Águas interiores secas são subestimadas nas mudanças climáticas

 

2018: um ano de seca – as mudança climáticas provocam um aumento no número de águas doces que secam, pelo menos temporariamente. Além disso, muitos lagos estão encolhendo permanentemente ou desapareceram completamente.

Cerca de 90.000 quilômetros quadrados de superfície de água já desapareceram nos últimos 30 anos. Essa tendência não é apenas uma ameaça às reservas de água potável e aos principais ecossistemas – as águas doces secas também desempenham um papel importante no ciclo global de carbono e podem ser responsáveis pela liberação de CO2 e outros gases relevantes para o clima.

Leibniz-Institute of Freshwater Ecology and Inland Fisheries (IGB)*

 

seca

 

Dois estudos recentemente publicados, realizados com o envolvimento do Instituto Leibniz de Ecologia de Água Doce e Pesca Interior (IGB), revelam que a importância desse fenômeno tem sido até agora subestimada.

Um elemento-chave dos Relatórios de Avaliação publicados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) é o ciclo global de carbono: o carbono (C) existe em várias formas diferentes nas rochas, solos, água, ar, organismos e atmosfera; processos de troca contínua ocorrem entre essas esferas. O carbono na forma de CO2 atua como um gás de efeito estufa na atmosfera.

“Ao calcular fluxos de matéria no ciclo do carbono, alguns habitats são complexos demais para serem capturados, razão pela qual não são considerados separadamente no Relatório do IPCC”, explicou o Dr. Gabriel Singer, líder do grupo de pesquisa do IGB Ecossistema Fluvial Ecologia e co -autor de ambos os estudos. E, no entanto, rios, lagos, lagoas e riachos que caem parcialmente ou completamente a seco, ou que tenham níveis de água em queda, podem desempenhar um papel significativo nas emissões globais de CO2, como mostra a equipe de autores: Quando os sedimentos permanentemente secos do lago e as superfícies sazonalmente secas de todas as diferentes águas doces são consideradas, as estimativas para os fluxos de CO2 das águas interiores continentais para a atmosfera devem ser aumentadas em cerca de 10%. Como tal, as águas doces desempenham um papel mais importante no ciclo de carbono global do que se supunha anteriormente.

Os lagos são considerados sumidouros de carbono – isto só é verdade até certo ponto

A equipe analisou numerosas publicações que contribuíram nos últimos anos para determinar as emissões de CO2 das águas doces e sua contribuição para o ciclo do carbono, e as razões para o aumento da dessecação. Estritamente falando, as águas doces e os lagos, em particular, atuam principalmente como sumidouros de carbono – o acúmulo de carbono a longo prazo ocorre em seus sedimentos. Se os níveis de água caírem, no entanto, uma parte crescente do fundo do lago é exposta ao oxigênio atmosférico. Os sedimentos mais secos tornam-se, a respiração mais aeróbica aumenta – matéria orgânica morta no fundo do lago é usada por bactérias, o que leva, por sua vez, à produção de CO2. “Nossa análise mostra que os lagos não devem ser considerados apenas como sumidouros de C; pelo contrário, emitem carbono gasoso quando ficam secos ”, enfatizou Gabriel Singer.

Com base no conhecimento acumulado, a equipe de autores calculou um nível básico aproximado para a proporção do ciclo de carbono global que pode ser atribuída à secagem de águas interiores. “Cerca de 0,2 gigatoneladas de CO2 são emitidas globalmente por águas interiores secas a cada ano. Como comparação: o fluxo anual de CO2 das águas doces continentais é de aprox. 2 gigatoneladas e fluxos antropogênicos de combustíveis fósseis totalizam cerca de 9 gigatoneladas por ano ”, afirmou Gabriel Singer. É difícil estimar até que ponto as influências antropogênicas são responsáveis ??pelo aumento da aridez; Influências potenciais são atribuídas à mudança do uso da terra em áreas de captação de água ou a medidas que causam a secagem permanente de lagos sazonais secos após a remoção da água. E claro,

Reservatórios são alvos potenciais para reduzir as emissões de CO2 das águas interiores

Os resultados do estudo oferecem à humanidade novos cursos de ação. “Quanto mais sabemos sobre como funciona o ciclo global de carbono, mais fácil podemos identificar alvos potenciais, particularmente quando se trata de absorver os possíveis efeitos de feedback da mudança climática”, afirmou Gabriel Singer. Reservatórios, por exemplo, são águas artificiais onde é conscientemente aceito que áreas de sedimentos repetidamente secam durante as flutuações do nível de água. É essencial empreender uma avaliação holística do papel desempenhado por tais sistemas no ciclo do carbono. Essa avaliação também inclui o fornecimento de informações detalhadas sobre as emissões de gases de efeito estufa. Isso é particularmente verdadeiro quando se trata de selecionar locais para a construção de novos reservatórios em potencial, mas também em relação a como o manejo de reservatórios existentes pode ser adaptado ou se, talvez,

Outro artigo da equipe de Gabriel Singer publicado recentemente explora os efeitos da alternância de fases secas e úmidas nos ecossistemas fluviais nos fluxos de matéria. Durante seu tempo como jovem cientista visitante no IGB, Marisa Arce investigou a existência de nitrogênio nos sedimentos, a oxidação da amônia e as emissões de óxido nitroso, outro importante gás de efeito estufa. De fato, o óxido nitroso diminui durante os períodos de seca, mas aumenta novamente assim que a chuva ocorre. As descobertas ajudam os cientistas a entender mais claramente o comportamento dos fluxos de nitrogênio em rios e riachos expostos a fases secas e úmidas alternadas.

Devido à mudança climática, tal cenário afetará um número maior de ecossistemas fluviais no futuro – e pode mudar o papel que eles desempenham nos ciclos de matéria global.

Referências:

Rafael Marce; Biel Obrador; Lluis Gomez-Gener; Nuria Catalan; Matthias Koschorreck; Maria Isabel Arce; Gabriel Singer; Daniel von Schiller: Emissions from dry inland waters are a blind spot in the global carbon cycle. Earth-Science Reviews. – 188(2019), p. 240-248

Maria Isabel Arce; Daniel von Schiller; Mia M. Bengtsson; Christian Hinze; Hoseung Jung; Ricardo J. Eloy Alves; Tim Urich; Gabriel Singer: Drying and rainfall shape the structure and functioning of nitrifying microbial communities in riverbed sediments. Frontiers in Microbiology. – 9(2018)art. 2794

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/01/2019

"Águas interiores secas são subestimadas nas mudanças climáticas," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/01/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/01/28/aguas-interiores-secas-sao-subestimadas-nas-mudancas-climaticas/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top