Mais árvores e menos gente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Precisamos nos preocupar com a explosão populacional”

Narendra Modi, 15/08/2019

[EcoDebate] A Revolução Industrial e Energética que teve início no final do século XVIII possibilitou um grande crescimento demoeconômico, viabilizando a melhoria das condições de vida da maioria da população mundial. As taxas de mortalidade infantil caíram significativamente enquanto aumentava a esperança de vida ao nascer. Houve um grande avanço da educação e uma ampliação e diversificação do consumo. Nada disto seria alcançado sem uma ampla disponibilidade de energia, pois foram os combustíveis fósseis que possibilitaram os avanços civilizacionais dos últimos 250 anos.

Mas a queima de carvão, petróleo e gás, junto com o desmatamento, amplificou a emissão de gases de efeito estufa, fazendo acelerar o aquecimento global. A elevação da temperatura média da terra vai provocar diversos fenômenos que ameaçam a existência da vida na Terra. Temperatura mais alta vai acelerar o degelo dos polos, da Groenlândia e dos glaciares, elevando o nível dos oceanos e ameaçando a vida de mais de 2 bilhões de pessoas que vivem nas regiões costeiras. Vai também provocar a acidificação dos solos e das águas destruindo a vida marinha e dificultando a produção de alimentos. As ondas letais de calor vão deixar diversas partes do Planeta inabitáveis, etc.

Por conta de tudo isto, o Acordo de Paris se comprometeu em manter o aumento da temperatura a 1,5º Celsius em relação ao período pré-industrial. Porém, conforme mostra o gráfico abaixo, a trajetória das emissões de CO2 indica que o aquecimento pode ultrapassar 4º C ou chegar a 5,4º C até 2100, o que seria uma catástrofe de grandes proporções.

Evidentemente, é preciso reverter urgentemente a trajetória ascendente das emissões de CO2. Para se atingir as metas do Acordo de Paris as emissões líquidas precisam ser zeradas até meados do século. Mas, mesmo com emissão zero, a alta concentração do carbono já emitido pode ser suficiente para atingir temperaturas muito elevadas.

passado e futuro das emissões de dióxido de carbono

Portanto, além de reduzir as emissões é preciso sequestrar o carbono da atmosfera. Existem várias tentativas de fazer isto por meio da geoengenharia. Mas até agora as soluções são caras e ineficientes.

Todavia, de acordo com um novo estudo publicado na Revista Science (Bastin et. al. 05/07/2019), restaurar as florestas do mundo em uma escala sem precedentes é a melhor solução mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Os pesquisadores afirmam que a cobertura de 900 milhões de hectares de terra – aproximadamente o tamanho dos EUA – com árvores, poderia armazenar até 205 bilhões de toneladas de carbono, cerca de dois terços do carbono que os seres humanos já colocaram na atmosfera. Ou seja, uma catástrofe climática poderia ser evitada se em vez de desmatar houvesse reflorestamento global.

Havia 6 trilhões de árvores no mundo no passado. Mas a humanidade destruiu a metade das florestas desde o crescimento exponencial da população e da economia. O número de árvores no mundo hoje em dia está em torno de três trilhões de unidades, segundo o mesmo estudo citado (Bastin et. al. 05/07/2019). Mas o pior é que os seres humanos estão destruindo 15 bilhões de árvores por ano, enquanto o aparecimento de novas árvores e o reflorestamento é de somente 5 bilhões de unidades. Ou seja, o Planeta está perdendo 10 bilhões de árvores por ano e pode eliminar todo o estoque de 3 trilhões de árvores em 300 anos.

Desta forma, é preciso estancar imediatamente a sangria do desmatamento e reverter este processo plantando árvores que funcionam com sorvedouros de carbono. A humanidade tem o dever moral (e o instinto de sobrevivência) de repor aquilo que ela destruiu. Em vez de continuar a marcha insensata de aumento indefinido do consumo de bens conspícuos, os seres humanos precisam cortar as taxas de fecundidade e elevar as taxas de reflorestamento e refaunação da vida selvagem.

A economia mundial precisa perder sua obsessão pelo crescimento e perceber que a humanidade já ultrapassou os limites da resiliência do Planeta. As atividades antrópicas já ultrapassaram 4 das 9 fronteiras planetárias, sendo que duas delas, a Mudança climática e a Integridade da biosfera, são o que os cientistas chamam de “limites fundamentais” e tem o potencial para conduzir o Sistema Terra a um novo estado que pode ser substancialmente e persistentemente transgredido. O agravamento destas duas fronteiras fundamentais podem levar a civilização ao colapso.

Artigo de Mark Kinver (BBC News, 12/09/2019) mostra que um acordo global histórico destinado a interromper o desmatamento falhou. Uma avaliação da Declaração de Nova York sobre Florestas (NYDF) diz que ela não cumpriu as promessas-chave. Lançado na cúpula climática da ONU em 2014, visava reduzir à metade o desmatamento até 2020 e atingir o desmatamento zero até 2030. No entanto, o desmatamento continua a um ritmo alarmante e ameaça agravar as mudanças climáticas perigosas. Desde que o NYDF foi lançado há cinco anos, o desmatamento não apenas continuou, como também acelerou. A quantidade anual de emissões de gases de efeito estufa, resultantes do desmatamento em todo o mundo é equivalente, aos gases de efeito estufa produzidos pela União Europeia. Em média, uma área de cobertura de árvores do tamanho do Reino Unido foi perdida todos os anos entre 2014 e 2018. A perda de florestas tropicais representa mais de 90% do desmatamento global, com o hotspot localizado nas nações da Bacia Amazônica da Bolívia, Brasil, Colômbia e Peru.

O relatório “Protecting and Restoring Forests: A Story of Large Commitments” (Five-Year Assessment Report, September 2019) mostra que o desmatamento está piorando, cinco anos depois que países e empresas prometeram impedi-lo. Se existiam dúvidas sobre os números do desmatamento (como mostrou Fred Pearce, Yale 360, 09/10/2018), os dados atuais são claros em mostrar o grau de degradação da cobertura vegetal global.

Portanto, cinco anos após ingressar em um compromisso histórico para parar de cortar as florestas do mundo, governos e empresas não estão reduzindo a velocidade do desmatamento, assim como estão rapidamente levando ao desaparecimento de mais árvores. As florestas continuam sendo desmatadas a um ritmo alarmante (ver gráfico abaixo), impulsionado principalmente pela expansão agrícola e pela demanda por carne bovina, óleo de palma e soja. “Estamos perdendo a batalha para impedir o desmatamento”, disse Craig Hanson, vice-presidente do Instituto de Recursos Mundiais.

desmatamento global

Plantar árvores e restaurar a vida selvagem é não só um dever ético, mas também uma tábua de salvação para a própria humanidade. Mas de nada adianta plantar árvores se o ser humano continuar na sua marcha louca e insensata para colocar mais gente no mundo e gente que vai aumentar o consumo de água, alimentos, moradia, transporte, lazer e que vai pressionar a Pegada Ecológica bem acima dos limites da Biocapacidade do Planeta. Como disse Kenneth Boulding: “um crescimento infinito é incompatível com um mundo finito”.

O fato é que o crescimento das atividades antrópicas tem se dado às custas da biodiversidade e do empobrecimento dos ecossistemas. Depois de 250 anos de expansão da sociedade urbana-industrial, o mundo está esbarrando nos limites do crescimento econômico. Como mostrou Herman Daly (05/09/2014), as atividades humanas já ultrapassaram os seus limites econômicos planetários e entraram em uma fase de “crescimento deseconômico”. Para estabelecer o equilíbrio é preciso haver decrescimento até o ponto de intercessão entre as curvas de utilidade marginal e desutilidade marginal. Depois de restaurado o equilíbrio, a adoção de uma economia de estado estacionário permitiria evitar se ultrapassar novamente o limite econômico sustentável. O Estado Estacionário, em um ponto anterior ao crescimento deseconômico, é um seguro contra o risco de uma catástrofe ecológica.

Mas se houver decrescimento econômico com crescimento da população haverá redução da renda per capita e um agravamento da crise social, pois as elites econômicas não aceitarão perdas neste processo de salvar o meio ambiente (ou podem boicotar decisivamente o processo de recuperação dos ecossistemas). Portanto, o decrescimento econômico deve ser acompanhado pelo decrescimento da população.

A redução da população mundial não é nenhuma tarefa impossível. Pelo contrário, basta que a taxa de fecundidade total (TFT) fique meio filho (0,5) abaixo da projeção média para que a população mundial apresente grande redução. A projeção média da ONU estima uma população global de 10,9 bilhões de habitantes em 2100, com a TFT caindo dos atuais 2,5 filhos por mulher para 2 filhos por mulher no final do século. Contudo, se a taxa ficar meio filho menor, a população mundial atingiria cerca de 7,5 bilhões de habitantes em 2100, conforme mostra o gráfico abaixo. E poderia apresentar um declínio muito maior no século XXII.

população mundial

Para Herman Daly, as atividades humanas já ultrapassaram os limites econômicos do Planeta e entraram em uma fase de “crescimento deseconômico”. Para estabelecer o equilíbrio é preciso haver decrescimento até o ponto de intercessão entre as curvas de utilidade marginal e desutilidade marginal. Depois de restaurado o equilíbrio, que a restauração das 6 trilhões de árvores e a recuperação da vida selvagem, a adoção de uma economia de estado estacionário permitiria evitar se ultrapassar novamente o limite econômico sustentável. O Estado Estacionário, em um ponto anterior ao crescimento deseconômico, é uma “apólise de seguro” contra o risco de uma catástrofe ecológica.

José Eustáquio Diniz Alves
Colunista do EcoDebate.
Doutor em demografia, link do CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. A vida secreta das árvores e o déficit de natureza, Ecodebate, 14/12/2018

https://www.ecodebate.com.br/2018/12/14/a-vida-secreta-das-arvores-e-o-deficit-de-natureza-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

DALY, Herman. Three Limits to Growth. Resilience, 05/09/2014

http://www.resilience.org/stories/2014-09-05/three-limits-to-growth

Serge Latouche. Decrescimento: ‘Um crescimento infinito é incompatível com um mundo finito’, Ecodebate, RJ, 24/11/2011 http://www.ecodebate.com.br/2011/11/24/decrescimento-um-crescimento-infinito-e-incompativel-com-um-mundo-finito-por-serge-latouche/

Jean-Francois Bastin et. al. The global tree restoration potential, Science, Vol. 365, Issue 6448, pp. 76-79, 05 Jul 2019: https://science.sciencemag.org/content/365/6448/76

Mark Kinver. World ‘losing battle against deforestation’, BBC News, 12/09/2019 https://www.bbc.com/news/science-environment-49679883

Narendra Modi. “Population explosion a worry”, TOI, 15/08/2019

http://timesofindia.indiatimes.com/articleshow/70693821.cms?utm_source=contentofinterest&utm_medium=text&utm_campaign=cppst

Fred Pearce. Conflicting Data: How Fast Is the World Losing its Forests? Yale 360, 09/10/2018

https://e360.yale.edu/features/conflicting-data-how-fast-is-the-worlds-losing-its-forests

Progress on the New York Declaration on Forests. Protecting and Restoring Forests: A Story of

Large Commitments, Five-Year Assessment Report, September 2019 https://forestdeclaration.org/images/uploads/resource/2019NYDFReport.pdf

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/10/2019

Mais árvores e menos gente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 2/10/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/10/02/mais-arvores-e-menos-gente-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Mais árvores e menos gente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Ótimo artigo. Exatamente o que precisamos, plantar mais árvores; seria uma espécie de Plano Marshall para reconstrução da biomassa mundial destruida, para a recomposição da biodiversidade vegetal e animal que desaba em todo o planeta e para aumentar fixação de CO² atmosférico na vegetação.
    Com isto, poderíamos substituir o emprego do cimento por madeira, onde for possível. Há inúmeros usos da madeira que foram substituidos pelo cimento, ferro, aluminio, materiais cuja produção é intensas em energia, energívoros, e intensos emissores de CO². Uma mesa de madeira fixa CO² atmosférico, uma mesa de ferro ou alumímio emite CO² atmosférico.
    Aliás, a produção de cimento no planeta é responsavel por algo em torno de 6% das emissões totais mundiais de CO².

  2. Curioso… Há cerca de seis anos atrás enviei um artigo sobre superpopulação que foi vetado pelos editores da revista EcoDebate. Caso tenham interesse, ainda posso achar o artigo e enviá-lo.

Comentários encerrados.

Top