Mundo precisa triplicar energia dos ventos nesta década para alcançar metas climáticas

 

energia

Mundo precisa triplicar energia dos ventos nesta década para alcançar metas climáticas

2020 foi um ano recorde para a indústria global de energia eólica, mas um relatório lançado ontem (25/03) adverte que o mundo precisa no mínimo triplicar a capacidade de energia eólica nesta década para atingir as metas de emissão zero liquidas existentes.

O relatório anual do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC), que representa os produtores de energia do vento, também projeta o Brasil como o carro-chefe do setor na América Latina, puxando ao menos 37% da expansão até 2025.

Por Cinthia Leone, ClimaInfo

O GWEC, já havia antecipado dados de seu relatório anual, incluindo o informação de o Brasil mantém com folga a liderança latino-americana. O relatório completo divulgado hoje afirma também que o país é o 7.º no mercado global e que em 2020 perdeu apenas para China e EUA em termos de capacidade instalada – em 2019, o país não chegou a estar na lista dos 10 primeiros.

Em meio aos impactos econômicos da pandemia, a indústria eólica instalou um recorde de 93 GW de nova capacidade em 2020 — incremento de 53% em relação ao ano anterior, segundo o relatório. A capacidade global total de energia eólica é agora de até 743 GW, ajudando o mundo a evitar a emissão de mais de 1,1 bilhões de toneladas de CO2 por ano, o equivalente às emissões anuais de carbono de toda a América do Sul.

O desempenho notável do setor ainda é insuficiente para frear as mudanças climáticas. As projeções do GWEC indicam que uma capacidade de 469 GW de energia eólica será adicionada nos próximos cinco anos, mas organismos internacionais como a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA) e a Agência Internacional de Energia (IEA) calculam que seria necessário um mínimo de 180 GW de nova energia dos ventos instalada todos os anos desta década para limitar o aquecimento global a 2°C. Já para cumprir as metas de emissões líquidas zero até 2050, seria preciso instalar até 280 GW anualmente.

Além de eliminar burocracias e melhorar a infraestrutura geral para viabilizar as novas instalações, o GWEC recomenda que os mercados de energia incorporem os verdadeiros custos sociais e ambientais da poluição gerada pelos combustíveis fósseis. Essa medida, defendem, facilitaria uma rápida transição para um sistema baseado em energia renovável.

“É realmente encorajador ver um crescimento recorde na China e nos EUA no ano passado, mas agora precisamos que o resto do mundo se mobilize para nos levar onde precisamos estar”, avalia Ben Backwell, CEO da GWEC. Para ele, embora muitas grandes economias tenham anunciado metas líquidas zero a longo prazo, ainda não há certeza de que ações urgentes e significativas serão tomadas para validar esses níveis de ambição. “A cada ano que passa, a montanha a ser escalada nos anos seguintes fica mais alta”, alerta.

“Em cada grande cenário analisado neste relatório, o mercado eólico deve se expandir rapidamente durante a próxima década”, avalia o chefe de Inteligência e Estratégia de Mercado da GWEC, Feng Zhao. “Mas a indústria eólica deve ter clareza de que este crescimento não acontecerá espontaneamente, e intervenções políticas urgentes são necessárias em todo o mundo.”

Nota da redação EcoDebate: para acessar o relatório “GWEC | GLOBAL WIND REPORT 2021”, clique aqui

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/03/2021

No Twitter

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top