Rio de Janeiro: cidade submersa, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

“Não se afobe, não; que nada é pra já; O amor não tem pressa; ele pode esperar…
E quem sabe, então; o Rio será; alguma cidade submersa…”
Chico Buarque

 

160527a

 

[EcoDebate] Dizem que os poetas são seres além do seu tempo. Na música “Futuros Amantes”, o compositor Chico Buarque antevê a cidade do Rio de Janeiro submersa e diz que os “escafandristas” virão investigar “vestígios de estranha civilização”.

E bota estranho nisto! A civilização capitalista “criou maravilhas maiores que as pirâmides do Egito, os aquedutos romanos, as catedrais góticas”, como disse Marx e Engels no Manifesto Comunista. Nos últimos 250 anos a população mundial cresceu 9 vezes e a economia aumentou 120 vezes. Cidades e metrópoles germinaram em todos os continentes, especialmente em áreas ricas do litoral.

O que viabilizou o sucesso da civilização urbano-industrial foi o uso amplo e indiscriminado dos combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás). A ampla disponibilidade de energia barata turbinou o desenvolvimento econômico permitindo um grande avanço do processo civilizatório.

Mas o progresso humano se deu às custas do regresso ecológico e do aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera. Nos 800 mil anos antes da Revolução Industrial e Energética a concentração de CO2 na atmosfera não passava de 280 partes por milhão. Desde o final do século XX a química da atmosfera vem se alterando e o efeito estufa vem se agravando.

Em 1979, o nível de CO2 na atmosfera atingiu 335 partes por milhão (ppm). Em 2015, o nível de concentração de CO2 ultrapassou o perigoso limiar de 400 ppm. Nas últimas décadas o aumento tem sido de 2,5 ppm por ano. Neste ritmo, o mundo poderá ultrapassar 600 ppm antes do ano 2100.

Isto seria um desastre completo, pois o aumento do efeito estufa implica em aumento da temperatura. O ano de 2015 ficou 0,90º C acima da média do século XX. Mas o que estava quente, esquentou ainda mais nos primeiros 4 meses de 2016. No mês de abril a temperatura ficou 1,10º C acima da média do século XX e mais de 1,4º C acima da média do início da série, conforme mostra o gráfico abaixo:

 

160527b

 

Mesmo se o Acordo de Paris, da COP-21, tiver sucesso com a efetivação das Contribuições Voluntárias Nacionalmente Determinadas (INDCs), a temperatura poderá atingir 3,5º até o final do século. A última vez que a temperatura ficou perto deste nível ocorreu no período Eemiano (entre 130.000 e 110.000 anos atrás). Naquela época o nível do mar estava de 5 a 6 metros acima do nível atual.

Com base nos dados geológicos do passado, o site “Climate Central” fez diversas simulações de como o aumento da temperatura afetaria o nível dos oceanos e como este aumento atingiria as cidades costeiras. No caso do Rio de Janeiro, uma temperatura de 4º C, acima do período pré-industrial, significaria inundar a maior parte da cidade e deixar a maior parte das ruas debaixo d’água.

A queda de um trecho da ciclovia Tim Maia (no dia 21 de abril) é apenas um alerta e uma amostra do poder das ondas e da ressaca marinha. A cidade do Rio de Janeiro tem mais de 6 milhões de habitantes e a Região Metropolitana tem mais de 12 milhões de habitantes. O estrago que a fúria do mar poderia deixar na “Cidade Olímpica” é imenso.

A Cidade Maravilhosa é muito amada e, como disse Chico Buarque: “Amores serão sempre amáveis”. Assim, no ritmo atual, talvez possamos desejar para os sobreviventes aquáticos e as espécies que viverão no Rio submerso, o mesmo que, num gesto de altruísmo e desprendimento, o poeta carioca desejou para as futuras gerações: “Futuros amantes, quiçá; se amarão sem saber; com o amor que eu um dia; deixei pra você”.

Referências;

Climate Central. New Report and Maps: Rising Seas Threaten Land Home to Half a Billion. November 8, 2015

Katie Valentine. Sea Level Rise Is Here, And Is Gobbling Up Islands Climate, May 9, 2016

Andrea Thompson. 99 Percent Chance 2016 Will Be Hottest Year, Climate Central, 18/05/2016

Climate Change – Its Effect on Earth After 20 Years

Futuros Amantes
Chico Buarque

Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios no ar
E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos
Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização
Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você
Parte inferior do formulário

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, 27/05/2016

"Rio de Janeiro: cidade submersa, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/05/2016, https://www.ecodebate.com.br/2016/05/27/rio-de-janeiro-cidade-submersa-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

4 comentários em “Rio de Janeiro: cidade submersa, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Excelente artigo.
    Não havia observado esse caráter premunitório na música de Chico Buarque.
    Parabéns!

  2. Pois é… mas o Chico Buarque adora viver cercado das mordomias do capitalismo!

  3. Chico Buarque capitalista???????!!!!!!!

    Essa é a maior piada dos últimos milênios.

    Você, Joma Bastos, deve ser homenageado por tão valorosa obra, representada por essa maravilhosa piada, feita com tão poucas palavras, e, diante da qual, toda a obra do Chico Buarque nada vale.

  4. Parabenizo o Doutor José Eustáquio Diniz Alvez pela excelência do artigo e pela perspicácia de ver na letra da música “Futuros Amantes”, de Chico Buarque, a premonição da devastação socioambiental extrema, promovida pelo capitalismo.

Comentários encerrados.

Top