Savanas estão se expandindo na Amazônia em consequência de incêndios florestais

 

Savanas estão se expandindo na Amazônia em consequência de incêndios florestais

Savanas nativas estão se expandindo no interior do sistema amazônico em consequência de incêndios florestais recorrentes, aponta estudo

Amazônia queimada
Pesquisadores rastrearam os efeitos do fogo sobre a cobertura vegetal e a qualidade do solo nos últimos 40 anos. Resultados indicam que, mesmo nas regiões preservadas, longe do chamado “arco de desmatamento”, a floresta é altamente vulnerável (área florestal destruída pelo fogo na região do médio rio Negro; foto: Bernardo Monteiro Flores)

José Tadeu Arantes | Agência FAPESP – Savanas nativas estão se expandindo no interior do sistema amazônico em consequência de incêndios florestais recorrentes, aponta estudo publicado no periódico Ecosystems.

A pesquisa, apoiada pela FAPESP, foi realizada por Bernardo Monteiro Flores, atualmente pós-doutorando em ecologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e por Milena Holmgren, professora do Departamento de Ciências Ambientais da Wageningen University, nos Países Baixos.

“Por muito tempo, as partes periféricas da floresta amazônica foram consideradas as mais vulneráveis, devido à expansão da fronteira agrícola. Essa degradação da floresta, ao longo do chamado ‘arco do desmatamento’, continua ocorrendo e constitui algo muito preocupante. Mas verificamos que, além dela, está acontecendo também um processo de savanização no coração da Amazônia, bem longe da fronteira agrícola”, relata o pesquisador à Agência FAPESP.

Os autores fizeram a descoberta em uma paisagem de ecossistemas inundáveis, no médio rio Negro, na região do município de Barcelos, a pouco mais de 400 quilômetros a montante de Manaus, onde manchas de savana de areia branca crescem em meio à floresta preservada. A causa apontada são incêndios recorrentes, cuja intensidade e frequência vêm aumentando no contexto maior da mudança climática global.

“Nós mapeamos 40 anos de incêndios florestais usando imagens de satélite e coletamos informações detalhadas em campo para avaliar se as florestas queimadas estavam mudando. Ao analisar a abundância de espécies de árvores e as propriedades do solo em diferentes momentos no passado, descobrimos que os incêndios florestais haviam matado praticamente todas as árvores, possibilitando que a camada superficial do solo, rica em argila, sofresse erosão com as inundações anuais e se tornasse progressivamente arenosa”, conta Flores.

Além disso, os pesquisadores constataram que, no processo natural de recuperação das áreas queimadas, o tipo de cobertura vegetal passou por importante modificação, com a proliferação de árvores típicas das savanas de areia branca, que se tornaram cada vez mais dominantes, junto com plantas herbáceas nativas.

Campinas

De onde vieram essas árvores de savana? Segundo Flores, as savanas fazem parte do sistema amazônico. Aproximadamente 11% da Amazônia está coberta por savanas. São savanas antigas, bem diferentes de um bioma tão rico em biodiversidade quanto o Cerrado, porém, mesmo assim dotadas de muitas espécies vegetais endêmicas. A população local as chama de “campinas”. Vista do alto, a paisagem amazônica apresenta pequenas ilhas de savana cercadas por um mar de floresta. As sementes das espécies vegetais de savana são carregadas pelas águas, peixes e aves. E, quando chegam a uma área queimada e de solo degradado, são elas, e não as sementes das espécies de floresta, que têm maior chance de germinar e repovoar aquele pedaço de terra.

“Nossa pesquisa mostrou que as savanas nativas estão em expansão e podem se expandir ainda mais na Amazônia. Não ao longo do ‘arco do desmatamento’, onde as gramíneas exóticas estão se espalhando, mas sim a partir de manchas de savana de areia branca disseminadas por toda a bacia, em regiões remotas”, afirma Flores.

Aqui há um ponto muito importante a ressaltar. Na Amazônia, as florestas inundáveis, chamadas de florestas de igapó ou de igarapé, são muito menos resilientes do que as florestas de terra firme. Queimam com maior facilidade e, uma vez queimadas, seu solo, lavado pelas águas, degrada-se muito mais rapidamente. “Elas constituem o ‘calcanhar de Aquiles’ do sistema amazônico”, diz Holmgren, coautora do estudo. “Temos evidências de campo de que, se o clima amazônico se tornar mais seco e os incêndios mais intensos e frequentes, as florestas inundáveis serão as primeiras a colapsar”, acrescenta.

E esses dois fatores – clima mais seco e incêndios mais intensos e frequentes – já são uma realidade, no quadro da mudança climática em curso. O próprio estudo mostrou que, durante o severo El Niño de 2016, os incêndios ocorridos na região do médio rio Negro queimaram uma área sete vezes maior do que a acumulada nos 40 anos anteriores.

“A perda adicional de florestas inundáveis pode resultar na emissão de enormes quantidades de carbono, estocado nas árvores, solos e turfeiras, e também reduzir a disponibilidade de recursos como peixes e produtos florestais para os povos locais. As novas descobertas reforçam a urgência de defender as florestas remotas. Por exemplo, implementando um programa de manejo de fogo para diminuir a propagação de incêndios florestais durante os períodos secos”, alerta Flores.

O artigo White-sand savannas expand at the core of the amazon after forest wildfires pode ser lido em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10021-021-00607-x.

 

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/04/2021



 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top