Dicas para produzir frutas em apartamentos

 

Dicas para produzir frutas em apartamentos

Que tal aproveitar o tempo mais livre do final de semana para produzir frutas dentro de casa – e até mesmo em apartamentos

jabuticaba
Galhos e frutas verdes e maduras da jabuticabeira. A jabuticaba, também conhecida pelo nome de guapuru. É nativa da Mata Atlântica. Foto: Embrapa

Em tempos de distanciamento social, como estratégia para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19), é preciso ter criatividade para ocupar a cabeça dos adultos e crianças.

Que tal aproveitar o tempo mais livre do final de semana para cultivar dentro de casa – e até mesmo em apartamentos – algumas fruteiras, que lembram a infância no interior? Acerola, amora, goiaba, pitanga e jabuticaba podem ser cultivadas em vasos, no quintal ou na sacada de prédios.

É o que diz o pesquisador da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que atua na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), José Antônio Alberto da Silva.

O pesquisador explica que essas frutas nem sempre são fáceis de serem encontradas nos supermercados das grandes cidades. “São frutas com alto potencial produtivo e que possuem mercado nos grandes centros. Há pessoas, que por conta do saudosismo da época de vivência no interior, pagam caro por elas. O problema é que estragam muito rápido depois de colhidas, por isso, nem sempre são fáceis de serem encontradas no mercado”, explica.

Para driblar o problema, o pesquisador da APTA dá algumas dicas. Confira!

Plantio no vaso

O primeiro passo é adquirir mudas de boa procedência em viveiros idôneos. Isso evita que se compre plantas improdutivas ou que acabe levando para casa um tipo de fruta e mais tarde descobre que é outra.

Em tempos de pandemia, alguns viveiros estão fazendo entregas por delivery dessas fruteiras em São Paulo e no interior. A Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), também ligada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, comercializa mudas de fruteiras em Itaberá, Marília, Pederneiras, Presidente Prudente, São Bento do Sapucaí e Tietê. Mais informações a respeito podem ser consultadas aqui. O plantio pode ser feito no chão ou em vasos com pelo menos 40 litros.

– Primeiro é necessário fazer um dreno com pedras no fundo do vaso, para evitar acúmulo e excesso de água.
– Faça o plantio da muda utilizando terra fértil, rica em matéria orgânica, que pode ser facilmente encontrada em casas especializadas. Não utilize substratos puro, mas sim misturas com terra vermelha.
– É necessário escolher bem o local em que o vaso ficará no quintal ou na sacada. Geralmente as fruteiras gostam de locais bem arejados e que batam sol pelos menos durante um período do dia.
– É importante estar atento se a planta está com água suficiente. Sempre verifique se a terra está úmida, pois, tanto falta como o excesso de água faz mal a planta.
– Faça adubação complementar a cada dois ou três meses, utilizando esterco curtido e formulações NPK (nitrogênio, fósforo e potássio). Se perceber que há alguma praga ou doença na planta, procure um engenheiro agrônomo.

Plantio no chão
Para o plantio no chão, devem-se ter os mesmos cuidados. A diferença é a necessidade de realizar a poda da copa das árvores mais frequentes. “Como no chão a planta tem mais espaço para se desenvolver, crescerá com mais vigor, por isso, a necessidade de sempre realizar a poda de ramos que crescerem demasiadamente e assim manter a copa no formato e altura que quiser. Vale lembrar que estas frutíferas não possuem sistema radicular muito agressivo, principalmente, quando é realizada a poda”, explica Silva.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top