Estudo relaciona a Cargill ao desmatamento na Amazônia e no Cerrado

 
 

Estudo relaciona a Cargill ao desmatamento na Amazônia e no Cerrado

Cargill é principal responsável por envio de soja de desmatamento recente ao Reino Unido, diz ONG – Estudo estabelece mais um elo na intrincada cadeia produtiva internacional que destrói Amazônia e Cerrado

Por Cinthia Leone, ClimaInfo

A Cargill, a maior importadora de soja do Reino Unido, está ligada ao desmatamento de 61.260 hectares de florestas na Amazônia brasileira e no Cerrado desde março de 2019.

É o que revelam novos dados publicados hoje na ferramenta de monitoramento da Mighty Earth, o Rastreador de Desmatamento de Soja e Gado . Todos os principais supermercados da Grã-Bretanha vendem frango e carne suína alimentados com soja brasileira.

Perguntados sobre suas conexões com a Cargill, os supermercados J. Sainsbury, ASDA, Morrisons e Aldi-UK recusaram-se a confirmar ou negar suas ligações diretas ou indiretas com a comerciante. Entretanto, a Tesco, num gesto de transparência, reconheceu que a Cargill está presente nas cadeias de suprimento de seus fornecedores diretos de frango e publicou um documento delineando a origem da soja utilizada para seus produtos.

Apesar das sucessivas promessas dos principais supermercados da Grã-Bretanha de alcançar o desmatamento zero em sua cadeia de abastecimento até 2020, os varejistas continuam altamente expostos ao desmatamento e ao desmatamento no Brasil, alimentado pela produção de soja.

A Cargill domina o mercado britânico de soja, importando mais de dois terços (70%) dos grãos de soja que entram no Reino Unido diretamente do Brasil. Três quartos (78%) das exportações diretas de soja brasileira para o Reino Unido vêm de regiões ameaçadas do Cerrado, a maior savana tropical do mundo, e da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo.

Quase toda (90%) a soja consumida no Reino Unido é utilizada para alimentar animais de criação, como frangos e porcos, que são depois vendidos nos supermercados britânicos.

“Os consumidores britânicos têm falado alto e claro – eles não querem ser cúmplices na destruição das florestas preciosas do Brasil. Entretanto, os supermercados estão falhando em protegê-los do consumo de carne alimentada com soja destruidora da floresta”, afirma Robin Willoughby, diretor da Mighty Earth do Reino Unido. “Estamos instando os CEOs da Tesco PLC, J.Sainsbury’s, ASDA, Morrisons e Aldi UK a tomar medidas imediatas para deter a destruição do Brasil e abandonar a Cargill”.

De fato, juntamente com a divulgação da pesquisa, a Mighty Earth do Reino Unido está lançando uma campanha nacional para que medidas decisivas sejam tomadas em relação à Cargill.

Levantamento

Todos os meses, a Mighty Earth e a organização de pesquisa Aidenvironment usam alertas de desmatamento via satélite de agências governamentais brasileiras, imagens de propriedade, investigações por uma equipe local e envolvimento com as empresas nomeadas para estabelecer os vínculos entre os comerciantes de soja, processadores de carne bovina e a destruição de florestas no Brasil.

O Mighty Earth’s Soy & Cattle Deforestation Tracker (Rastreador de Desmatamento de Soja e Gado) conecta instâncias de desmatamento em larga escala na Amazônia e no Cerrado a comerciantes de soja e frigoríficos e torna esses vínculos públicos pela primeira vez. Ele não captura todo o desmatamento no Brasil, que é muitas vezes maior.

De acordo com a agência espacial brasileira (INPE), o desmatamento da floresta amazônica no país bateu o recorde dos últimos 12 anos. Na semana passada, o governo brasileiro removeu qualquer medida para combater o desmatamento no plano nacional de ação climática (conhecido como NDC) sob o Acordo de Paris, apesar de o desmatamento ser a principal fonte de emissões de gases de efeito estufa no país. Segundo a Mighty Earth, soja e pecuária bovina são as atividades mais relacionadas à degradação florestal no Brasil.

Notas

Em anexo está o relatório final do estudo e uma cópia preliminar de um briefing (em português) elaborado pela Migthy Earth que explica como a nova ferramenta de monitoramento por satélite tornará cada vez mais clara a relação entre o desmatamento praticado no Brasil e as cadeias produtivas globais.


PT_FINAL Briefing Note 2 – Nico edits.docx
Mighty-Earth-Soy-Cattle-Deforestation-Tracker-Report-FINAL.pdf

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/12/2020

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top