Perda do gelo marinho do Ártico está relacionada a invernos severos em latitudes médias

 

degelo no Ártico

Perda do gelo marinho do Ártico está relacionada a invernos severos em latitudes médias

Caos da neve na Europa causado pelo derretimento do gelo marinho no Ártico

Nos próximos 60 anos, o previsto Mar de Barents sem gelo se tornará uma fonte significativa de aumento da precipitação de inverno – seja chuva ou neve – para a Europa

A neve de abril que cai nas flores das frutas na Europa nos dias de hoje pode estar diretamente ligada à perda de gelo marinho no Mar de Barents, no Ártico. Esse foi certamente o caso em 2018, quando a onda de frio repentina conhecida como “Besta do Leste” desceu nas latitudes médias do continente, mostra um novo estudo da Nature Geoscience.

Por Maja Sojtaric*
CAGE, Centre for Arctic Gas Hydrate, Environment and Climate

Eles estão atiçando diligentemente milhares de fogueiras no chão perto de suas plantações, mas os vinicultores franceses estão lutando uma batalha perdida. Um período de calor acima da média no final de março foi seguido por dias de frio extremo, destruindo as vinhas com perdas de 90 por cento acima da média. A imagem da luta pode muito bem ser a ilustração mais deprimente e bela das complexidades e imprevisibilidade do aquecimento global do clima. É também um desastre agrícola de Bordéus a Champagne.

A perda do gelo marinho do Ártico devido ao aquecimento do clima que, de forma um tanto paradoxal, está relacionada a invernos severos de frio e neve em latitudes médias.

“As mudanças climáticas nem sempre se manifestam das formas mais óbvias. É fácil extrapolar modelos para mostrar que os invernos estão ficando mais quentes e para prever um futuro praticamente sem neve na Europa, mas nosso estudo mais recente mostra que isso é muito simplista. Devemos ter cuidado para não fazer extrapolações abrangentes sobre os impactos das mudanças climáticas. ” Diz o professor do CAGE Alun Hubbard.

O derretimento do gelo do mar Ártico forneceu 88% da neve fresca

Hubbard é o co-autor de um estudo na Nature Geoscience que examina este paradoxo climático contraintuitivo: uma redução de 50% na cobertura de gelo marinho do Ártico aumentou a evaporação de águas abertas e no inverno para alimentar uma nevasca mais extrema no sul da Europa.

O estudo, liderado pela Dra. Hanna Bailey da Universidade de Oulu, Finlândia , descobriu mais especificamente que o declínio de longo prazo do gelo marinho do Ártico desde o final dos anos 1970 teve uma conexão direta com um evento climático específico: “Besta do Leste ”- a nevasca de fevereiro que paralisou grandes partes do continente europeu em 2018, causando £ 1 bilhão por dia em perdas.

Os pesquisadores descobriram que o vapor atmosférico viajando para o sul do Ártico carregava uma impressão digital geoquímica única, revelando que sua origem era a superfície de água aberta quente do Mar de Barents, parte do Oceano Ártico entre a Noruega, a Rússia e Svalbard. Eles descobriram que durante a “Besta do Leste”, as condições de mar aberto no Mar de Barents forneceram até 88% da neve fresca correspondente que caiu sobre a Europa.

O aquecimento do clima está levantando a tampa do Oceano Ártico

“O que estamos descobrindo é que o gelo marinho é efetivamente uma tampa sobre o oceano. E com sua redução de longo prazo no Ártico, estamos vendo quantidades crescentes de umidade entrarem na atmosfera durante o inverno, o que impacta diretamente nosso clima mais ao sul, causando fortes nevascas extremas. Pode parecer contraintuitivo, mas a natureza é complexa e o que acontece no Ártico não fica no Ártico. ” diz Bailey.

Ao analisar as tendências de longo prazo de 1979 em diante, os pesquisadores descobriram que para cada metro quadrado de gelo marinho no inverno perdido no Mar de Barents, havia um aumento correspondente de 70 kg na evaporação, umidade e neve caindo sobre a Europa.

Suas descobertas indicam que, nos próximos 60 anos, o previsto Mar de Barents sem gelo se tornará uma fonte significativa de aumento da precipitação de inverno – seja chuva ou neve – para a Europa.

“Este estudo ilustra que as mudanças abruptas que estão sendo testemunhadas no Ártico agora realmente estão afetando todo o planeta.” diz o professor Hubbard.

Referência:

Bailey, H., Hubbard, A., Klein, E.S. et al. Arctic sea-ice loss fuels extreme European snowfall. Nature Geoscience (2021). https://doi.org/10.1038/s41561-021-00719-y

 

Henrique Cortez*, EcoDebate – tradução e edição.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/04/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top