Energia nuclear não é assunto somente para técnicos, artigo de Heitor Scalambrini Costa

 

radioativo

 

[EcoDebate] Existe uma estrategia clara dos defensores da energia nuclear, para produção de energia elétrica, em minimizar os acidentes que podem ocorrer nas indústrias envolvidas no chamado ciclo do combustível nuclear, em particular nas usinas núcleo-elétricas. Querem nos fazer crer que a segurança das centrais nucleares é infalível, e que acidentes com a liberação de material radioativo não acontecem, e nem acontecerão. Além de tentarem desqualificar aqueles que são contrários a utilização desta fonte de energia.

O discurso da infalibilidade de usinas nucleares é recorrente, como se fosse possível – risco zero – acontecer um acidente. O desastre em Fukushima mostrou ao mundo, que mesmo em um país de grande conhecimento e domínio tecnológico, a natureza está fora do domínio do homem. E que acidentes podem sim acontecer, e quando acontecem são catastróficos.

Acidentes em usinas nucleares acontecem com muita mais frequência do que os conhecidos, e divulgados. Geralmente não chegam ao domínio público, não são revelados a população. E diferentemente de um acidente, por exemplo de avião, que atinge diretamente os passageiros, terminando no local e no instante que ocorrem; um acidente em uma usina nuclear com liberação de material radioativo, começa no instante e no local, mas depois centenas e mesmo milhares de pessoas em territórios inteiros sofrerão as consequências provocadas pela radiação. E anos depois crianças nascerão com aberrações cromossômicas e desenvolverão leucemia, causadas pela absorção, por seus pais, de doses de radiação acima do tolerável.

As agências envolvidas no controle e fiscalização também sofrem pressões dos “negócios nucleares” que implicam interesses econômicos-militares. Só para termos ideia dos recursos financeiros, a construção de uma usina nuclear de 1.300 MW chega a custar 5 bilhões de dólares. Sem levar em conta que depois de sua vida útil serão necessários em torno de 1 bilhão de dólares para seu descomissionamento, ou seja, sua desativação. As construtoras de equipamentos nucleares e as empreiteiras agradecem.

No Brasil, interesses contrários ao bem estar da população e ao desenvolvimento sustentável, insistem que a energia nuclear é importante para garantir a segurança energética. São usados argumentos falaciosos, mesmo mentirosos, quando não informações valiosas são subtraídas para formar opiniões, enganando a população que repele este tipo de energia em nosso país.

Estudos tem mostrado que no Brasil as fontes energéticas renováveis, aquelas produzidas pela natureza (Sol, vento, biomassa e água), podem atender a demanda por energia de que precisamos. E são mais factíveis tanto do ponto de vista econômico, quanto da segurança, e do meio ambiente.

No Brasil, caso único no mundo, que constitui um agravante, é que o órgão que exerce as atividades de promoção e fomento da energia nuclear é o mesmo responsável pela sua fiscalização e controle. É o que ocorre com a Comissão Nacional de Energia Nuclear-Cnen. É um absurdo que o mesmo órgão que desenvolve esta atividade de alto risco, inclusive à vida humana, seja o responsável pela fiscalização e regulação de suas próprias atividades.

A energia nuclear é suja, insegura e cara. O ciclo do nuclear – da mineração do urânio, ao problema insolúvel da destinação do lixo radioativo – é insustentável do ponto de vista social, ambiental e econômico. Dai precisamos a cada dia reafirmar: NÃO PRECISAMOS DE USINAS NUCLEARES EM NOSSO PAÍS.

Heitor Scalambrini Costa, Professor aposentado da Universidade Federal de Pernambuco. Bacharel em física pelo Instituto Gleb Wataghin-Unicamp, mestre em Ciência e Tecnologia Nuclear pela Universidade Federal de Pernambuco, e doutor em Energética pela Universidade de Aix-Marselha /Comissariado de Energia Atômica-Cadarache (França).

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/03/2019

"Energia nuclear não é assunto somente para técnicos, artigo de Heitor Scalambrini Costa," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/03/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/03/28/energia-nuclear-nao-e-assunto-somente-para-tecnicos-artigo-de-heitor-scalambrini-costa/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Energia nuclear não é assunto somente para técnicos, artigo de Heitor Scalambrini Costa

  1. Hoje a matriz energética brasileira depende de 1,4% de energia gerada por fissão nuclear. Há ainda uma meta de chegar a 3%, porém, também há a meta de chegar a 50% de dependência eólica triplicado as 540 usinas eólicas que já existem no Brasil. Tudo vai depender da vontade política dos governantes para compra da energia em longo prazo e de melhoria na estrutura logística para transporte das peças de Sorocaba até o Nordeste.

Comentários encerrados.

Top