Efeito positivo dos espaços verdes urbanos na saúde física e mental

 

Efeito positivo dos espaços verdes urbanos na saúde física e mental

Dados de imagens de satélite de alta resolução revelaram uma correlação global entre espaço verde urbano e felicidade em 60 países

Acredita-se que os espaços verdes urbanos, como parques, quintais, margens de rios e fazendas urbanas, contribuam para a felicidade do cidadão ao promover a saúde física e mental. Embora vários estudos anteriores tenham relatado os benefícios mentais dos espaços verdes, a maioria foi conduzida em partes ricas do mundo, como os Estados Unidos e a Europa, e apenas alguns envolveram um cenário de vários países.

A falta de dados foi a principal limitação na realização desses estudos porque não há um conjunto de dados médicos globais que possa fornecer pesquisas de saúde mental confiáveis e padronizadas em diferentes países. Outro desafio envolve um método sistemático para medir a quantidade de espaço verde entre os países. Vários métodos de medição de espaço verde – questionários, entrevistas qualitativas, imagens de satélite, imagens do Google Street View e até mesmo tecnologia de smartphone ainda dependem de medições em nível individual e, portanto, não são escalonáveis para o nível global. Esses desafios deixaram a questão da associação entre o efeito positivo dos espaços verdes na saúde mental aberta e sem resposta para muitos países com diferentes condições socioeconômicas.

Liderado pelo investigador-chefe e um professor associado CHA Meeyoung no Instituto de Ciências Básicas (IBS) e Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAIST) em Daejeon, Coreia do Sul, uma colaboração internacional de pesquisadores de POSTECH, Instituto Max Planck, Instituto de Tecnologia de Jersey e a Universidade Nacional de Cingapura decidiram resolver o problema.

O novo estudo publicado na revista EPJ Data Science identificou a correlação global entre o espaço verde urbano e a felicidade em 60 países, usando um conjunto de dados de imagens de satélite.

Usando o conjunto de dados de imagens de satélite Sentinel-2, a equipe mediu a pontuação dos espaços verdes urbanos de cada país como o índice total de vegetação por população nas cidades mais populosas. Um total de noventa cidades em sessenta países foi escolhido para representar pelo menos 10% da população nos países estudados. Para uma visão clara, apenas os dados de imagens de satélite do verão foram usados para análise, que é de junho a setembro para o hemisfério norte e de dezembro a fevereiro para o hemisfério sul. A pontuação de felicidade foi retirada do Relatório Mundial de Felicidade, publicado pelas Nações Unidas.

A equipe encontrou uma correlação positiva significativa entre espaço verde urbano e felicidade em todos os países. Os espaços verdes urbanos aumentam a felicidade em comparação com o valor de felicidade básico determinado pela riqueza de uma nação. Essa relação era robusta para outras condições socioeconômicas, incluindo expectativa de vida, gastos com saúde, desemprego, desigualdade de gênero e educação.

A equipe também examinou se essa associação era uniforme em todos os países. A felicidade nos 30 países mais ricos (ou seja, PIB per capita de US $ 38.000 ou mais) é fortemente afetada pela quantidade de espaço verde urbano, enquanto o PIB per capita é um fator mais crítico de felicidade nos 30 países mais pobres. Essa descoberta corrobora a sabedoria convencional de que a prosperidade econômica é crucial para a felicidade até certo nível, após o qual o espaço verde urbano é um melhor indicador de felicidade. Essa descoberta coincide com um conceito conhecido como paradoxo de Easterlin, que nos diz que o aumento da felicidade por meio da riqueza atinge um ponto de saturação, após o qual os fatores que melhoram a felicidade são desconhecidos.

A equipe também identificou uma relação direta positiva entre o apoio social aos espaços verdes urbanos. Isso indica que a variável de suporte social pode servir como mediadora entre o espaço verde e a felicidade. Esta descoberta sublinha a importância de manter os espaços verdes urbanos como um lugar de coesão social em prol da felicidade das pessoas.

Os autores apontam que seu trabalho tem várias implicações em nível de política. Em primeiro lugar, os espaços verdes públicos devem ser acessíveis aos moradores urbanos para aumentar o apoio social. Se a segurança pública nos parques urbanos não for garantida, seu papel positivo no apoio social e na felicidade pode diminuir. Além disso, o significado de segurança pública pode mudar; por exemplo, garantir a segurança biológica será uma prioridade para manter os parques urbanos acessíveis durante a pandemia COVID-19.

Em segundo lugar, o planejamento urbano de espaços verdes públicos é necessário tanto para os países desenvolvidos quanto para os em desenvolvimento. Como é desafiador ou quase impossível garantir terras para espaços verdes após o desenvolvimento da área, o planejamento urbano para parques e espaços verdes deve ser considerado nas economias em desenvolvimento, onde novas cidades e áreas suburbanas estão se expandindo rapidamente.

Terceiro, as mudanças climáticas recentes podem apresentar dificuldades substanciais na manutenção de espaços verdes urbanos. Eventos extremos como incêndios florestais, inundações, secas e ondas de frio podem colocar em risco as florestas urbanas, enquanto o aquecimento global pode, inversamente, acelerar o crescimento de árvores nas cidades devido ao efeito de ilha de calor urbana. Assim, mais atenção deve ser dada para prever as mudanças climáticas e descobrir seu impacto na manutenção dos espaços verdes urbanos.

Os autores também destacam a crescente demanda por formulação de políticas para os cidadãos baseada em dados. “Big data de imagens de satélite podem fornecer grandes oportunidades para responder a uma variedade de questões sociais. Nosso método pode ser usado para quantificar o espaço azul nas costas, e podemos estudar mais a fundo a relação entre o espaço azul e a felicidade ”, diz Dr. Cha.

O mapa de espaços verdes urbanos e felicidade em 60 países desenvolvidos
O mapa de espaços verdes urbanos e felicidade em 60 países desenvolvidos. O tamanho e a cor dos círculos representam o nível de felicidade e o espaço verde urbano em um país, respectivamente. Os marcadores são colocados nas cidades mais populosas de cada país. (b) O espaço verde urbano é medido pela UGS em quatro cidades do mundo. As áreas verdes indicam o NDVI per capita ajustado (ou seja, UGS) para cada pixel de 10m por 10m

Referência:

Kwon, OH., Hong, I., Yang, J. et al. Urban green space and happiness in developed countries. EPJ Data Sci. 10, 28 (2021). https://doi.org/10.1140/epjds/s13688-021-00278-7

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original do Institute for Basic Science (IBS)

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top