Feedbacks de carbono do permafrost ameaçam as metas climáticas globais

 

Feedbacks de carbono do permafrost ameaçam as metas climáticas globais

“O aquecimento do Ártico representa um dos maiores riscos ao nosso clima, mas ainda não foi adequadamente incorporado às projeções e políticas climáticas existentes”

Desde que foi assinado pela primeira vez, há mais de cinco anos, o Acordo de Paris estabeleceu o padrão para o esforço global para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, com mais de 70 países assumindo ambiciosas contribuições nacionalmente determinadas que excedem os compromissos iniciais estabelecidos no acordo.

No entanto, um novo artigo publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences argumenta que o orçamento de carbono em que esses compromissos se baseiam não leva em consideração a ciência mais recente sobre os ciclos de feedback do Ártico e pede que os líderes globais repensem as metas de emissões.

“O aquecimento do Ártico representa um dos maiores riscos ao nosso clima, mas ainda não foi adequadamente incorporado às projeções e políticas climáticas existentes”, disse a Dra. Sue Natali, autora principal e diretora do Programa do Clima de Woodwell para o Ártico. “Para construir uma política eficaz para enfrentar a crise climática, é essencial que reconheçamos a dimensão total do problema”.

Na última década, o rápido aquecimento do Ártico resultou em ondas de calor recorde na Sibéria, incêndios florestais extremos ao norte que liberam grandes quantidades de carbono na atmosfera, a perda de gelo marinho do Ártico e uma aceleração do degelo do permafrost.

O permafrost ártico, que acumula e armazena carbono há milhares de anos, contém aproximadamente o dobro da quantidade de carbono que está atualmente na atmosfera da Terra e está liberando esse carbono na atmosfera à medida que degela. Essas emissões exacerbam o aquecimento, o que desencadeia mais degelo, podendo levar a um aumento exponencial das emissões e aquecimento nos próximos anos. Este novo artigo mostra que os orçamentos atuais de carbono falham em contabilizar essas emissões de carbono do permafrost e os perigosos ciclos de feedback climático que eles desencadearão.

“Com base no que já sabemos sobre degelo abrupto e incêndio florestal, esses ciclos de feedback provavelmente exacerbarão o feedback do degelo do permafrost e as emissões de carbono resultantes”, disse a pesquisadora de Woodwell e coautora do artigo Dra. Rachael Treharne. “A menos que nossos modelos levem em conta esses efeitos antecipados, estaremos perdendo uma peça importante do quebra-cabeça do carbono.”

A fim de manter a temperatura da Terra abaixo de 1,5 ° ou 2 ° C, o documento recomenda que os tomadores de decisão incorporem a ciência mais recente sobre as emissões de carbono do Ártico em modelos climáticos e orçamentos de carbono usados para informar a política e atualizar as avaliações de risco para determinar a rapidez com que precisamos reduzir as emissões para cumprir as metas climáticas.

“A ciência por si só não é suficiente”, disse o Dr. Philip Duffy, presidente e diretor executivo do Woodwell Climate Research Center e coautor de comentários. “Precisamos urgentemente de comunicação entre as comunidades científicas e políticas para garantir que nossas políticas climáticas sejam eficazes para lidar com a escala e o escopo da crise climática.”

Referência:

Susan M. Natali el al., Permafrost carbon feedbacks threaten global climate goals, PNAS (2021). https://doi.org/10.1073/pnas.2100163118

 

Henrique Cortez, tradutor e editor, a partir de original do Woodwell Climate Research Center

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top