A falta de diversidade de culturas e a redução de polinizadores podem ameaçar a segurança alimentar

 

monocultura da soja
Brasnorte, MT, Brasil: Árvore em meio a monocultura de soja. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 

Uma nova pesquisa sugere que as tendências globais nas práticas agrícolas estão minando os polinizadores que dependem das culturas e colocando em risco a produtividade e a estabilidade agrícolas, particularmente em alguns países da Ásia e da América do Sul.

University of Maryland*
College of Computer, Mathematical, and Natural Sciences

Uma equipe multinacional de pesquisadores identificou países onde a crescente dependência da agricultura em relação à polinização, juntamente com a falta de diversidade de culturas, pode ameaçar a segurança alimentar e a estabilidade econômica.

O estudo, que foi publicado na revista Global Change Biology em 11 de julho de 2019, é a primeira avaliação global da relação entre as tendências na diversidade das culturas e a dependência agrícola dos polinizadores.

Usando dados anuais da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação de 1961 a 2016, o estudo mostrou que a área global cultivada em culturas que requerem polinização por abelhas e outros insetos aumentou 137%, enquanto a diversidade de culturas aumentou apenas 20,5%. Este desequilíbrio é um problema, de acordo com os pesquisadores, porque a agricultura dominada por apenas um ou dois tipos de culturas só fornece nutrição para polinizadores durante uma janela limitada quando as plantações estão florescendo. A manutenção da diversidade agrícola pelo cultivo de uma variedade de culturas que florescem em diferentes épocas fornece uma fonte mais estável de alimento e habitat para os polinizadores.

“Este trabalho deve soar um alarme para os formuladores de políticas que precisam pensar em como vão proteger e estimular as populações de polinizadores que podem apoiar a crescente necessidade dos serviços que fornecem às culturas que requerem polinização”, disse David Inouye , professor emérito de biologia. na Universidade de Maryland e co-autor do trabalho de pesquisa.

Globalmente, uma grande parte da expansão agrícola total e o aumento da dependência de polinizadores entre 1961 e 2016 resultaram de aumentos na agricultura em grande escala das culturas de soja, canola e palma para o petróleo. Os pesquisadores expressaram preocupação com o aumento dessas plantações porque indica uma rápida expansão da agricultura industrial, que está associada a práticas prejudiciais ao meio ambiente, como grandes monoculturas e uso de pesticidas, que ameaçam os polinizadores e podem prejudicar a produtividade.

Particularmente vulneráveis à instabilidade agrícola potencial são Brasil, Argentina, Paraguai e Bolívia, onde a expansão de fazendas de soja dependentes de polinizadores levou ao desmatamento e substituiu a rica biodiversidade que sustenta populações saudáveis de polinizadores com monoculturas em grande escala. A Malásia e a Indonésia enfrentam um cenário semelhante da expansão da plantação de dendezeiros.

“Os agricultores estão cultivando mais culturas que requerem polinização, como frutas, nozes e sementes oleaginosas, porque há uma demanda crescente por elas e elas têm um valor de mercado mais alto”, disse Inouye. “Este estudo aponta que essas tendências atuais não são boas para os polinizadores, e os países que diversificam suas culturas agrícolas vão se beneficiar mais do que aqueles que se expandem com apenas um subconjunto limitado de culturas”.

Embora o estudo tenha constatado que os países que substituem florestas e paisagens agrícolas heterogêneas e diversificadas, com uma monocultura extensivamente dependente de polinizadores, são os mais vulneráveis, outros países também enfrentam riscos de crescente dependência de polinizadores.

Na Europa, as terras agrícolas estão se contraindo à medida que o desenvolvimento substitui a agricultura, mas as culturas dependentes de polinizadores estão substituindo as culturas não dependentes de polinizadores, como arroz e trigo (que são polinizadas pelo vento). De acordo com o estudo, a crescente necessidade de serviços de polinização sem aumentos paralelos na diversidade coloca a estabilidade agrícola em risco em lugares como Austrália, Reino Unido, Alemanha, França, Áustria, Dinamarca e Finlândia.

Nos EUA, a diversidade agrícola não acompanhou a expansão da agricultura de soja em escala industrial.

“Este trabalho mostra que você realmente precisa olhar para esta questão país por país e região por região para ver o que está acontecendo porque há diferentes riscos subjacentes”, disse Inouye. “O ponto principal é que, se você está aumentando as plantações de polinizadores, também precisa diversificar as plantações e implementar um manejo amigável aos polinizadores.”

Inouye disse que os pesquisadores esperam que esse trabalho estimule os políticos e gerentes de recursos a reavaliarem as tendências e práticas atuais para introduzir um manejo mais amigável aos polinizadores, como reduzir o uso de inseticidas, plantar fileiras e tiras de flores para fornecer locais para nidificação e alimentos para polinizadores. áreas seminaturais e naturais adjacentes às culturas.

Referência:

Global agricultural productivity is threatened by increasing pollinator dependence without a parallel increase in crop diversification
Marcelo A. Aizen Sebastián Aguiar Jacobus C. Biesmeijer Lucas A. Garibaldi David W. Inouye Chuleui Jung Dino J. Martins Rodrigo Medel Carolina L. Morales Hien Ngo Anton Pauw Robert J. Paxton Agustín Sáez Colleen L. Seymour
Global Change Biology
https://doi.org/10.1111/gcb.14736

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/07/2019

A falta de diversidade de culturas e a redução de polinizadores podem ameaçar a segurança alimentar, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/07/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/07/18/a-falta-de-diversidade-de-culturas-e-a-reducao-de-polinizadores-podem-ameacar-a-seguranca-alimentar/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top