Mudanças climáticas tornarão os mosquitos ativos no inverno de climas temperados

 

Aedes aegypti

Mudanças climáticas tornarão os mosquitos ativos no inverno de climas temperados

Mosquitos normalmente dormentes durante o inverno podem se tornar ativos durante todo o ano devido às mudanças climáticas

  • Em climas temperados, os mosquitos são geralmente inativos durante o inverno porque as temperaturas são muito frias
  • À medida que as mudanças climáticas tornam os invernos mais curtos e mais quentes, os cientistas querem saber como essas mudanças podem afetar a atividade do mosquito

Por Samantha Murray *, Institute of Food and Agricultural Sciences and University of Florida

Um novo estudo mostra que os mosquitos podem se ajustar a mudanças rápidas na temperatura, indicando que mosquitos normalmente dormentes durante o inverno podem se tornar ativos durante todo o ano devido às mudanças climáticas.

Em muitas partes do mundo, mosquitos são um incômodo comum no verão. Mas em lugares na linha de frente das mudanças climáticas, esses insetos que espalham doenças podem um dia ser um problema durante todo o ano, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade da Flórida.

“Nas regiões tropicais, os mosquitos estão ativos o ano todo, mas esse não é o caso para o resto do mundo. Fora dos trópicos, as temperaturas de inverno fazem com que os mosquitos entrem em uma espécie de hibernação chamada diapausa. Chamamos esses mosquitos de ‘frio limitados’ porque sua atividade é limitada por essas temperaturas mais baixas”, disse Brett Scheffers, autor sênior do estudo e professor assistente do departamento de ecologia e conservação da vida selvagem da UF/IFAS.

“No entanto, com as mudanças climáticas, esperamos que os verões fiquem mais longos e os invernos se tornem mais curtos e mais quentes. O que isso significará para aqueles mosquitos ligados ao frio? Como eles vão responder? Scheffers questionou.

Para ajudar a responder a essas perguntas, os autores do estudo realizaram experimentos com mosquitos coletados em Gainesville, uma cidade do centro-norte da Flórida na linha divisória entre climas subtropicais e temperados. Seu estudo é publicado na revista “Ecology“.

Os pesquisadores compararam como os mosquitos coletados durante diferentes partes do ano responderam às mudanças de temperatura.

“Descobrimos que os mosquitos em nosso estudo são o que chamamos de ‘elásticos’, o que significa que, como um elástico, a faixa de temperaturas que eles podem tolerar trechos e contratos em diferentes épocas do ano”, disse Scheffers.

Os pesquisadores descobriram que na primavera, quando as temperaturas noturnas ainda são frias e as temperaturas diurnas começam a aquecer, os mosquitos podem tolerar uma faixa maior de temperaturas. No verão, quando as temperaturas diárias são quentes, essa faixa se contrai. No outono, quando as temperaturas começam a esfriar, a faixa se estende novamente, explicou Scheffers.

“Isso nos diz que, à medida que as mudanças climáticas tornam nossos outonos e invernos mais quentes, os mosquitos em regiões mais temperadas estão bem preparados para serem ativos durante esses períodos”, disse Scheffers.

“Nossos resultados sugerem que, para entender melhor o quão bem as populações e espécies podem ser capazes de tolerar as mudanças climáticas em curso, precisamos medir as respostas térmicas das espécies em diferentes épocas do ano”, disse Brunno Oliveira, primeiro autor do estudo, que conduziu o estudo enquanto pesquisador de pós-doutorado no laboratório de Scheffers.

“Essas informações nos ajudariam a fornecer uma representação mais precisa da faixa de temperatura que uma espécie pode tolerar”, disse Oliveira, agora pós-doutorado na Universidade da Califórnia Davis.

Para seu experimento, os pesquisadores coletaram os mosquitos em mais de 70 locais ao redor de Gainesville e nas proximidades da Estação Biológica UF/IFAS Ordway-Swisher, uma área de pesquisa e conservação de 9.500 acres localizada a cerca de 20 milhas a leste da cidade.

Os cientistas atraíram mosquitos com armadilhas especiais que emitem gás dióxido de carbono, o mesmo gás que humanos e animais exalam quando respiramos. Para um mosquito, um forte cheiro de dióxido de carbono significa que uma refeição está por perto.

Com essas armadilhas, os pesquisadores capturaram mais de 28.000 mosquitos representando 18 espécies. A partir desta coleção, os cientistas amostraram aleatoriamente cerca de 1.000 mosquitos para testar em laboratório.

Cada mosquito foi colocado em um frasco que foi então colocado em um banho de água. Com o tempo, os pesquisadores mudaram a temperatura da água, aumentando ou diminuindo a temperatura dentro dos frascos. Os cientistas monitoraram a atividade de cada mosquito, observando quando os mosquitos ficaram inativos, um sinal de que os limites de temperatura superior ou inferior foram atingidos.

“Foi surpreendente ver o quão bem essas pequenas criaturas poderiam tolerar altas temperaturas durante os experimentos, muitas vezes bem acima das temperaturas ambientais médias medidas pelas estações meteorológicas”, disse Gécica Yogo, uma das coautoras do estudo. Yogo ajudou a conduzir o estudo enquanto era pesquisadora estagiária na UF como parte de seu mestrado na AgroParisTech, na França. Ela agora é engenheira de carbono do solo no INRAE, o Instituto Nacional francês de Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente.

Os pesquisadores dizem que ainda não sabem o que permite que os mosquitos se ajustem às rápidas mudanças de temperatura.

“Muitas pessoas não percebem a rapidez com que a seleção natural pode atuar em animais de curta duração”, disse Daniel Hahn, professor do departamento de entomologia e nematologia da UF/IFAS e coautor do estudo. “Se as mudanças que estamos vendo nas propriedades térmicas do mosquito são devido à rápida seleção natural ao longo das estações, à plasticidade sazonal – assim como um cão trocando de casaco – ou uma combinação de ambos, é o que estamos trabalhando agora.”

Os pesquisadores dizem que os insights deste estudo podem ajudar as comunidades a se prepararem melhor para os impactos das mudanças climáticas à medida que se relacionam com mosquitos, que espalham doenças que afetam humanos e animais.

“Quanto mais atividade do mosquito houver, maior é o risco de essas doenças se espalharem. Conhecimento é poder, e saber que os mosquitos estarão mais ativos por mais do ano pode informar como nos preparamos para as mudanças climáticas”, disse Scheffers.

Peter Jiang, um dos coautores do estudo e entomologista da divisão de Controle de Mosquitos da Cidade de Gainesville, disse que os moradores desempenham um papel importante no controle dos mosquitos agora e no futuro.

Ações simples podem reduzir as populações de mosquitos, disse Jiang.

“Os vizinhos são encorajados a esvaziar, remover ou cobrir qualquer recipiente que segure água — particularmente garrafas velhas, latas, lixo e pneus — reparando tubos vazando, torneiras externas e telas, cobrindo ou virando pequenos barcos de cabeça para baixo e, duas vezes por semana, trocando água em piscinas, banhos de pássaros, pratos de estimação e vasos segurando flores ou estacas”, disse Jiang.

Os moradores que procuram saber mais sobre como controlar mosquitos podem entrar em contato com o escritório local de Extensão UF/IFAS ou seu programa municipal ou municipal de controle de mosquitos.

Além de informar a tomada de decisões, estudos como este trazem em foco um aspecto das mudanças climáticas agora recebendo mais atenção.

“Quando falamos sobre como as mudanças climáticas podem afetar plantas e animais, muitas vezes estamos falando de espécies que se mudam para novas áreas porque as condições estão mudando – ou seja, a chegada de algo novo. No entanto, as mudanças climáticas também afetarão as espécies com as quais vivemos agora, como mosquitos altamente flexíveis, e esse é outro aspecto a ser considerado”, disse Scheffers.

Referência:

Oliveira, B. F., Yogo, W. I. G., Hahn, D. A., Yongxing, J., and Scheffers, B. R.. 2021. Community-wide seasonal shifts in thermal tolerances of mosquitoes. Ecology 00( 00):e03368. 10.1002/ecy.3368
https://doi.org/10.1002/ecy.3368

 

Henrique Cortez *, tradução e edição,.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top