Infraestrutura verde pode ajudar as cidades a cortar suas pegadas de carbono

 

Infraestrutura verde pode ajudar as cidades a cortar suas pegadas de carbono

Um novo estudo é o primeiro a mapear como a infraestrutura verde pode ser um recurso para as cidades no caminho da neutralidade do carbono

Cidades e nações ao redor do mundo estão atirando pela neutralidade de carbono, com alguns especialistas já falando sobre a necessidade de finalmente alcançar a negatividade de carbono. Declarações de pegada de carbono são usadas na construção para facilitar a seleção de produtos para a construção de baixo carbono, mas esses padrões ainda não existem para elementos verdes como solo, arbustos e plantas.

Um novo estudo liderado pela Universidade de Aalto é o primeiro a mapear como a infraestrutura verde pode ser um recurso para as cidades no caminho da neutralidade do carbono.

O estudo, feito em colaboração com o Instituto de Recursos Naturais Finlândia (Lucas) e a Universidade de Helsinque, mapeou as fases do ciclo de vida de plantas e solos para determinar as considerações básicas necessárias para criar padrões para produtos comumente utilizados em espaços urbanos verdes.

“A infraestrutura verde é um bloco de construção de cidades, mas seus produtos ainda não foram sistematicamente avaliados para seu potencial de armazenamento de carbono. Agora estamos começando a entender melhor a grande importância dessas soluções baseadas na natureza. Os padrões para esses produtos comumente usados nos ajudariam não apenas a planejar melhor nossas cidades, mas também nos ajudaria a alcançar a neutralidade de carbono”, diz Matti Kuittinen, professor adjunto da Universidade de Aalto.

Em seu estudo, a equipe identificou os padrões de pegada de carbono existentes, amplamente utilizados na indústria da construção, que precisariam de desenvolvimento se aplicados à infraestrutura verde. Para isso, eles compararam os fluxos de carbono em solos, mulches e plantas ao longo de suas vidas. A equipe então tentou traduzir esses fluxos de carbono para o formato padronizado de relatórios usado para produtos de construção convencionais.

“Um dos principais desafios na avaliação do potencial de armazenamento de carbono das plantas é que o produto que você compra muda ao longo do tempo. Se você instalar 50 tijolos em um prédio e removê-los em uma década, você ainda tem 50 tijolos. Se você plantar 20 mudas, daqui a dez anos você poderá ter 30 arbustos grandes graças ao crescimento e spread”, explica Kuittinen.

As recomendações feitas no estudo fornecem uma base concreta para o desenvolvimento de normas globais e regionais – por exemplo, da União Europeia – para a infraestrutura verde. O objetivo é garantir que as reivindicações de armazenamento de carbono se mantenham verdadeiras, bem como, eventualmente, tenham uma ferramenta para os paisagistas ajudarem a planejar novas áreas ou reformar espaços urbanos existentes.

As recomendações são particularmente relevantes para países e regiões como os nórdicos, onde a natureza tem sido tradicionalmente integrada às paisagens urbanas. No entanto, eles também podem ajudar outras áreas a cumprir suas metas de carbono.

As cidades precisam tomar todos os tipos de ações para alcançar a neutralidade de carbono. O benefício da infraestrutura verde é que, uma vez que conhecemos sua pegada de carbono, ela não requer tecnologia nova e cara; é uma solução simples e de grande alcance que pode causar impacto real. Esta é uma área que precisa de atenção real dos tomadores de decisão na União Europeia e em outros lugares”, diz Kuittinen.

Pesquisadores da Universidade de Aalto, juntamente com parceiros de consórcio do projeto Co-Carbon, estão atualmente iniciando testes de campo para determinar o potencial exato de sequestro de carbono das plantas em vários estágios de crescimento. Embora o potencial de armazenamento de carbono das árvores seja relativamente conhecido, o estudo deverá ser o primeiro a se concentrar em plantas e arbustos, elementos comumente usados no paisagismo urbano. Na Luke, pesquisadores estão desenvolvendo uma ferramenta para modelar as mudanças no armazenamento de carbono de plantas e solo em nível regional devido às mudanças no uso da terra. Tal ferramenta poderia ajudar os planejadores a direcionar e manter o armazenamento de carbono existente em plantas e solo.

infraestrutura verde

O estudo de acesso aberto foi publicado no International Journal of Life Cycle Assessment.

Referência:

Kuittinen, M., Hautamäki, R., Tuhkanen, EM. et al. Environmental Product Declarations for plants and soils: how to quantify carbon uptake in landscape design and construction?. Int J Life Cycle Assess (2021). https://doi.org/10.1007/s11367-021-01926-w

 

Henrique Cortez, edição e tradução, a partir de informações da Aalto University

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top