Diante da emergência climática, universidades da Europa estão banindo carne bovina de seus restaurantes

 

IHU

Universidade de Coimbra vai banir bife, hambúrgueres e outros produtos com carne bovina a partir de janeiro de 2020. E ela não está sozinha.

A reportagem é de Luiza Belloni, publicada por Huffpost, 20-09-2019.

 

impacto da carne no clima

 

Uma das universidades mais antigas do mundo, a Universidade de Coimbra, em Portugal, informou recentemente que vai banir carne bovina de seus restaurantes a partir de janeiro de 2020.

O anúncio foi feito pelo reitor Amílca Falcão nesta semana e não é o único. Na verdade, a universidade portuguesa segue uma tendência europeia.

No início de agosto, a Goldsmiths, da renomada Universidade de Londres, informou que deixou de vender nos campus hambúrgueres e outros produtos bovinos. Agora em setembro, carne não é mais encontrada nos cafés, mercados e restaurantes da universidade.

Também neste mês deste ano, foi a vez da Universidade de Cambridge dar um basta em bifes, hambúrgueres e outros produtos que levam carne bovina, e também carne de cordeiro. Eles serão substituídos por produtos à base de plantas.

O que está por trás de todas estas medidas? A preocupação com o clima.

“Vivemos um tempo de emergência climática e temos de colocar uma trava nesta catástrofe ambiental anunciada”, disse o reitor Falcão, de Coimbra, às centenas de alunos. Sem carne bovina, as cantinas vão servir outros alimentos que ainda estão em estudo, igualmente nutritivos.

A medida, continuou o reitor, é uma forma de diminuir a “fonte de maior produção de CO2 que existe ao nível de produção de carne animal”, que é a carne de boi.

De fato, a comunidade científica e órgãos não-governamentais, como a ONU, têm chamado atenção para a diminuição do consumo de carne para frear o aquecimento global.

Isso porque a agropecuária ― principalmente a carne bovina ― é um dos grandes responsáveis pelas emissões de gases do efeito estufa.

“Eu creio que o maior impacto é a conscientização das pessoas para o problema”, disse o reitor Amílca Falcão. E completou: “O que é mais dramático é ver os líderes mundiais não perceberem que está em jogo o futuro do planeta e dos nossos jovens, dos nossos filhos e netos e, isso, é muito preocupante para não alertarmos para o problema, mesmo que sejam pequenos gestos”.

Por ano, cerca de 20 toneladas de carne de boi são consumidas nas cantinas universitárias de Coimbra.

A universidade também tem um plano de diminuir produtos de plástico e substituí-los por utensílios de metal, de madeira e de papel.

O mesmo vai acontecer na Goldsmithsuniversidade de Londres, que tem como objetivo se tornar “carbono neutro” até 2025. Além de diminuir drasticamente o uso de plásticos, a universidade também está instalando painéis solares nos prédios do campus.

As medidas foram aprovados pelos estudantes. Ao The Guardian, a universitária Isabelle Grosse, 20, disse que as medidas são os primeiros passos para a universidade se tornar mais sustentável. “Eu vejo como um movimento positivo. Proibir a venda de carne bovina no campus, eliminar gradualmente os plásticos descartáveis ​​e as outras promessas que a universidade fez destacam a atual emergência climática que o mundo está enfrentando”, disse a estudante de psicologia.

Na Universidade de Cambridge, os chefs receberam aulas de culinárias veganas e os gerentes dos café tiveram treinamento em sustentabilidade.

As opções vegetarianas foram aumentadas e até peixes considerados ruins para o meio ambiente foram removidos. A universidade também mudou os menus, listando opções vegetarianas e veganas antes dos itens de carne.

A gerente do serviço de cantina, Paula White, disse à BBC que outra mudança também foi deixar de rotular alimentos como “vegetarianos” ou “veganos”. A proposta é motivar estudantes a escolherem as opções “mais gostosas”, independentemente se tem carne ou não.

“Você olha, cheira [os alimentos]. Se você olha para alguma coisa e pensa: ‘Uau, isso parece bom’, você não está pensando ‘existe carne nisso?’”, disse.

“Se trata de facilitar a escolha certa”, ressaltou Nick WHite, chefe do serviço da universidade britânica.

(EcoDebate, 24/09/2019) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top