Estiagens estão mais longas e frequentes no oeste dos EUA

 

Estiagens estão mais longas e frequentes no oeste dos EUA

De acordo com um novo estudo de pesquisadores da UArizona, as temperaturas médias aumentaram, as chuvas anuais diminuíram e os períodos de seca se tornaram mais longos e mais variáveis em todo o oeste americano nos últimos 50 anos.

Por Rosemary Brandt*, College of Agriculture and Life Sciences
The University of Arizona

Contra o pano de fundo de temperaturas cada vez mais altas e diminuição do total anual de chuvas, a seca de extrema duração está se tornando mais comum
Contra o pano de fundo de temperaturas cada vez mais altas e diminuição do total anual de chuvas, a seca de extrema duração está se tornando mais comum. Foto: William K. Smith

 

Os períodos de seca no oeste dos Estados Unidos se tornaram mais longos nos últimos 50 anos, de acordo com um novo estudo de pesquisadores da Faculdade de Agricultura e Ciências da Vida da Universidade do Arizona em parceria com o Serviço de Pesquisa Agrícola do USDA.

Na esperança de compreender como os totais de chuva e o tempo mudaram significativamente nas últimas cinco décadas, os pesquisadores analisaram dados meteorológicos diários de mais de 300 estações meteorológicas de longo prazo em todo o oeste dos Estados Unidos.

“No Ocidente, a precipitação total anual diminuiu cerca de 0,4 polegada desde os anos 1970. O período de seca mais longo médio aumentou cerca de 50% de 20 para 32 dias”, disse o coautor William K. Smith , professor assistente no Escola de Recursos Naturais e Meio Ambiente .

O novo estudo publicado esta semana na Geophysical Research Letters relata tendências nefastas para o sudoeste do deserto, incluindo sul da Califórnia, Arizona e Novo México, regiões que já experimentam temperaturas médias relativamente altas e menores entradas anuais de água, como chuvas ou neve. Para essas regiões, evidências substanciais em várias décadas demonstram que as secas estão se tornando mais longas e frequentes.

“A região que realmente se destacou, em termos de mudanças prejudiciais combinadas, foi o sudoeste do deserto, onde as temperaturas diárias aumentaram 0,2 (graus) Celsius por década, a precipitação total anual diminuiu 19 milímetros por década e os intervalos médios de seca aumentaram saltou de 31 dias para 48 dias “, disse o autor principal Fangyue Zhang , pesquisador de pós-doutorado na Escola de Recursos Naturais e Meio Ambiente.

Contra o pano de fundo de temperaturas cada vez mais altas e diminuição do total anual de chuvas, a seca de extrema duração está se tornando mais comum – e a chuva que cai vem em menos e, às vezes, em tempestades maiores. Juntas, essas mudanças provavelmente terão consequências duradouras e significativas para os sistemas sociais e ecológicos no oeste dos Estados Unidos, de acordo com pesquisadores.

As tendências de aumento da duração do período de seca e de secas de extrema duração mais frequentes são consistentes com mudanças recentes nos padrões de circulação atmosférica no oeste da América do Norte e são apoiadas por modelos que preveem maior variabilidade de precipitação, à medida que a capacidade de retenção de água da atmosfera aumenta em um aquecimento clima, explica Smith.

“A consistência da chuva, ou a falta dela, é muitas vezes mais importante do que a quantidade total de chuva quando se trata de manter forragem para o gado e a vida selvagem, para os agricultores de sequeiro produzirem safras e para mitigar os riscos de incêndios florestais”, disse co-autor sênior Joel Biederman, um hidrólogo pesquisador do Southwest Watershed Research Center, parte do Agricultural Research Service.

Apoiando a agricultura do deserto em um clima em mudança

Os próximos passos para a equipe de pesquisa incluem vários esforços destinados a ajudar os agricultores regionais de sequeiro e administradores de pastagens a lidar com esse padrão de seca mais extrema e variável.

Smith, Zhang e Biederman estão explorando ainda mais as consequências dessas mudanças na precipitação em uma instalação experimental de campo recém-construída dentro da Faixa Experimental de Santa Rita da Estação Experimental do Arizona , onde os pesquisadores continuarão a explorar como intervalos de seca mais longos impactam as comunidades de plantas, forragem produção e sequestro de carbono.

Simultaneamente, a equipe está colaborando na ferramenta de pastagem ” Grass-Cast “, uma previsão de produtividade experimental de pastagem recém-disponível. Grass-Cast integra dados de satélite de ponta, modelos de ecossistema e previsões do tempo para fornecer aos fazendeiros e administradores de pastagens uma indicação de como a produtividade poderia ser na próxima estação de cultivo em relação aos mais de 30 anos de história de sua área.

Grass-Cast também dá aos fazendeiros uma visão da produtividade das pastagens na região mais ampla para ajudar na tomada de decisões em maior escala, como determinar onde os recursos de pastagem podem ser mais abundantes se sua própria região estiver sob risco de seca.

“Esses aumentos nos extremos de seca e na variabilidade representam um desafio crítico para os gestores de terras regionais. Esperamos que a Grass-Cast ajude a dar a eles uma vantagem extra em sua capacidade de atender com sucesso a demanda animal com o fornecimento de forragem à medida que a estação de cultivo do sudoeste se torna cada vez mais irregular “, disse Smith, membro fundador da equipe Grass-Cast Science.

Grass-Cast é o resultado de colaborações envolvendo o Serviço de Pesquisa Agrícola, a Universidade do Arizona, a Universidade Estadual do Colorado, a Universidade de Nebraska-Lincoln, o Serviço de Conservação de Recursos Naturais e Centros Climáticos do USDA e o Centro Nacional de Mitigação de Secas.

Referência:

Zhang, F., Biederman, J. A., Dannenberg, M. P., Yan, D., Reed, S. C., & Smith, W. K. (2021). Five decades of observed daily precipitation reveal longer and more variable drought events across much of the western United States. Geophysical Research Letters, 48, e2020GL092293. https://doi.org/10.1029/2020GL092293

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/04/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top