3°C de aquecimento levará o degelo da Antártica ao ponto de inflexão em 2060

 

degelo

3°C de aquecimento levará o degelo da Antártica ao ponto de inflexão em 2060

Nova modelagem da camada de gelo da Antártica mostra um aumento rápido e irreversível do nível do mar se o acordo de Paris for ultrapassado

O mundo está atualmente a caminho de ultrapassar três graus Celsius de aquecimento global, e uma nova pesquisa liderada por Rob DeConto da Universidade de Massachusetts Amherst, codiretor da Escola da Terra e Sustentabilidade, mostra que tal cenário acelerar drasticamente o ritmo de aumento do nível do mar até 2100.

Se a taxa de aquecimento global continuar em sua trajetória atual, chegaremos a um ponto de inflexão em 2060, após o qual essas consequências seriam “irreversíveis em escalas de tempo de vários séculos”.

O novo artigo, publicado hoje na Nature, modela o impacto de vários cenários de aquecimento diferentes na camada de gelo da Antártica, incluindo a meta do Acordo de Paris de dois graus Celsius de aquecimento, um cenário aspiracional de 1,5 grau e nosso curso atual que, se não for alterado, renderá três ou mais graus de aquecimento.

Se as metas mais otimistas de temperatura de 1,5 e 2 graus do Acordo de Paris forem alcançadas, a camada de gelo da Antártica contribuirá com 6 e 11 centímetros de aumento do nível do mar até 2100. Mas se o curso atual em direção aos 3 graus for mantido, o modelo aponta para um importante pular no derretimento.

A menos que uma ação ambiciosa para conter o aquecimento comece em 2060, nenhuma intervenção humana, incluindo a geoengenharia, seria capaz de impedir o aumento de 17 a 21 centímetros do nível do mar devido ao derretimento do gelo da Antártida por volta de 2100.

As implicações de exceder as metas de aquecimento do Acordo de Paris tornam-se ainda mais evidentes em escalas de tempo mais longas. A Antártica contribui com cerca de 1 metro de aumento do nível do mar em 2.300 se o aquecimento for limitado a 2 graus ou menos, mas atinge níveis globalmente catastróficos de 10 metros ou mais em um cenário de aquecimento mais extremo, sem mitigação das emissões de gases de efeito estufa.

A pesquisa de DeConto e seus colegas mostra que a própria arquitetura da camada de gelo da Antártica desempenha um papel fundamental na perda de gelo. O gelo flui lentamente colina abaixo, e o manto de gelo da Antártica naturalmente se arrasta para o oceano, onde começa a derreter. O que mantém esse gelo oceânico fluindo lentamente é um anel de plataformas de gelo reforçadas, que flutuam no oceano, mas retêm o gelo glacial a montante ao raspar as superfícies rasas do fundo do mar. Essas plataformas de gelo de apoio agem tanto como represas que evitam que o lençol deslize rapidamente para o oceano, quanto como suportes que impedem o colapso das bordas do manto.

Mas à medida que o aquecimento aumenta, as plataformas de gelo se tornam mais finas e frágeis. A água do derretimento em suas superfícies pode aprofundar as fendas e fazer com que se desintegrem totalmente. Isso não apenas permite que a camada de gelo flua em direção ao oceano em aquecimento mais rapidamente, mas também permite que as bordas expostas da camada de gelo se quebrem ou “parem” no oceano, aumentando o aumento do nível do mar. Esses processos de derretimento e perda da plataforma de gelo, seguidos por fluxo glacial mais rápido e rápido parto são vistos na Groenlândia hoje, mas não se espalharam na camada de gelo mais fria da Antártica – pelo menos não ainda.

DeConto destaca que “se o mundo continuar a aquecer, as enormes geleiras da Antártica podem começar a se comportar como suas contrapartes menores na Groenlândia, o que seria desastroso em termos de aumento do nível do mar”. Os autores do estudo,que foi apoiado por fundos da National Science Foundation e da NASA Sea Level Change Science Team, escreve que perder as metas de temperatura do Acordo de Paris e permitir a perda extensiva das plataformas de gelo “representa um possível ponto de inflexão no futuro da Antártica”

Referência:

DeConto, R.M., Pollard, D., Alley, R.B. et al. The Paris Climate Agreement and future sea-level rise from Antarctica. Nature 593, 83–89 (2021).
https://doi.org/10.1038/s41586-021-03427-0

 

Henrique Cortez, tradutor e editor, a partir de original da University of Massachusetts – Amherst

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top