Mudança climática já impacta a maior floresta temperada da América do Norte

 

Mudança climática já impacta a maior floresta temperada da América do Norte

Uma nova pesquisa divulgada na Bioscience descobriu que uma região remota da maior floresta temperada da América do Norte está passando por mudanças em seu ecossistema devido às mudanças climáticas.

Brian Buma , pesquisador e professor de biologia integrada da University of Colorado Denver, co-lidera a rede de pesquisa que delineou as mudanças em um novo artigo.

Sudoeste do Alasca, USA
Sudoeste do Alasca, USA. Foto: University of Colorado Denver

Por Meghan Azralon*, University of Colorado Denver

A maior floresta temperada remanescente da América do Norte, localizada no sudeste do Alasca, é um dos ecossistemas mais primitivos e intactos. Todo o ecossistema se estende por mais de 2.000 km de norte a sul e armazena mais carbono em suas florestas do que qualquer outro.

A região pode armazenar mais de 1.000 toneladas por hectare de carbono na biomassa e no solo. Embora a área seja extremamente remota, os pesquisadores afirmam que ela não está imune aos impactos negativos das mudanças climáticas. As geleiras estão desaparecendo mais rápido do que a maioria dos outros lugares da Terra e as neves de inverno estão se transformando em chuvas de inverno. Isso está levando a uma mudança nas temperaturas dos rios, o que pode prejudicar os salmões, e mudanças nas temperaturas do solo, causando a morte das florestas.

“Esta é uma paisagem incrível em uma área relativamente compacta, onde temos tanto carbono de biomassa quanto 8% dos 48 estados mais baixos juntos”, disse Buma. “As árvores de 60 metros, os solos profundos – são apenas camadas e mais camadas de vida. E essa terra está tão entrelaçada com a água que qualquer mudança em uma significa uma mudança massiva na outra, rio abaixo e no oceano. ”

Por que isso é importante? As florestas absorvem mais carbono do que liberam. As árvores absorvem carbono durante a fotossíntese, removendo grandes quantidades de carbono da atmosfera. Como a floresta está crescendo mais rápido à medida que o clima esquenta, muito desse carbono “vaza” pelos riachos e rios. Esse carbono alimenta os ecossistemas marinhos e a jusante, que prosperam com o fluxo de energia da terra.

“Esta região é imensamente importante para os ciclos globais de carbono e nossa estratégia nacional de carbono, mas ainda não sabemos a direção que os estoques e movimentos gerais de carbono tomarão com o aquecimento global”, disse Buma. “Embora haja ampla pesquisa identificando o quão importante esta área é, mais trabalho é necessário para determinar para onde este grande reservatório irá tender no futuro.”

O crédito pelo trabalho de pesquisa é atribuído a um workshop organizado pela Coastal Rainforest Margins Research Network , com o apoio da National Science Foundation, da University of Washington Freshwater Initiative, do Hakai Institute e da University of Alaska Southeast.

Referência:

Allison L Bidlack, Sarah M Bisbing, Brian J Buma, Heida L Diefenderfer, Jason B Fellman, William C Floyd, Ian Giesbrecht, Amritpal Lally, Ken P Lertzman, Steven S Perakis, David E Butman, David V D’Amore, Sean W Fleming, Eran W Hood, Brian P V Hunt, Peter M Kiffney, Gavin McNicol, Brian Menounos, Suzanne E Tank, Climate-Mediated Changes to Linked Terrestrial and Marine Ecosystems across the Northeast Pacific Coastal Temperate Rainforest Margin, BioScience, 2021;, biaa171, https://doi.org/10.1093/biosci/biaa171

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top