Mudança climática torna os surtos de vírus do Nilo Ocidental plausíveis no Reino Unido

 

Impactos das Mudanças Climáticas
Impactos das Mudanças Climáticas. Fonte UK Climate Projections (UKCP18) / Met Office

Mudança climática torna os surtos de vírus do Nilo Ocidental plausíveis no Reino Unido

A mudança climática tornará os surtos do vírus do Nilo Ocidental mais prováveis no Reino Unido nos próximos 20-30 anos, dizem os cientistas.

O vírus do Nilo Ocidental é transmitido por mosquitos e não tem vacina. A maioria das pessoas não apresenta sintomas , mas pode causar doenças neurológicas graves.

Cientistas do Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido (UKCEH), Biomatemática e Estatística da Escócia (BioSS) e da Universidade de Glasgow desenvolveram um novo modelo para determinar o risco de um surto do vírus do Nilo Ocidental no Reino Unido. Eles descobriram que o risco é baixo nas próximas duas a três décadas, mas aumentará com o aumento das temperaturas.

O Dr. Steven White, ecologista teórico do UKCEH, disse: “Saber se ou quando uma nova doença nos afetará é de vital importância.

“O vírus do Nilo Ocidental está atualmente ausente no Reino Unido, mas nós abrigamos o mosquito Culex pipiens, que pode transmitir a doença e potencialmente causar contaminação em humanos. O vírus do Nilo Ocidental agora é endêmico na Itália e houve surtos na Alemanha, então está se movendo para climas mais temperados.

“Nosso modelo mostra que o risco aumentará continuamente e que surtos futuros são plausíveis no Reino Unido.”

O modelo matemático da equipe analisou os efeitos da temperatura nos processos biológicos que afetam a população de mosquitos Culex pipiens no Reino Unido. Eles foram capazes de capturar como essas mudanças sazonais podem interagir com a replicação mais rápida do vírus sob temperaturas mais altas para gerar surtos.

O risco de um surto do Nilo Ocidental aumentará de forma constante e futuros surtos são plausíveis no Reino Unido – Dr. Steven White

O Dr. David Ewing da BioSS, ex-aluno de PhD do UKCEH quando a maior parte da pesquisa foi realizada, disse: “Nosso modelo mostra que o risco previsto de um surto aumenta substancialmente se a temporada de picadas se prolongar, ou se novas cepas virais forem introduzidas que replicam em uma taxa maior do que as já estudadas.

“A maioria das outras abordagens é simplificada, mas construímos relações biológicas complexas. Este modelo pode ser adaptado para olhar para outros vírus e doenças, ou outras espécies de mosquitos ou insetos. ”

O Dr. Ewing afirma que o estudo não deve ser motivo de alarme, mas sim ajudar o Reino Unido a preparar-se. “Embora haja relativamente pouco perigo imediato, podemos tomar medidas para nos preparar para futuros surtos. Isso pode ser tão simples quanto garantir que os médicos estejam cientes dos sintomas, dos testes e de quem corre maior risco de ficar gravemente doente ”

Fluxograma mostrando as relações entre as populações de mosquitos, pássaros e humanos
Fluxograma mostrando as relações entre as populações de mosquitos, pássaros e humanos, conforme definido no modelo, e destacando os processos pelos quais os indivíduos fazem a transição entre as classes de infecção, sujeitos aos parâmetros relacionados à doença. Todos os estágios têm uma taxa de mortalidade associada, que não é exibida aqui para maior clareza. Todos os processos de transmissão de doenças são mostrados por linhas tracejadas, enquanto os processos do ciclo de vida são mostrados por linhas sólidas. Muitos dos processos dependem da temperatura.

 

Referência:

A novel approach for predicting risk of vector-borne disease establishment in marginal temperate environments under climate change: West Nile virus in the UK
David A. Ewing, Bethan V. Purse, Christina A. Cobbold and Steven M. White
https://doi.org/10.1098/rsif.2021.0049

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original do UK Centre for Ecology & Hydrology

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top