A vida secreta das árvores e o déficit de natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Este mundo curioso que nós habitamos é mais maravilhoso do que conveniente,
mais bonito do que útil, mais para ser admirado e apreciado do que usado”
Henry Thoreau (1817-1862)

“O bem-estar e o florescimento da vida humana e da não-humana sobre a terra têm valor em si próprios (valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes
da utilidade do mundo não-humano para os propósitos humanos”
Arne Næss e George Sessions (1984)

 

A vida secreta das árvores
Imagem: Amazon

[EcoDebate] O livro “A vida secreta das árvores”, do cientista alemão Peter Wohlleben (Editora Sextante, 2015), começa da seguinte forma: “Quando comecei a carreira como engenheiro florestal, eu sabia tanto sobre a vida secreta das árvores quanto um açougueiro sabe sobre os sentimentos dos animais.

A silvicultura moderna é uma ciência que estuda os métodos naturais e artificiais de regeneração dos povoamentos florestais, mas, na prática, busca a produção de madeira, ou seja, derruba árvores para aproveitar os troncos e, em seguida, plantar novas mudas no lugar.

Ao ler qualquer periódico especializado, logo se tem a impressão de que o bem-estar da floresta só interessa na medida em que é necessário para sua administração operacional otimizada. Aos poucos essa rotina distorce sua visão das árvores. Todos os dias eu avaliava centenas de abetos, faias, carvalhos e pinheiros para saber se podiam ir para a serraria e descobrir seu valor de mercado, e isso só serviu para estreitar minha percepção do assunto”.

Ou seja, Wohlleben tinha uma visão instrumental das florestas e das árvores. Nessa perspectiva, tanto ele, quanto a maioria dos seres humanos, só dão valor à natureza na medida em que esta pode fornecer bens e serviços que ajudem ao enriquecimento das pessoas. Esta posição antropocêntrica tem dominado o progresso e o avanço da civilização, desde o florescimento do Homo sapiens, e que foi a pedra angular da construção do mundo moderna, que tem como base a oposição entre o enriquecimento da humanidade e o empobrecimento do meio ambiente.

As florestas são fundamentais para a sustentabilidade. Nos cursos de ecologia aprendemos o quanto dependemos das árvores. Elas retiram dióxido de carbono da atmosfera, nos dão oxigênio por meio da fotossíntese, absorvem poluentes e amortecem o ruído. As árvores nos fornecem abrigo, alimento, fibras, ajudam a evitar a erosão. Se todos esses benefícios forem colocados em termos monetários, daria uma fortuna.

Mas as árvores possuem outras verdades secretas. No segundo parágrafo do livro, Peter Wohlleben diz: ““Há cerca de 20 anos, comecei a oferecer treinamento de sobrevivência e excursões na floresta. Mais tarde, também passei a cuidar das áreas de reserva e a administrar funerais naturais – prática em que as cinzas do corpo humano são enterradas em urnas biodegradáveis ao pé das árvores. Conversando com muitos visitantes, mudei minha forma de enxergar a floresta. As árvores tortas, retorcidas, que antes eu considerava de menor valor, deixavam os visitantes fascinados. Aprendi com eles a não prestar atenção só nos troncos e em sua qualidade, mas também em raízes anormais, padrões de crescimento diferentes e camadas de musgo na casca das árvores”.

O autor mostra que a vida das árvores, com suas mais distintas características, se organiza em uma “comunidade social”. Ele mostra o relacionamento entre as diversas espécies, a educação e o cuidado com os brotos, a questão do coletivo, a defesa contra ameaças externas, a reprodução, a noção de tempo e muitos outros detalhes da vida vegetal. Ao longo dos capítulos, os leitores vão se identificando com estes seres incríveis e com a complexidade da natureza e o entendimento como todas as coisas nos ecossistemas estão interligadas.

Em um vídeo no Youtube (17/03/2017), o cientista alemão e a cientista Suzanne Simard (da Universidade de British Columbia, Canadá) explicam como se dá a comunicação entre as árvores e a teia da vida que existe em uma floresta. Eles mostram que as árvores são seres vivos que têm sentimentos e sabem se comunicar entre si, além de formarem uma floresta onde todos (ou quase todos) se ajudam e contribuem para formar um organismo vivo e dinâmico.

Estas descobertas vêm reforçar as teses de Alexander von Humboldt (1769-1859) e Henry Thoreau (1817-1862) que já mostravam, no século XIX, que a natureza é um todo vivo e que cada espécie tem o seu valor próprio independente do egoísmo humano. A escola de pensamento conhecida como “Ecologia Profunda” também advoga uma visão ecocêntrica da natureza. Segundo Arne Næss e George Sessions (1984): a vida não humana “têm valor em si próprios (valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes da utilidade do mundo não-humano para os propósitos humanos”.

Uma forma de reconhecer a importância das árvores e reconhece-las como seres evoluídos e integrados de maneira simbiótica à natureza é através do movimento “abraçar árvores” ou “abraços de árvores” (Tree Hugger). Como mostra Ian Spellerberg (16/02/2017), os abraçadores de árvores são pessoas que não só reconhecem a importância e o valor destes seres vegetais lindos e importantíssimos, mas também são pessoas que se beneficiam da energia emanada pelas árvores e pelas matas. Abraçar árvores traz benefícios para a saúde física e mental, sendo que os abraçadores de árvores contribuem significativamente para a sustentabilidade ambiental e social.

Segundo diversos especialistas, frequentar parques e florestas faz bem à saúde. Segundo eles, o contato com a natureza afasta o estresse, revigora as energias e melhora a qualidade de vida das pessoas. Matéria de Mariana Della Barba, na BBC, mostra que o ‘déficit de natureza’ provoca problemas físicos e mentais em crianças. Para o pesquisador americano Richard Louv, autor do livro A Última Criança na Natureza, existe uma doença chamada “Transtorno de Déficit de Natureza”, pois a falta de contato das crianças com a natureza causa problemas físicos, como a obesidade, e mentais, como depressão, hiperatividade e déficit de atenção.

Artigo de Andrew Nikiforuk (22/10/2018), com base em entrevista com a famosa botânica irlandesa Diana Beresford-Kroeger, discute o efeito dos incêndios florestais na América do Norte, que somente na Colúmbia Britânica, liberaram entre 150 e 200 megatoneladas de dióxido de carbono em 2017. Isso é mais que o dobro do volume criado por atividades humanas na província. Ela considera que a civilização moderna, ao demonizar o fogo e ampliar as construções em áreas florestais, fizeram com que as florestas se tornassem mais densas, uniformes e inflamáveis. O ar seco desseca os tubos polínicos. Como resultado, as sempre-vivas produzem mais oleorresinas, que podem alimentar incêndios: “Quanto mais oleoresina, maior a carga de fogo.”

O Brasil com o maior superávit de biocapacidade do planeta não tem dado valor à sua riqueza natural. Infelizmente, o país tem derrubado árvores desde a exploração do pau-brasil pelos exploradores portugueses, sendo que já derrubou cerca de 90% da Mata Atlântica. Não satisfeita, a nação brasileira continua desmatando e defaunando suas riquezas naturais, pois já derrubou 20% da Amazônia e 50% do Cerrado, sem falar nos demais biomas que foram igualmente degradados.

E o mais preocupante é que o desmatamento na região amazônica cresceu 48,8% durante a campanha eleitoral (de agosto a outubro de 2018). Segundo o Deter B, projeto do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) que monitora o desmatamento em tempo quase real para subsidiar a fiscalização ambiental a floresta perdeu 1.674 km2 nesses três meses, área um pouco maior do que a do município de São Paulo.

Ou seja, em vez de conhecer a vida social das árvores e se encantar com a beleza e os benefícios da floresta, os brasileiros estão destruindo uma riqueza incomensurável e provocando um holocausto biológico de grandes proporções.

O livro de Peter Wohlleben mostra o quão estúpidos, ecocidas e suicidas são as pessoas e os governos que permitem uma aniquilação ecológica e a extinção da biodiversidade.

Um dia, talvez, a humanidade vai perceber que a “sociedade das árvores” é muito mais democrática e sustentável do que a egoísta e ecocida sociedade humana.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

Referências:

Peter Wohlleben. A vida secreta das árvores, Sextante, 2015

http://www.ecoagri.com.br/wp-content/uploads/A-Vida-Secreta-Das-%C3%81rvores-Peter-Wohlleben.pdf

Peter Wohlleben. A vida secreta das árvores, Sextante, Youtube, 17 de mar de 2017

As árvores conversam, conhecem laços familiares e cuidam de seus filhos? Isso é estranho demais para ser verdade? https://www.youtube.com/watch?v=DBRg-2N3sMI

Arne Næss and George Sessions. Basic Principles of Deep Ecology, The Anarchist Library, 1984

https://theanarchistlibrary.org/library/arne-naess-and-george-sessions-basic-principles-of-deep-ecology.lt.pdf

Ian Spellerberg. A hug for the tree huggers: Why ‘tree hugger’ is not an insult, Feb 16 2017 https://www.stuff.co.nz/environment/89427331/A-hug-for-the-tree-huggers-Why-tree-hugger-is-not-an-insult

Frequentar parques e florestas faz bem à saúde, 22 de Junho de 2016

http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/7982-frequentar-ucs-faz-bem-a-saude

Mariana Della Barba. ‘Deficit de natureza’ provoca problemas físicos e mentais em crianças, alerta especialista, BBC Brasil, 25 junho 2016

https://www.bbc.com/portuguese/geral-36592620

Andrew Nikiforuk. Tree Teachings: How Forests and Wildfires Are Critically Linked, TheTyee, 22 Oct 2018 https://thetyee.ca/News/2018/10/22/Tree-Teachings-Forest-Wildfires/?fbclid=IwAR35svh2kEDZD8XftxlAukEb1bRcF_NbJlkso-mRTeb-QHcmk_ZCYEcQxI4

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/12/2018

A vida secreta das árvores e o déficit de natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/12/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/12/14/a-vida-secreta-das-arvores-e-o-deficit-de-natureza-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “A vida secreta das árvores e o déficit de natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. “A vida secreta das árvores e o déficit de natureza,” artigo de José Eustáquio Diniz Alves.
    Artigo by Redação – 14/12/2018.

    Parabenizar o Doutor José Eustáquio Diniz Alves, e a ele agradecer por tão maravilhoso artigo, é insuficiente.

    Eu gostaria que existissem vocábulos ou expressões que expressassem sentimentos mais intensos.

    Há muito tenho pensado se os vegetais têm sentimento, e se seguem alguma forma de organização. Com meus parcos sobre a vida, e, especialmente, sobre a vida vegetal, eu simplesmente pensava: se os agrupamentos vegetais naturais – florestas, caatingas, serrados, etc. – se mostram tão organizados, é possível que eles tenham uma forma de organização. Também pensava: se a vida vegetal tem suas necessidades, serão os vegetais desprovidos de qualquer sentimento em relação aos seres humanos que contribuem para que suas carências sejam melhor atendidas?

    Eu tinha esses pensamentos, mas, ao final, ficava uma grande interrogação, e, por esse motivo, digo: obrigado Doutor José Eustáquio Diniz Alves; mil vezes obrigado, e, mais uma vez, parabéns por tão excelente artigo.

Comentários encerrados.

Top