A elevação do nível do mar e o impacto no litoral brasileiro

 

A elevação do nível do mar e o impacto no litoral brasileiro, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

O Brasil é um dos países mais vulneráveis ao aumento do nível dos oceanos, pois possui uma linha costeira imensa e com várias cidades com alta densidade demográfica, como a cidade do Rio de Janeiro e a cidade de Santos.

“O oceano nos deu a vida, está na hora da gente retornar o favor”

Sylvia Earle, oceanógrafa

 

taxa de aumento do nível do mar

 

[EcoDebate] Um relatório divulgado pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), em 19/01/2017, apresenta uma série de estimativas atualizadas para o futuro aumento do nível do mar, tanto nos Estados Unidos como em todo o mundo. Num cenário extremo e pouco provável, os níveis globais do mar poderiam aumentar 2,5 metros (8,2 pés) até o final do século. Mas o cenário mais provável seria uma elevação de 50 cm até 2100, com 96% de chances de ocorrer. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) disse que o nível do mar poderá aumentar até no máximo 1,1 metro (3,6 pés) até 2100.

Mas os pesquisadores do clima do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhagen acreditam que os níveis podem subir até 1,35 metros até 2100, no pior cenário de aquecimento. Usando dados históricos sobre a elevação do nível do mar para validar vários modelos nos quais o IPCC fez sua avaliação, eles encontraram uma discrepância de cerca de 25 cm, conforme tratado no artigo “The transient sensitivity of sea level rise”, publicado na revista Ocean Science.

Os pesquisadores disseram que os modelos usados ​​pelo IPCC não eram sensíveis o suficiente, com base no que eles descreveram como um teste de “verificação da realidade”. “Não é uma boa notícia acreditarmos que as previsões anteriores são muito baixas”, disse o cientista de mudança climática Aslak Grinsted, coautor e professor associado do Instituto Niels Bohr.

O aumento das emissões de gases de efeito estufa fez a temperatura da Terra subir cerca de 1,2º Celsius em relação ao período pré-industrial. Em consequência, as áreas geladas do Planeta passaram a conviver com um aumento do degelo. Um dos lugares mais afetados é a Groenlândia que tem gelo suficiente para provocar a elevação do nível dos oceanos em 7 metros. A Antártica tem gelo suficiente para elevar os nível dos oceanos em 70 metros.

Portanto, basta 3% de degelo para que o nível médio dos oceanos suba cerca de dois metros. Isto seria suficiente para afetar, diretamente, a vida de pelo menos 2 bilhões de pessoas que vivem nas áreas costeiras e, indiretamente, de toda a população mundial.

O Brasil é um dos países mais vulneráveis ao aumento do nível dos oceanos, pois possui uma linha costeira imensa e com várias cidades com alta densidade demográfica, como a cidade do Rio de Janeiro e a cidade de Santos.

A chance de haver uma grande inundação provocada pelo avanço do mar paralisando as duas cidades ainda na metade do século XXI é muito grande.

Nos últimos 10 anos tenho escrito, no Ecodebate, diversos artigos mostrando os efeitos do aquecimento global e da elevação do nível do mar sobre as cidades brasileiras, o naufrágio dos deltas dos rios e os danos sobre as “benfeitorias” humanas.

A realidade é que toda a costa brasileira é vulnerável e deve passar por um agravamento dos desastres provocados pelos choques das ondas sobre as “malfeitorias” da civilização.

José Eustáquio Diniz Alves
Colunista do EcoDebate.
Doutor em demografia, link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

 

Referências:

ALVES, JED. Os efeitos do aquecimento global e as tragédias no Rio de Janeiro, Ecodebate, 14/04/2010

http://www.ecodebate.com.br/2010/04/14/os-efeitos-do-aquecimento-global-e-as-tragedias-no-rio-de-janeiro-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Nova transposição do rio Paraíba do Sul? , Ecodebate, 14/11/2014

http://www.ecodebate.com.br/2014/11/14/nova-transposicao-do-rio-paraiba-do-sul-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A críse hídrica em São Paulo e no São Francisco, Ecodebate, 05/11/2014

http://www.ecodebate.com.br/2014/11/05/a-crise-hidrica-em-sao-paulo-e-no-sao-francisco-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. As Olim-piadas do Pinicão da Guanabara, Ecodebate, 25/04/2014

http://www.ecodebate.com.br/2014/04/25/as-olim-piadas-do-pinicao-da-guanabara-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. O degelo da Groenlândia e a subida do nível do mar, Ecodebate, 03/10/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/10/03/o-degelo-da-groenlandia-e-a-subida-do-nivel-do-mar-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A aceleração da subida do nível dos oceanos e as ressacas em Santos, Ecodebate, 13/10/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/10/13/a-aceleracao-da-subida-do-nivel-dos-oceanos-e-as-ressacas-em-santos-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. O naufrágio do Atol das Rocas, Ecodebate, 02/08/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/08/02/o-naufragio-do-atol-das-rocas-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Rio de Janeiro: cidade submersa, Ecodebate, 27/05/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/05/27/rio-de-janeiro-cidade-submersa-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Rio debaixo d’água e o fim da praia de Copacabana, Ecodebate, 14/12/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/12/14/rio-debaixo-dagua-e-o-fim-da-praia-de-copacabana-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Aquecimento global, gentrificação e o fim da praia de Ponta Negra em Natal, Ecodebate, 12/02/2016

http://www.ecodebate.com.br/2016/02/12/aquecimento-global-gentrificacao-e-o-fim-da-praia-de-ponta-negra-em-natal-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A translação do oceano no Leblon e a erosão do litoral brasileiro, Ecodebate, 03/11/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/11/03/a-translacao-do-oceano-no-leblon-e-a-erosao-do-litoral-brasileiro-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Um breve balanço dos desastres climáticos de 2016, Ecodebate, 22/12/2016

https://www.ecodebate.com.br/2016/12/22/um-breve-balanco-dos-desastres-climaticos-de-2016-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. O nível do mar pode subir 2,5 metros até 2100, Ecodebate, 06/02/2017

https://www.ecodebate.com.br/2017/02/06/o-nivel-do-mar-pode-subir-25-metros-ate-2100-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Ressaca danifica trecho da Enseada de Botafogo, Ecodebate, 18/08/2017

https://www.ecodebate.com.br/2017/08/18/ressaca-danifica-trecho-da-enseada-de-botafogo-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Aumento do nível do mar e o fim da praia do Pepê na Barra da Tijuca, Ecodebate, 28/08/2019

https://www.ecodebate.com.br/2019/08/28/aumento-do-nivel-do-mar-e-o-fim-da-praia-do-pepe-na-barra-da-tijuca-rj-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

Aslak GRINSTED; Jens Hesselbjerg CHRISTENSEN. The transient sensitivity of sea level rise. Ocean Sci., 17, 181–186, 02/02/2021 https://os.copernicus.org/articles/17/181/2021/

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

https://twitter.com/ecodebate/status/1373320350377902082
https://twitter.com/ecodebate/status/1372900675709992960

Top