Coronavírus está ligado a crises climáticas e de biodiversidade

Por Ina Fried*, Axios

Lidar com o coronavírus sem prestar atenção às mudanças climáticas e às crises de biodiversidade seria um erro, dadas as maneiras pelas quais os três estão inter-relacionados, disse um especialista em conservação da vida selvagem ao “Axios on HBO“.

Por que é importante: se não reconhecermos a conexão, provavelmente veremos mais doenças de difícil tratamento saltarem de animais para seres humanos, disse Joe Walston, da Wildlife Conservation Society, em entrevista.

Contexto: Muita atenção concentrou-se nos chamados “mercados” na China, onde muitos animais selvagens são mantidos juntos e vendidos ao homem para consumo. Embora as doenças possam se espalhar dos animais para os seres humanos em outros locais, Walston disse que as chances aumentam muito quando os animais são retirados de seus habitats naturais e colocados sob estresse e próximos a outros animais.

  • O fechamento de tais mercados tornaria muito mais difícil para vírus como o SARS-CoV-2, que causa o COVID-19, pular de animais para humanos, disse ele.

O quadro geral: mais de um bilhão de pessoas a cada ano ficam doentes de doenças relacionadas a animais, disse Walston. Muitas das novas doenças graves mais recentes vieram de animais.

  • A remoção de animais selvagens de seus ambientes interrompe seus ecossistemas nativos, o que prejudica a biodiversidade e agrava as mudanças climáticas, acrescentou.

  • “Quando você remove elefantes das florestas da África Central, remove o principal dispersor de sementes e o principal jardineiro desse sistema, e as florestas começam a se degradar”, disse ele.

Nas entrelinhas: Walston jogou água fria na teoria de que o vírus foi criado em um laboratório ou mesmo de que um laboratório de pesquisa teve um papel importante em sua disseminação. “Antes de passar desse morcego para os humanos, não havia absolutamente nenhuma evidência de que fosse proveniente de qualquer laboratório”.

Walston sugeriu que esse momento perigoso para a humanidade poderia ser um ponto de virada nas três crises se prestarmos atenção ao aviso.

  • “Na verdade, infelizmente, leva as pessoas a morrer na porta das pessoas, a morrer na família das pessoas, para que a chamada de despertar aconteça, que é sempre inevitavelmente mais tarde do que deveria ser. Mas acredito que o mundo está percebendo agora que esses são problemas ambientais, que vão acontecer novamente, a menos que tomemos medidas “.

Conclusão: o ciclo pode facilmente se repetir e se intensificar se não tomarmos as medidas apropriadas.

  • “Temos todo o poder para destruir praticamente tudo”, disse Walston.

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020

[cite]

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

6 comentários em “Coronavírus está ligado a crises climáticas e de biodiversidade

  1. E as outras grandes pestes que a Humanidade já enfrentou? A Peste Negra (sec. XIV), a Cólera (sec. XIX), Surto de Tuberculose (sec. XIX), Varíola (sec. XIX), Gripe Espanhola (sec. XX), Tifo (sec. XX), AIDS (Sec. XX) e outras, inclusive não documentadas devidamente, teriam que explicação?

    O único fator real que está por trás de todas essas pandemias é a concentração populacional em grandes cidades acompanhada e a falta de saneamento básico e cuidados sanitários de higiene. Outras correlações serão sempre coadjuvantes a esse fator demográfico e sanitário.

  2. Caro Ávaro,

    Antigas pandemias não estão suficientemente documentadas para que se possa afirmar como surgiram.

    Você cita, corretamente, fatores relevantes na disseminação de epidemias, mas no caso das epidemias de origem zoonóticas não são o fator de origem. É o caso do Ebola, da Gripe Suína, etc.

    Os coronavírus são zoonóticos, transmitidos de animais para pessoas e, por isto, o tema é relacionado com as questões ambientais, em especial com a biodiversidade.

    Como referência, sugerimos a leitura dos textos abaixo indicados:

    https://www.ecodebate.com.br/2020/03/25/o-coronavirus-nos-obriga-a-reconsiderar-a-biodiversidade-e-seu-papel-protetor/

    https://www.ecodebate.com.br/2020/03/25/coronavirus-qual-a-relacao-do-meio-ambiente-com-a-pandemia-artigo-de-bernardo-egas/

    https://www.ecodebate.com.br/2020/03/09/surto-de-coronavirus-e-reflexo-da-degradacao-ambiental-afirma-pnuma/

    Atenciosamente

    Henrique Cortez, edito

  3. Caro Henrique,
    Penso que devamos separar a questão da origem do agente pandêmico da questão de sua larga e rápida propagação na espécie humana. Sobre a origem não me arrisco a opinar, é algo muito especializado e complexo, mas sobre a propagação sem dúvida o fator demográfico e as condições de saneamento são fundamentais. Forte abraço.

  4. Henrique, minhas observações se referiram exclusivamente ao texto publicado supra, não à cobertura geral do Ecodebate sobre a pandemia. Sem dúvida a cobertura geral tem sim abrangido a totalidade dos fatores envolvidos.
    Abraços.

Comentários encerrados.

Top