Cientistas alertam para danos irreversíveis da mineração em águas profundas

 

fundo do mar
Foto: University of Exeter

Cientistas alertam para danos irreversíveis da mineração em águas profundas

A mineração em águas profundas em águas internacionais pode começar em dois anos – mas os pesquisadores dizem que isso é desnecessário e pode causar danos irreversíveis aos ecossistemas marinhos.

University of Exeter*

Escrevendo na revista Frontiers in Marine Science , pesquisadores da Universidade de Exeter, Greenpeace Research Laboratories e Globelaw desafiam a necessidade de mineração no fundo do mar e destacam os riscos para os ecossistemas e a biodiversidade que surgiriam das atividades de mineração comercial.

Nenhuma mineração no fundo do mar em escala comercial está permitida atualmente fora das zonas econômicas exclusivas (ZEEs) das nações costeiras.

A Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA) está elaborando regulamentos que permitiriam o início da extração de minerais do fundo do mar.

No mês passado, a chamada “regra de dois anos” foi acionada pela ilha de Nauru, no Pacífico, que está trabalhando com a The Metals Company, empresa de mineração e processamento de minerais com sede no Canadá, para aprovação para iniciar a mineração.

A ISA agora tem dois anos para finalizar os regulamentos ou enfrentar um pedido de mineração sem regras acordadas em vigor.

“A mineração do fundo do mar às vezes é apresentada como uma consequência inevitável da demanda cada vez maior por minerais, especialmente para fornecer certos metais para a transição da tecnologia verde”, disse a Dra. Kirsten Thompson , da Universidade de Exeter.

“Essa narrativa é apresentada por mineradoras, que também apresentam a mineração de alto mar como o ‘menor dos dois males’ em comparação à mineração de base terrestre, mas é impossível comparar o valor inerente dos ecossistemas terrestres e de alto mar.

“Se você está perguntando ‘qual indústria destrutiva é melhor?’ então você está fazendo a pergunta errada. ”

Os pesquisadores argumentam que existem alternativas para abrir o fundo do mar para a mineração, incluindo um melhor design e sustentabilidade da tecnologia para permitir um uso muito melhor dos minerais que a humanidade já extraiu da Terra.

“É vital acabar com o mito de que não temos escolha a não ser permitir a mineração comercial no fundo do mar”, disse o Dr. Thompson.

Tomando o exemplo dos veículos elétricos, os pesquisadores destacam três estudos que estimam os minerais que serão necessários para a indústria de veículos elétricos – e as estimativas variam amplamente, dependendo de seus modelos e suposições subjacentes.

“As estimativas atuais das necessidades de minerais para tecnologia renovável não levam em consideração fatores importantes como avanços tecnológicos na tecnologia de baterias, melhor transporte público e mudanças de comportamento, como pessoas fazendo menos viagens de carro”, disse o Dr. Kevin Brigden, químico de metais do Greenpeace Laboratórios de pesquisa.

Kathryn Miller, dos Laboratórios de Pesquisa do Greenpeace, disse: “Os ecossistemas das profundezas do mar cobrem vastas áreas do nosso planeta, mas sabemos muito pouco sobre eles.

“O que sabemos é que o fundo do mar é o lar de uma variedade de espécies altamente especializadas e de crescimento lento, e que o fundo do mar desempenha um papel importante no armazenamento de carbono.

“Não entendemos totalmente o processo de enterramento do carbono, então perturbar o fundo do mar é um risco para a biodiversidade e em termos de mitigação das mudanças climáticas.”

O jornal também diz que a exploração de minerais do fundo do mar provavelmente beneficiaria “um punhado de corporações nos países mais ricos do mundo”, ao invés da comunidade global mais ampla e das gerações futuras.

Ele propõe uma estrutura de gestão de “Direitos da Natureza”, onde um grupo incluindo cientistas, comunidades e outras partes interessadas seria criado para supervisionar a tutela do oceano.

O estudo conclui: “Uma vez iniciada, a mineração em alto mar provavelmente será impossível de parar. Uma vez perdida, a biodiversidade será impossível de restaurar. ”

O Dr. Thompson acrescentou: “Exploramos nossos oceanos por nossa conta e risco”.

O novo artigo é intitulado: “Challenging the need for deep seabed mining from the perspective of metal demand, biodiversity, ecosystems services and benefit sharing.”

A equipe de pesquisa publicou artigos anteriores alertando que a mineração em alto mar pode destruir ecossistemas e que uma “corrida do ouro” na mineração do fundo do mar pode levar a danos sem precedentes.

Referência:

Miller K. A., Brigden K., Santillo D., Currie D., Johnston P., Thompson K. F.
Challenging the Need for Deep Seabed Mining From the Perspective of Metal Demand, Biodiversity, Ecosystems Services, and Benefit Sharing
Front. Mar. Sci., 29 July 2021 | https://doi.org/10.3389/fmars.2021.706161

Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top