Custo de financiamento inibe investimento climático nas economias em desenvolvimento

 

Custo de financiamento inibe investimento climático nas economias em desenvolvimento

Custo mais alto de financiamento exacerba uma armadilha de investimento climático nas economias em desenvolvimento

Uma rápida transição de baixo carbono é fundamental para atingir as metas bem abaixo de 2 ° C do Acordo de Paris. Além das políticas e planos atuais, estima-se que o cumprimento das promessas atuais do NDC exija US $ 130 bilhões por ano de mais investimentos em tecnologias de baixo carbono até 2030 – um montante que poderia dobrar ou mesmo triplicar para consistência de 1,5 grau 2 .

É necessária uma mudança radical na escala e na direção do investimento, especialmente nas economias em desenvolvimento, onde o acesso ao financiamento adequado é um desafio particular 3 e onde muitos dos impactos das mudanças climáticas serão sentidos de forma mais aguda.

Se enfrentaremos esse desafio de investimento no clima dependerá fortemente da disponibilidade de financiamento. A distribuição geográfica do financiamento de baixo carbono, definido como fluxos de capital direcionados a intervenções de baixo carbono com benefícios diretos de mitigação de gases de efeito estufa, é altamente desigual. As regiões desenvolvidas são de longe os maiores destinatários, com as economias em desenvolvimento – particularmente as da África – recebendo apenas uma pequena proporção (com exceção da China e, em menor grau, da Índia e algumas outras economias emergentes).

A capacidade de mobilizar financiamento para investimentos de baixo carbono está fortemente ligada a ambientes locais favoráveis. Diferenças nas condições macroeconômicas, confiança empresarial, incertezas políticas e marcos regulatórios definem as condições de investimento. Na maioria das economias em desenvolvimento, os mercados de capitais são imaturos, não são bem desenvolvidos e carecem de estoque de capital, dificultando o acesso e a garantia de financiamento. Isso é particularmente prejudicial para projetos de baixo carbono, dada a sua natureza de capital intensivo em comparação com os ativos de combustíveis fósseis tradicionais.

Para entender como o financiamento pode ser mobilizado, especialmente nas economias em desenvolvimento, é crucial examinar as condições locais e como elas se refletem nos riscos de investimento percebidos pelos investidores. Isso é mais claramente expresso pelo custo médio ponderado de capital (WACC) resultante, que representa a média ponderada dos custos de obtenção de financiamento para um projeto específico de diferentes fontes.

Existem poucas evidências empíricas sobre o custo de capital para ativos de baixo carbono. Isso se deve principalmente à natureza confidencial das estruturas de financiamento por trás de projetos renováveis, com detalhes financeiros subjacentes geralmente não divulgados e difíceis de verificar.

Apenas recentemente alguns estudos tentaram obter o WACC para projetos de energia renovável em nível de país. No geral, esses estudos encontraram um WACC notavelmente maior nas economias em desenvolvimento do que nas desenvolvidas, mas com variação substancial. A discrepância nos WACCs, além de refletir os riscos de investimento, também se deve a fatores mais genéricos, incluindo um viés doméstico observado nas finanças de indivíduos e instituições – o que parece ser ainda mais prevalente para o financiamento climático.

No entanto, a maioria dos exercícios de modelagem do caminho de descarbonização, incluindo os da Agência Internacional de Energia ou da Agência Internacional de Energia Renovável, não refletem adequadamente as condições de financiamento diferenciais em suas análises. Em vez disso, assume-se um custo (quase) uniforme de capital na forma de taxas mínimas.

Quando custos de financiamento mais precisos são usados, a modelagem sugere que a transição para uma economia de baixo carbono nas economias em desenvolvimento é mais cara do que normalmente se supõe, enquanto nas economias desenvolvidas o oposto é verdadeiro. Portanto, está claro que diferentes condições de financiamento podem afetar substancialmente a atratividade do investimento de baixo carbono em diferentes países, influenciando o ritmo e o custo geral da transição em diferentes geografias.

Este artigo apresenta WACCs regionalmente diferenciados ao modelo de sistemas de energia global TIAM-UCL para avaliar como essas suposições para o setor de energia afetam os padrões de investimento ótimo de custo para a transição de energia consistente com as metas globais de 2 ° C. Até onde sabemos, este é o primeiro estudo que mostra como os caminhos de descarbonização diferem quando os custos de financiamento específicos da região são representados e explorados, fornecendo informações importantes sobre o financiamento de baixo carbono para os formuladores de políticas.

As transições do sistema de energia nas economias em desenvolvimento exigem investimentos particularmente altos, mas devido a seus mercados financeiros subdesenvolvidos e riscos domésticos, os investidores aplicam prêmios de alto risco ao financiamento que disponibilizam, tornando a transição mais cara do que em países com menor risco percebido. Os investimentos são, portanto, geralmente abandonados, criando uma armadilha de investimento climático.

A armadilha do investimento climático ocorre quando os investimentos relacionados ao clima permanecem cronicamente insuficientes, devido a um conjunto de mecanismos de auto-reforço com dinâmica semelhante à da armadilha da pobreza.

As percepções de alto risco produzem prêmios elevados, aumentando o custo de capital para investimentos de baixo carbono, atrasando assim a transição do sistema energético e a redução das emissões de carbono. Ainda assim, mudanças climáticas não controladas levariam a impactos maiores nessas regiões, afetando os sistemas de produção e reduzindo a produção econômica, gerando desemprego e instabilidade política, aumentando ainda mais a percepção de risco (Fig. 1 ).

A figura mostra o conjunto de mecanismos de auto-reforço e ligações relacionadas que ocorrem nas economias em desenvolvimento caracterizadas pelo alto custo de capital. A força dessas ligações está fortemente ligada às condições locais, implicando que o conjunto de mecanismos de auto-reforço poderia ser exacerbado (ou menos relevante) em algumas economias.
A figura mostra o conjunto de mecanismos de auto-reforço e ligações relacionadas que ocorrem nas economias em desenvolvimento caracterizadas pelo alto custo de capital. A força dessas ligações está fortemente ligada às condições locais, implicando que o conjunto de mecanismos de auto-reforço poderia ser exacerbado (ou menos relevante) em algumas economias.

 

** Artigo de acesso aberto (Open Access). Continue a leitura em Nature Communications, no original em inglês.

Referência:

Ameli, N., Dessens, O., Winning, M. et al. Higher cost of finance exacerbates a climate investment trap in developing economies. Nat Commun 12, 4046 (2021). https://doi.org/10.1038/s41467-021-24305-3

 

Da Nature Communications ISSN 2041-1723 (online), com tradução e edição de Henrique Cortez.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top