Destruição de ecossistemas põe em risco a agricultura de soja no Brasil

 

monocultura da soja
Brasnorte, MT, Brasil: Árvore em meio a plantação de soja. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Destruição de ecossistemas põe em risco a agricultura de soja no Brasil

Destruição de ecossistemas impulsionada pela agricultura aumenta as temperaturas locais e consome bilhões em receitas de soja no Brasil

Destruir ecossistemas tropicais e substituí-los por soja e outras safras tem consequências imediatas e devastadoras para a soja, de acordo com uma nova pesquisa revisada por pares na revista World Development . 

Com 35,8 milhões de hectares atualmente sob cultivo de soja no Brasil, o calor extremo – que as florestas tropicais adjacentes ajudam a controlar – reduziu a receita da soja em uma média de aproximadamente US $ 100 por hectare por ano.

O estudo Conservando o Cerrado e os Biomas Amazônicos do Brasil protege a economia da soja do aquecimento prejudicial , mostra que proteger a Amazônia e o Cerrado pode evitar o tipo de altas temperaturas que prejudicam a produtividade das lavouras – estimadas em US $ 3,55 bilhões para o setor.

Outro estudo recente encontrou perdas agrícolas anuais associadas a quedas de precipitação causadas pelo desmatamento em US $ 1 bilhão . Juntas, as duas estimativas revelam os enormes impactos econômicos da destruição de ecossistemas no setor agrícola do Brasil; as perdas anuais provavelmente serão ainda maiores do que US $ 4,55 bilhões, o que é apenas uma estimativa conservadora.

“Destruir florestas e outros ecossistemas instantaneamente aumenta o calor e reduz a precipitação nas imediações onde a destruição ocorre, queimando as plantas de soja e infligindo grandes prejuízos à lucratividade do setor”, disse Rafaela Flach, principal autora do estudo.

“A queda econômica é grande – e está ficando cada vez maior, com sérios impactos na economia global e local e na segurança alimentar. É um problema local com ramificações globais e está acontecendo em regiões tropicais em todo o mundo.”

A pesquisa ocorre no momento em que o Brasil enfrenta sua pior seca em quase um século , enquanto o desmatamento na Amazônia brasileira também se expandiu dramaticamente, estabelecendo novos recordes para cada um dos últimos três meses. Com a estação dos incêndios se aproximando rapidamente, a tendência geral tem sido de destruição acelerada do ecossistema com escassa proteção oferecida pelo governo. Em três anos, o governo Bolsonaro enfraqueceu 57 leis ambientais, reduzindo as multas ambientais para operações ilegais em 70% de março de 2020 a agosto de 2020 apenas.

Os cientistas já têm uma compreensão bem estabelecida de como o desmatamento tropical contribui para a mudança climática global por meio da emissão de carbono e da redução da capacidade das florestas do mundo de retirar mais carbono da atmosfera. Um novo corpo de pesquisa está surgindo, mostrando como o desmatamento tropical tem impactos climáticos além do carbono: o desmatamento aumenta imediatamente o calor extremo local e diminui as chuvas regionais e locais.

Esses impactos em cascata ressecam o solo e prejudicam as plantações e a pecuária, ameaçando a agricultura nas proximidades e em lugares distantes – com ramificações de bilhões de dólares, como mostra o relatório.

“Os impactos econômicos do desmatamento no calor extremo e na redução das chuvas, considerados isoladamente, são preocupantes. Mas quando olhamos os impactos juntos e incluímos as mudanças climáticas, o efeito total pode ser devastador para a economia”, disse Flach. “Embora os impactos globais não devam ser subestimados, os danos da perda de ecossistemas que já estão sendo feitos apenas para a economia brasileira são severos”.

Na nova pesquisa, os cientistas analisaram o valor da vegetação nativa no fornecimento de regulação de calor extremo para a produção de soja usando duas abordagens complementares: receita da soja perdida com a destruição de florestas e outros ecossistemas e receita da soja obtida com a conservação desses ecossistemas.

Para a análise focada na perda do ecossistema, eles estimaram o aumento da exposição ao calor extremo para a quantidade de vegetação que foi removida. Para a análise de conservação, eles modelaram o valor de florestas em pé e outros ecossistemas com base na regulação estimada de calor extremo.

O cultivo de soja se expandiu dramaticamente no Brasil , que hoje é o maior produtor mundial, com 37% do mercado global. Os agricultores brasileiros aumentaram a produtividade das safras por hectare – de 1,7 para 3,2 toneladas por hectare entre 1990 e 2019 – enquanto também expandiram a terra que está sendo plantada – de 11,5 para 35,8 milhões de ha entre 1990 e 2019.

Em 2019, a soja constituía 49% da área agrícola brasileira e 41% da receita agrícola. Os dois novos estudos revelam que os agricultores teriam aumentado a produção ainda mais se não tivessem desmatado, o que teria mantido o calor extremo sob controle e mantido as chuvas.

“A boa notícia é que todos ganham aqui. No passado e ainda hoje muitas terras são desmatadas em detrimento da produção de alimentos e do clima”, disse o Dr. Michael Obersteiner, coautor do estudo e diretor do o Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford. “O setor de soja tem uma oportunidade poderosa de reduzir este risco ao parar o desmatamento. Ao fazer isso, eles beneficiam sua indústria – para não falar da grande contribuição para desacelerar a mudança climática global”.

Referência:

Rafaela Flach, Gabriel Abrahão, Benjamin Bryant, Marluce Scarabello, Aline C. Soterroni, Fernando M. Ramos, Hugo Valin, Michael Obersteiner, Avery S. Cohn,
Conserving the Cerrado and Amazon biomes of Brazil protects the soy economy from damaging warming,
World Development, Volume 146, 2021, 105582, ISSN 0305-750X,
https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2021.105582

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top