicionamento físico geral. “Quase os aniquilou completamente”, disse Cecala.

Embora este estudo tenha usado um produto neonicotinoide formulado para viveiros, as formulações de produtos semelhantes para jardineiros domésticos também tendem a ser altamente concentradas.

As plantas em viveiros ou quintais residenciais representam uma área total menor do que as plantações de alimentos como milho ou soja. No entanto, os produtos neonicotinóides de alta potência podem ter um grande efeito, mesmo em áreas pequenas. Em 2013, os neonicotinóides aplicados a árvores floridas em um estacionamento de varejo em Oregon causaram uma morte maciça de abelhas , com mais de 25.000 mortos.

Os pesquisadores recomendam que os viveiros quantifiquem a quantidade de pesticidas que entram nas flores devido aos regimes de rega e pesticidas, e considerem práticas alternativas de manejo que reduzam os danos às abelhas e aos ecossistemas que dependem delas.

“Não é tão simples como ‘não use pesticidas’ – às vezes eles são necessários”, disse Cecala. “No entanto, as pessoas podem procurar uma classe diferente de inseticida, tentar aplicá-los em plantas que não são atraentes para as abelhas ou encontrar métodos biológicos de controle de pragas.”

Referência:

Pollinators and plant nurseries: how irrigation and pesticide treatment of native ornamental plants impact solitary bees
Jacob M. Cecala and Erin E. Wilson Rankin
DOI: https://doi.org/10.1098/rspb.2021.1287
Published by:Royal Society
Print ISSN:0962-8452
Online ISSN:1471-2954

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top