Educação ideológica e reacionária chega aos materiais didáticos

 

estudantes
Imagem: © Marcello Casal Jr/Agencia Brasil

Educação ideológica e reacionária chega aos materiais didáticos

Segundo pesquisadora Lara Marin, nomeação pelo MEC de Sandra Ramos – defensora do criacionismo – para coordenação-geral de materiais didáticos significa impor a crianças e jovens uma educação ideológica e reacionária

Estava demorando para que a agenda de costumes extremista do governo Bolsonaro atuasse diretamente nas políticas públicas relacionadas aos materiais didáticos, censurando alguns conteúdos e maquiando outros. Semana passada, mais um retrocesso: a nomeação, pelo Ministério da Educação, de Sandra Ramos, colaboradora do movimento Escola Sem Partido, ao cargo de coordenadora-geral de materiais didáticos.

Desde 2019, o governo Bolsonaro vem atuando para excluir, desses materiais e de exames nacionais, temas como a não violência contra a mulher, as culturas indígenas e africanas, as questões de gênero e os direitos humanos – assuntos tão necessários para o desenvolvimento de uma sociedade mais respeitosa, justa e plural. Ao contrário, pretende criar uma narrativa positiva sobre a Ditadura Militar e incluir a teoria criacionista como a única resposta à origem do mundo.

Não é de hoje que os materiais didáticos são alvos de um controle ideológico do governo. Ao longo do século 20, textos racistas, machistas e com moral religiosa eram regra nos livros didáticos usados por crianças nas escolas. Com o intuito de ensinar a língua portuguesa, esses textos acabavam moldando os comportamentos desejados para aquela época, privando as crianças de liberdade de pensamento e conhecimento sobre outras maneiras de ser.

Não há dúvida do quanto os conteúdos presentes nos materiais didáticos são poderosos, pois os livros chegam às mãos de estudantes, em todos os cantos do país, graças ao investimento do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) – que quase não teve aprovado o orçamento para a compra desses materiais. Justamente por terem esse poder de ampla distribuição, os livros didáticos deveriam ser tratados com grande seriedade no Ministério da Educação, que é responsável pelas definições pedagógicas desses materiais.

Nomear alguém que contribui para o movimento Escola Sem Partido vai na contramão dessa responsabilidade e significa retroceder ao século passado, assumindo uma educação ideológica e reacionária.

Você que está lendo este texto pode se perguntar: “mas se o movimento chama Escola Sem Partido, isso não é uma coisa boa, já que não queremos uma educação partidária, e sim plural e com conhecimento e liberdade?” Pois é, esse movimento foi perspicaz e perverso ao escolher um nome que confundiria nossas cabeças e nos cansaria em buscar argumentos para defender o básico – como tantas vezes fazemos neste governo.

Ao contrário da pluralidade de ideias e da busca por imparcialidade partidária, o movimento defende ideologias muito partidárias, como a submissão da mulher à sociedade machista, as concepções religiosas como única verdade e a moralidade evangélica como centro da educação dos costumes.

Em pouco tempo, provavelmente veremos essas ideologias traduzidas em textos e atividades pedagógicas nos livros didáticos distribuídos pelo país. Enquanto isso, o que nos resta é seguir de mãos dadas com professores engajados em não perpetuar essas ideias como verdades, lutando pela educação como prática de liberdade.

* * * Autora do livro “A Cultura nos Livros Didáticos” (Editora Appris), Lara Marin é mestre em Estudos Culturais pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Além de sua atuação como pesquisadora, é autora de projetos e materiais didáticos desde 2008.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Educação ideológica e reacionária chega aos materiais didáticos

  1. Olá, como assessor de imprensa, enviei esse artigo da pesquisadora Lara Marin. Mas, do jeito que saiu no site vocês, “Por Alexandre Carvalho”, parece que fui eu que escrevi. E foi ela: Lara Marin. Vocês podem corrigir, por favor? Obrigado.

  2. Caro Alexandre,

    O primeiro parágrafo …”Segundo pesquisadora Lara Marin, nomeação pelo MEC de Sandra Ramos – defensora do criacionismo – para coordenação-geral de materiais didáticos significa impor a crianças e jovens uma educação ideológica e reacionária“… não é indicativo de artigo, mas de matéria a partir de análise de fonte consultada e foi assim que interpretamos.

    O texto foi editado, como solicitado.

    Grato,

    Henrique Cortez, editor

Comentários encerrados.

Top