Correntes marítimas levam poluição plástica às ilhas Galápagos

 

poluição plástica no oceano
Foto: Saeed Rashid / ONU

Correntes marítimas levam poluição plástica às ilhas Galápagos

A poluição por plástico foi encontrada na água do mar, nas praias e no interior de animais marinhos nas Ilhas Galápagos.

Um novo estudo – da Universidade de Exeter, Galapagos Conservation Trust (GCT) e do Galapagos Science Center – encontrou plástico em todos os habitats marinhos na ilha de San Cristobal, onde Charles Darwin pousou pela primeira vez em Galápagos.

Nos piores “pontos de acesso” – incluindo uma praia usada pela rara iguana marinha “Godzilla” – mais de 400 partículas de plástico foram encontradas por metro quadrado de praia.

O plástico também foi encontrado dentro de mais da metade dos invertebrados marinhos (como cracas e ouriços) estudados e no fundo do mar.

As descobertas sugerem que a maior parte da poluição de plástico em Galápagos – um paraíso de biodiversidade mundialmente famoso – chega nas correntes oceânicas.

O estudo também identifica os vertebrados marinhos de Galápagos com maior risco de engolir plástico ou ficarem emaranhados – incluindo tubarões-martelo recortados, tubarões-baleia, leões marinhos e tartarugas marinhas.

“A imagem imaculada de Galápagos pode dar a impressão de que as ilhas estão de alguma forma protegidas da poluição por plástico, mas nosso estudo mostra claramente que não é o caso”, disse a Dra. Ceri Lewis , do Instituto de Sistemas Globais de Exeter .

“Os níveis mais altos de plástico que encontramos foram nas praias voltadas para o leste, que estão expostas à poluição transportada pelo Pacífico oriental na Corrente de Humboldt.

“Essas praias voltadas para o leste incluem Punta Pitt, um local altamente poluído que abriga iguanas marinhas Godzilla que – como grande parte da vida selvagem de Galápagos – não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo.

“Existem menos de 500 iguanas marinhas Godzilla, e é preocupante que vivam ao lado desse alto nível de poluição por plástico.”

Falando sobre partículas microplásticas encontradas dentro de invertebrados marinhos, o autor principal, Dr. Jen Jones , do GCT, disse: “Esses animais são uma parte crucial das teias alimentares que sustentam as espécies maiores que vivem nas Ilhas Galápagos e em torno delas.

“Os efeitos potenciais à saúde da ingestão de plástico em animais marinhos são amplamente desconhecidos e mais pesquisas são necessárias.”

As descobertas do estudo incluem:

– Apenas 2% do “macroplástico” (itens e fragmentos maiores que 5 mm) foi identificado como proveniente das ilhas. O número real pode ser maior, mas as descobertas sugerem fortemente que a maior parte do plástico chega nas correntes oceânicas.

– Esses macroplásticos foram encontrados em 13 das 14 praias arenosas estudadas, com 4.610 itens coletados no total. Grandes microplásticos (1-5 mm) peneirados da superfície de 50 mm de areia foram encontrados em 11 dos 15 locais testados.

– Acúmulos significativos de plástico foram encontrados em habitats importantes, incluindo costas rochosas de lava e manguezais.

– Microplásticos foram encontrados em baixas concentrações em todas as amostras do fundo do mar e de água do mar, com concentrações mais altas no porto sugerindo algum input local.

– Todas as sete espécies de invertebrados marinhos examinadas foram encontradas para conter microplásticos. 52% dos 123 indivíduos testados continham plástico.

Para analisar o possível impacto do plástico nos vertebrados marinhos de Galápagos, como leões-marinhos e tartarugas, os pesquisadores revisaram 138 estudos de ingestão e emaranhamento de plástico entre essas espécies em todo o mundo.

Eles também consideraram onde em Galápagos cada espécie pode ser encontrada e consideraram seu status de conservação na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN .

Com base nisso, o estudo identifica 27 espécies que precisam de monitoramento e mitigação urgentes.

A Dra. Jones, que conduziu o estudo como parte de seu PhD em Exeter, disse: “Nosso estudo destaca a distância que a poluição do plástico viaja e como ela contamina todas as partes dos ecossistemas marinhos.

“Dado o nível de poluição que encontramos neste local remoto, é claro que a poluição do plástico precisa parar na fonte.

“Você não pode resolver o problema apenas limpando as praias.”

O Dr. David Santillo, dos Laboratórios de Pesquisa do Greenpeace na Universidade de Exeter, disse: “Esta situação só vai piorar se não mudarmos drasticamente o uso de plásticos”.

No ano passado, a equipe de pesquisa ganhou uma doação de £ 3,3 milhões do governo do Reino Unido para investigar e abordar a poluição por plásticos no Pacífico Oriental.

No entanto, o subsídio foi reduzido em 64% e pode ser cancelado após o primeiro ano devido aos cortes da Assistência Oficial ao Desenvolvimento (ODA) anunciados em março.

O acesso ao microscópio de imagem FT-IR Spotlight 400 usado neste estudo foi possível por meio de um Acordo de Parceria de Pesquisa entre os Laboratórios de Pesquisa do Greenpeace e a PerkinElmer.

 

O novo estudo, financiado pelo GCT e pela Royal Geographical Society e publicado na revista Science of the Total Environment , é intitulado: “Plastic contamination of a Galapagos Island (Ecuador) and the relative risks to native marine species”.

Referência:

Jen S. Jones, Adam Porter, Juan Pablo Muñoz-Pérez, Daniela Alarcón-Ruales, Tamara S. Galloway, Brendan J. Godley, David Santillo, Jessica Vagg, Ceri Lewis,
Plastic contamination of a Galapagos Island (Ecuador) and the relative risks to native marine species,
Science of The Total Environment, Volume 789, 2021, 147704, ISSN 0048-9697,
https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2021.147704.

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of Exeter

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top